G1 Mundo

Ucrânia intercepta míssil hipersônico mais sofisticado da Rússia com defesa antiaérea fornecida pelos EUA

today7 de maio de 2023 13

Fundo
share close

Também neste sábado, o líder do grupo paramilitar russo Wagner voltou a dizer que deseja retirar seus homens do front em Bakhmut, e um escritor próximo de Vladimir Putin foi ferido em uma explosão.

A Rússia enfrenta novos reveses neste final de semana. Quando o presidente russo, Vladimir Putin, apresentou ao mundo o míssil Kinzhal em 2018, ele o chamou de “arma ideal” por sua dificuldade para ser interceptado. O armamento, no entanto, não resistiu ao avançado sistema de defesa antiaérea concebido nos Estados Unidos. 

“Sim, derrubamos o ‘inigualável’ míssil Kinzhal”, afirmou o general Mikola Oleshchuk no Telegram. “Felicito o povo ucraniano por este acontecimento histórico”, acrescentou. 



A Ucrânia recebeu os primeiros Patriot em meados de abril. Na época, o presidente ucraniano, Volodymyr Zelensky, disse que o equipamento fortaleceria “de forma significativa” as defesas do país contra os ataques russos.

Em outro sinal de fragilidade da ofensiva deflagrada por Moscou, o líder do grupo paramilitar Wagner pediu, neste sábado, autorização ao Exército russo para entregar as suas posições na cidade ucraniana de Bakhmut às tropas do líder checheno Ramzan Kadyrov, em protesto contra a falta de munições.

Míssil balístico hipersônico Kinzhal é mostrado equipado em um caça russo em vídeo de divulgação — Foto: Reprodução/Forças de Defesa da Rússia

Yevgeny Prigozhin deu prazo até 10 de maio para que o ministro da Defesa russo, Sergei Shoogu, concretize essa mudança de comando. Há meses que o líder do grupo Wagner acusa o Estado-Maior russo de não fornecer aos seus homens munições suficientes para conquistar Bakhmut. Uma vitória dos paramilitares ofuscaria o Exército regular russo no leste da Ucrânia.

Prigozhin justificou o pedido “devido a uma escassez de munições de longa data”, acusando o Estado-Maior russo de ter fornecido a ele apenas 32% das munições solicitadas desde outubro passado. Na sexta-feira (5), ele já tinha ameaçado retirar as suas tropas de Bakhmut, epicentro de combates sangrentos há vários meses.

No Telegram, o líder checheno Ramzan Kadyrov reagiu à proposta de Prigozhin dizendo que os seus combatentes estavam prontos para ocupar as posições russas na cidade, caso o grupo Wagner retirasse de fato as suas unidades do local.

“Os nossos combatentes estão prontos para avançar e ocupar a cidade. Serão necessárias algumas horas”, afirmou o checheno, indicando que as suas tropas já tinham lutado ao lado dos paramilitares do Wagner nas cidades ucranianas de Popasna, Severodonetsk e Lissychansk, conquistadas pela Rússia.

No sábado de manhã, em uma mensagem separada, Prigozhin agradeceu a proposta de Kadyrov, assegurando que Bakhmut, que tem resistido aos ataques russos, “sem dúvida será tomada pelas tropas chechenas”.

RELEMBRE: Rússia testa novo míssil hipersônico Kinzhal

RELEMBRE: Rússia testa novo míssil hipersônico Kinzhal

Explosão fere escritor pró-Kremlin

Em mais um incidente envolvendo aliados de Putin, o escritor nacionalista russo Zakhar Prilepin, defensor ferrenho da ofensiva militar do Kremlin na Ucrânia, foi ferido neste sábado, após a detonação de um explosivo posicionado no carro em que ele circulava. A explosão matou o motorista do escritor, anunciou o Comitê de Investigação da Rússia, que abriu um inquérito por “ato terrorista”. 

Moscou acusou imediatamente a Ucrânia e seus aliados ocidentais pelo atentado. O incidente aconteceu na região de Nizhny Novgorod, centro-oeste da Rússia, onde o escritor nasceu. O ministério informou a detenção de um suspeito.

Fontes médicas e das forças de segurança que pediram anonimato, citadas por agências de notícias russas, afirmam que Prilepin sofreu ferimentos nas pernas.

De acordo com Comissão de Investigação, o escritor estava no carro “com a família” quando ocorreu a explosão. “Zakhar (Prilepin) sofreu pequenas fraturas, sua vida não está em perigo”, afirmou o governador da região de Nizhny Novgorod no Telegram.

Após a divulgação das primeiras informações sobre a explosão, a porta-voz da diplomacia russa, Maria Zakharova, acusou Ucrânia, Estados Unidos, Reino Unido e Otan de envolvimento no ato “terrorista”.

Figura de destaque na cena literária russa, com livros traduzidos para vários idiomas, o escritor de 47 anos está comprometido desde 2014 com os separatistas pró-Rússia do leste da Ucrânia e lutou ao lado dos insurgentes.

Desde então, este veterano das guerras da Chechênia na década de 1990 viaja com frequência ao leste da Ucrânia. Ele defende Putin e sua ofensiva contra o país vizinho, iniciada em 24 de fevereiro de 2022.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

lula-diz-que-presidente-do-bc-‘nao-tem-compromisso-com-o-brasil’,-e-sim-‘com-aqueles-que-gostam-de-taxa-de-juros-alta’

G1 Mundo

Lula diz que presidente do BC ‘não tem compromisso com o Brasil’, e sim ‘com aqueles que gostam de taxa de juros alta’

O presidente Luiz Inácio Lula da Silva (PT) afirmou neste sábado (6) que o presidente do Banco Central, Roberto Campos Neto, "não tem compromisso com o Brasil", e sim, com o governo Jair Bolsonaro, "que o indicou". Lula disse ainda que, na visão dele, Campos Neto tem compromisso também "com aqueles que gostam de taxa de juros alta, porque não há outra explicação". E comparou a atuação de Campos Neto […]

today7 de maio de 2023 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%