G1 Mundo

Uma guerra entre EUA e China está mais próxima?

today19 de março de 2023 11

Fundo
share close

Os detalhes foram revelados na segunda-feira (13) em San Diego, na Califórnia.

Pelo pacto, os australianos terão seu primeiro submarino nuclear fornecido pelos EUA. Serão no mínimo três. A partir de 2027, submarinos norte-americanos e britânicos ficarão estacionados em algumas cidades da Austrália.

“Entrando em um caminho perigoso”, “não levar em consideração preocupações da comunidade internacional” e até “arriscar uma nova corrida armamentista e de proliferação nuclear” são apenas algumas das acusações feitas por Pequim ao trio de aliados.



Desde que a presidente da Câmara dos Deputados dos EUA, Nancy Pelosi, fez sua controversa visita a Taiwan no ano passado, a China não expressava uma desaprovação tão intensa a respeito de ações ocidentais.

A China, a nação mais populosa do mundo, com o maior exército e a maior marinha do mundo, diz que está começando a se sentir “encurralada” pelos EUA e seus aliados no Pacífico ocidental.

Em resposta, o presidente Xi Jinping anunciou recentemente que a China aceleraria a expansão de seus gastos com Defesa e nomeou a segurança nacional como a principal preocupação dos próximos anos.

Não é de admirar que o primeiro-ministro do Reino Unido, Rishi Sunak, tenha falado nesta semana sobre uma década perigosa pela frente e a necessidade de se preparar para enfrentar os crescentes desafios de segurança.

Então, como chegamos a esse ponto? O mundo está se aproximando de um conflito catastrófico no Pacífico entre a China e os EUA e seus aliados?

Um entendimento errado do cenário

O presidente americano Joe Biden em reunião virtual com o presidente chinês Xi Jinping em dezembro de 2021 — Foto: AFP via Getty Images

O Ocidente fez uma leitura incorreta da China. Durante anos, houve um entendimento ingênuo nos ministérios das Relações Exteriores de que a liberalização econômica chinesa levaria inevitavelmente a uma abertura da sociedade e a uma maior liberdade política.

Segundo esse raciocínio, à medida que empresas multinacionais ocidentais estabelecessem joint ventures no país e centenas de milhões de cidadãos chineses começassem a desfrutar de um padrão de vida mais alto, o Partido Comunista Chinês (PCC) certamente afrouxaria seu controle sobre a população, permitiria algumas reformas democráticas modestas e se tornaria integrante da chamada “ordem internacional que respeita regras”.

Mas não funcionou dessa maneira.

Sim, a China se tornou um gigante econômico, uma parte vital e integral da cadeia de suprimentos global e o parceiro comercial mais importante para diferentes países de todo o mundo.

Mas essa nova posição não foi acompanhada por uma mudança em direção à democracia e à liberalização. Pequim, na verdade, tomou um caminho que alarmou os governos ocidentais e muitos de seus vizinhos, como Japão, Coreia do Sul e Filipinas.

Qual caminho? A lista é longa, mas aqui estão os principais pontos de discórdia entre a China e o Ocidente:

  • Taiwan – a China prometeu diversas vezes tomar a ilha autônoma e pela força, se necessário. O presidente dos EUA, Joe Biden, disse que os EUA viriam em defesa de Taiwan, embora a política oficial dos EUA não se comprometa com uma ação militar.
  • Mar do Sul da China– nos últimos anos, a China usou sua poderosa marinha para colonizar partes dessa área marítima, reivindicando-a como seu próprio território, em violação do direito internacional
  • Tecnologia – a China vem recebendo cada mais acusações de coletar secretamente grandes quantidades de dados pessoais, bem como de roubar propriedade intelectual para obter vantagem comercial
  • Hong Kong – Pequim esmagou com força a democracia na ex-colônia britânica, impondo longas sentenças de prisão a ativistas
  • Muçulmanos Uigures – dados de satélite e relatos de testemunhas oculares apontam para o internamento forçado de até 1 milhão de muçulmanos uigures em campos na província de Xinjiang.

Militarmente, a China hoje é uma força que não pode ser subestimada. Nos últimos anos, o Exército Popular de Libertação, que comanda as forças militares chinesas, fez enormes avanços em tecnologia e inovação, bem como no poderio do arsenal.

Os mísseis hipersônicos Dong Feng da China, por exemplo, podem viajar cinco vezes mais a velocidade do som e são armados com um explosivo potente ou uma ogiva nuclear.

Isso está fazendo a 7ª Frota da Marinha dos EUA, que atua no Oceano Pacífico e no Índico e tem base em Yokosuka, no Japão, parar para pensar sobre sua capacidade militar frente às numerosas baterias de mísseis da China em terra.

A China também organizou um programa de rápida expansão de seus mísseis balísticos nucleares com o objetivo de triplicar o número de ogivas ao mesmo tempo que constrói instalações subterrâneas para abrigar esse armamento em remotas regiões no oeste do país.

Nada disso, porém, significa que a China quer ir para a guerra. Quando se trata de Taiwan, Pequim prefere exercer uma pressão suficiente para que a ilha capitule e se submeta sem que os militares chineses dispararem um único tiro.

Sobre Hong Kong, os uigures e a propriedade intelectual, o PCC sabe que, com o tempo, as críticas perdem força porque as relações comerciais com a China são importantes demais para o resto do mundo.

Portanto, embora as tensões tenham crescido muito agora e possam aparecer novos incidentes dentro desse conflito, ambos os lados — China e Ocidente — sabem que uma guerra no Pacífico seria catastrófica para todos.

Apesar da retórica raivosa, a escalada desse enfrentamento não interessa a ninguém.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

bombardeio-russo-na-ucrania-mata-civis-em-predio-residencial

G1 Mundo

Bombardeio russo na Ucrânia mata civis em prédio residencial

Três civis foram mortos e dois ficaram feridos em um bombardeio russo contra um prédio residencial em Zaporizhzhia, no sul da Ucrânia, neste domingo (19). As informações são da agência Reuters, com base em dados de autoridades regionais. Segundo a administração militar da região, as tropas russas dispararam foguetes contra a pequena vila de Kamyanske, onde 2.600 pessoas viviam antes do início da guerra. O governo pediu que os moradores […]

today19 de março de 2023 13

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%