G1 Mundo

UE faz cúpula inédita com Sudeste Asiático em busca de influência; veja países que apoiam cada lado da guerra

today14 de dezembro de 2022 14

Fundo
share close

Participam do encontro, em Bruxelas, os 27 países que compõem a UE e nove dos dez integrantes da Associação de Nações do Sudeste Asiático (Asean) – Mianmar, que sofreu golpe de Estado em 2021, foi excluída da reunião.

Apesar de Pequim e Moscou exercerem forte protagonismo na região, o Ocidente também tem conseguido angariar apoio de governos locais na guerra da Ucrânia. Os países da Asean não estabeleceram uma frente única e mostram diferenças em sua resposta ao conflito:

  • A Singapura tem mostrado proximidade com a UE e foi a única que adotou sanções aplicadas pelo Ocidente contra a Rússia;
  • O Vietnã ficou neutro. Laos também adota neutralidade, mas tem laços fortes com a Rússia, de quem recebe apoio militar ;
  • A Tailândia se absteve em votação na Organização das Nações Unidas (ONU) em outubro que condenava a tentativa da Rússia de anexar regiões da Ucrânia;
  • Mianmar, que também recebe armas da Rússia, não se posicionou;
  • A Indonésia já condenou a guerra na Ucrânia, mas sem fazer menções diretas ao governo russo como autor da invasão;
  • Camboja, Filipinas, Brunei, Malásia apoiaram a moção da ONU

Um porta-voz do presidente francês, Emmanuel Macron, destacou a “necessidade de os europeus se reconectarem com a Asean, uma das regiões mais dinâmicas do mundo”.



No entanto, segundo fontes diplomáticas, as diferenças já provocaram uma intensa disputa sobre o tom da declaração final da cúpula, na qual a UE defendeu o uso de uma linguagem mais forte em relação à Rússia.

Além desse impasse, outro gigante paira sobre a cúpula UE-Asean: a China.

As reivindicações de Pequim sobre o mar da China Meridional provocaram tensões com vários de seus vizinhos e levantaram preocupações na Europa sobre os fluxos comerciais nesse canal marítimo fundamental.

A UE é um parceiro comercial importante para os países da ASEAN, mas “a China é muito mais importante para eles em termos comerciais, mais do que os Estados Unidos” e o próprio bloco europeu, afirmou uma autoridade alemã ouvida pela agência de notícias AFP.

Para o presidente do Conselho Europeu, Charles Michel, a cúpula desta quarta-feira será uma “oportunidade para trocar informações sobre a nossa parceria estratégica e discutir questões de interesse comum, incluindo segurança, conectividade [e] desafios comerciais”.

“Tenho certeza de que será o primeiro de muitos compromissos frequentes de nossas duas regiões”, acrescentou.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

nova-zelandia-aprova-proibicao-do-cigarro-para-futuras-geracoes

G1 Mundo

Nova Zelândia aprova proibição do cigarro para futuras gerações

A legislação aprovada pelo parlamento nesta terça-feira (13) significa que qualquer pessoa nascida depois de 2008 não poderá mais comprar cigarros ou produtos derivados do tabaco no país. Na prática, o número de pessoas capazes de comprar tabaco na Nova Zelândia diminuirá a cada ano. Em 2050, por exemplo, pessoas de 40 anos serão jovens demais para comprar cigarros. A ministra da Saúde, Ayesha Verrall, que apresentou o projeto de […]

today14 de dezembro de 2022 18

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%