G1 Mundo

Uma mulher comete suicídio por dia no Afeganistão dois anos após tomada do Talibã, aponta ONU

today15 de agosto de 2023 7

Fundo
share close

No Afeganistão, pelo menos uma mulher comete suicídio por dia, segundo a ONU. As afegãs lutam há anos por mais direitos, mas a situação se agravou com a ascensão do Talibã ao poder, que completa dois anos nesta terça-feira (15).

“Estamos alarmados com os problemas de saúde mental generalizados e os relatos de suicídios crescentes entre mulheres e meninas”, escreveram Dorothy Estrada-Tanck e Richard Bennett, pesquisadores da ONU, em um relatório divulgado em maio sobre a situação no país. “Esta situação extrema de discriminação institucionalizada com base em gênero no Afeganistão não tem paralelo em qualquer lugar do mundo.”

Em todo o mundo, suicídios são duas vezes mais comuns entre homens que entre mulheres, mostram dados da OMS. No Afeganistão, entretanto, o cenário é bem diferente: 80% das pessoas que tiram a própria vida no país são do sexo feminino.



Uma análise publicada em outubro de 2022 no periódico “The Lancet” explica que a mortalidade por suicídio já era alta antes da tomada do poder pelo Talibã, mas o número cresceu, principalmente entre as mulheres, após a ascensão do grupo em 2021.

“Os fatores mais importantes para esta disparidade são a violência contra as mulheres, os casamentos forçados, a falta de consciência dos direitos das mulheres, o impacto da guerra, algumas práticas tradicionais (…) e a violência familiar”, escreveram os autores do artigo.

O Talibã e os direitos das mulheres

O grupo extremista assumiu o governo após as últimas tropas do Exército dos Estados Unidos deixarem o território afegão em agosto de 2021. Desde então, o Talibã comanda o país de acordo com a própria interpretação da sharia (lei islâmica) — e isso impacta diretamente as mulheres.

Alguns exemplos de ataques aos direitos femininos feitos pelo grupo extremista são:

  • Obrigar as mulheres a usarem vestimentas que cubram o corpo todo, da cabeça aos pés.
  • Fechar escolas secundárias para meninas.
  • Banir mulheres de frequentarem as universidades.
  • Proibir as mulheres de viajarem sem o acompanhamento de um parente homem.
  • Impedir que as mulheres atuem em diversas áreas de trabalho.
  • Banir a presença feminina em parque e outros ambientes públicos.
  • Fechar salões de beleza e centros de estética.

No entanto, a situação é complicada, explicaram Estrada-Tanck e Bennett. “As mulheres que protestam pacificamente contra as medidas opressivas enfrentam ameaças, assédio, detenções arbitrárias e tortura”, afirmaram.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

neymar-na-arabia-saudita:-como-transferencia-de-estrelas-enfraquece-futebol-brasileiro

G1 Mundo

Neymar na Arábia Saudita: como transferência de estrelas enfraquece futebol brasileiro

Contratação de Neymar pelo clube saudita Al-Hilal representa 'apequenamento' na carreira do jogador, e os efeitos da inflação no mercado da bola devem ser sentidos também no Brasil, avalia Rodrigo Capelo. Neymar Jr oficializou nesta segunda-feira (14) sua transferência para o clube saudita Al-Hilal. Com um contrato avaliação em 320 milhões de euros (R$ 1,7 bilhão), o jogador entra para a lista de aquisições do mercado da bola saudita. O […]

today15 de agosto de 2023 10

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%