G1 Mundo

Vítimas do terremoto enfrentam onda de doenças na Turquia

today22 de fevereiro de 2023 11

Fundo
share close

Dois dias depois a tragédia que atingiu a Turquia e a Síria, acampamentos foram montadas para abrigar os sobreviventes que perderam as casas. No entanto, as condições de higiene nestes locais preocupam as vítimas.

“Foi colocado um banheiro químico do outro lado da rua. Mas é quase impossível ver qualquer coisa de noite e é muito difícil de andar. Como posso deixar minhas crianças sozinhas aqui e andar toda essa distância no escuro para ir ao banheiro?”, pontua Astan.

Barraca pequena abriga 13 pessoas — Foto: Burcu Karakas/DW



A família de Astan divide a barraca com outros sobreviventes. Ao todo, 13 pessoas moram nela, incluindo nove crianças, apesar do pouco espaço. Além das críticas aos esforços oficiais para prevenir os danos causados por terremotos, os turcos afirmam que a resposta do governo à tragédia é inadequada.

Desde o terremoto, muitos dos sobreviventes tiveram que renunciar ao banho. Mas esse não é o maior problema dos residentes do abrigo temporário. O pior, segundo eles, é a falta de banheiros adequados.

Lixo e vazamento de banheiro

Além da falta de banheiros, o lixo se acumula em todos os cantos do acampamento montado para abrigar os sobreviventes. Um funcionário do Ministério da Família e Serviço Social da Turquia relatou à DW que ligou para cidades distantes, como Nevsehir e Konya, para solicitar ajuda.

“Pedi que mandassem pelo menos um contêiner para que o lixo não se acumule por onde as pessoas andam. E, claro, há o grande perigo de propagação de doenças infecciosas”, relata.

O funcionário mostra, então, um banheiro químico que está cheio e começou a vazar. “Tudo neste banheiro vaza. Ele é o único em toda a área, embora tenhamos pedido às autoridades pelo menos 25”, acrescenta.

À noite, a cidade multicultural, que outrora foi agitada, fica deserta. Apenas soldados são vistos nos bairros completamente destruídos. “Alguns foram evacuados da cidade. Outros ficaram em Hatay porque esperam por funerais ou não têm nenhum lugar para ir”, conta um voluntário de uma organização de ajuda humanitária.

Embora sobreviventes ainda estejam sendo encontrados vivos sob os escombros depois de todo esse tempo, as autoridades mudaram o foco do trabalho, que agora está concentrado na limpeza da região. Com isso, as ruas estão cobertas de poeira e sujeira.

Devido à grande quantidade de poeira gerada durante a remoção dos escombros, a população deveria usar máscaras para a proteção, mas nas ruas quase ninguém faz uso delas. Um voluntário da província de Sakarya afirma que as condições de higiene são tão ruins, tornando impossível a recuperação de qualquer pessoa.

A Associação Médica Turca montou um contêiner na cidade vizinha de Defne para atender os sobreviventes e doar roupas e medicamentos. “Estou aqui há seis dias. Nós nos lavamos com lenços umedecidos pois não há como tomar banho”, conta um médico que pediu para não ter o nome divulgado.

Outro médico relata que o esgoto foi direcionado para o rio Asi, trazendo riscos à saúde pública.

“Há banheiros, mas eles não estão limpos e, portanto, são uma fonte potencial de infecção. É muito triste, mas está começando a acontecer o que todos temíamos aqui: infecções, diarreia e febre. A água da região precisa ser tratada logo.”

O médico conta que mais de 100 pacientes dos pelo menos 250 que atendeu tinham alguma doença infecciosa. “Observamos o aumento de doenças ginecológicas, como infecções bacterianas e fúngicas. O motivo é que ninguém aqui pode tomar banho”, acrescenta. Ele relata ainda que crianças estão sofrendo de diarreia e já há casos de irritações na pele devido ao uso da mesma roupa por dias.

Pacientes com câncer que procuram ajuda são mandados de volta, pois não há os medicamentos adequados para tratá-los, conta o médico.

Frio torna a situação mais complicada

Muitos dos resgatados dos escombros têm que lutar com um outro problema: o frio. Um médico relata que muitos sobreviventes morreram de hipotermia nos dois dias depois do terremoto.

“Havia dois soldados com a perna quebrada. A ortopedia era meio longe e não havia macas para transportá-los para lá. Rasguei uma cortina para cobrir os dois. Foi buscar algo e voltei correndo, mas eles morreram nesse meio tempo. Morreram de hipotermia”, conta o médico que estava trabalhando na emergência pediátrica de um hospital em Hatay no dia do terremoto.

A situação é ainda mais preocupante em vilarejos da região. Integrantes de um grupo que coopera com o Crescente Vermelho turco estiveram em vilas perto de Kirikhan. Apesar dos poucos danos estruturais, esses locais enfrentam escassez de alimentos e medicamentos, principalmente para crianças.

“Mesmo se tivéssemos remédios, precisaríamos de ajuda para distribuí-los. Estamos diante de um grande problema organizacional”, diz um voluntário.

Apesar dos relatos, o ministro da Saúde turco, Fahrettin Koca, afirma que o sistema de saúde na região atingida está funcionado e que medidas para prevenir a propagação de doenças foram tomadas, como o envio de vacinas contra tétano e raiva. O ministro destacou também que farmácias móveis estão funcionando nestas regiões e que os vilarejos ainda têm acesso a cuidados de saúde. “Nossos centros de saúde estão ajudando a fornecer produtos de higiene”, acrescentou.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

pastor-morre-ao-tentar-imitar-40-dias-de-jejum-de-jesus

G1 Mundo

Pastor morre ao tentar imitar 40 dias de jejum de Jesus

Francisco Barajah, fundador da Igreja Evangélica de Santa Trindade, faleceu aos 39 anos num hospital da cidade da Beira, para onde foi levado em estado crítico. Após 25 dias sem comida e sem água, segundo pessoas próximas a ele, o homem havia perdido peso a ponto de não conseguir se levantar. Foi levado ao hospital por insistência de familiares e de fiéis de sua igreja. Barajah foi diagnosticado com anemia […]

today22 de fevereiro de 2023 13

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%