G1 Mundo

Urnas na França confirmaram a espiral autodestrutiva de Macron

today1 de julho de 2024 4

Fundo
share close

Emmanuel Macron apostou alto e foi derrotado pela segunda vez em um mês, ao dissolver a Assembleia Nacional e antecipar as eleições legislativas na França. Ainda que prossiga à frente do Palácio do Eliseu até o fim do mandato, a era Macron parece ter terminado, de acordo com o veredicto das urnas. Se as projeções se confirmarem, ao fim do segundo turno, no próximo domingo (7), a coalizão Juntos, do presidente francês, deverá perder 180 cadeiras no Parlamento.

A vitória do RN ainda não é definitiva. Os próximos dias serão cruciais para sabermos até que ponto está roto o cordão sanitário para deter a maioria absoluta da extrema direita nas 500 cadeiras que ainda estão por se decidir no segundo turno.

Os apelos pela união da esquerda e do centro para uma votação tática contra o partido anti-imigração e populista se intensificaram após o resultado eleitoral, mas parecem não comover os eleitores com a mesma intensidade das eleições passadas.



Desta vez, as diferenças no campo democrático — entre a Nova Frente Popular, de esquerda, a coalizão macronista e os Republicanos — são mais complexas para a formação de uma maioria alternativa republicana, governada a partir do centro.

Existem animosidades, aparentemente irreconciliáveis entre o grupo liderado pelo presidente e o da extrema esquerda, de Jean-Luc Melénchon. O líder da França Insubmissa e o premiê Gabriel Attal pediram que os candidatos em terceiro lugar desistam no segundo turno com objetivos semelhantes: nenhum voto deve ir para o RN para evitar que alcance a maioria absoluta.

Há, contudo, nuances neste apelo à união. Macron, por exemplo, apoiou a desistência desses candidatos e o apoio a quem estiver em primeiro lugar na disputa distrital, desde que não seja filiado à extrema esquerda, de Melénchon.

Rejeitado de forma acachapante pelo eleitorado, o presidente francês se isolou e entrou numa espiral de autodestruição. A paralisação e a inércia ameaçam os três anos que faltam para cumprir o mandato.

Os cenários viáveis não favorecem o presidente, sobretudo o que impõe uma coabitação forçada com um jovem premiê de extrema direita, o presidente do RN, Jordan Bardella, que representa tudo que ele sempre desprezou. Se as projeções se ratificarem no próximo domingo, o legado de Macron se antevê infame: o de um presidente que permitiu a entrada da ultradireita no poder.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

pressionado-apos-debate,-joe-biden-consulta-familia,-que-recomenda-que-ele-continue-na-corrida-eleitoral

G1 Mundo

Pressionado após debate, Joe Biden consulta família, que recomenda que ele continue na corrida eleitoral

No domingo, a família do democrata também criticou a forma como a equipe da campanha preparou Biden para o confronto, de acordo com quatro pessoas próximas disseram à Associated Press. Biden passou o domingo isolado com a primeira-dama, Jill Biden, e seus filhos e netos. A viagem havia sido previamente agendada para uma sessão de fotos com Annie Leibovitz para a próxima Convenção Nacional Democrata. Mas a reunião familiar acabou […]

today1 de julho de 2024 5

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%