G1 Mundo

Youtuber que viajou no submarino desaparecido diz que ‘valia a pena o risco para ver Titanic’

today21 de junho de 2023 8

Fundo
share close

A possibilidade de fazê-lo no submersível Titan — que desapareceu no domingo (18/06) com 5 pessoas a bordo — seduziu há dois anos o youtuber e ator mexicano Alan Estrada, do canal de viagens “Alan ao redor do mundo”.

“Todas as pessoas que fizeram aquela expedição tinham plena consciência dos riscos que corríamos”, disse Estrada à BBC News Mundo (serviço em espanhol da BBC).

“Mas nunca me senti inseguro. Eu tinha plena consciência dos riscos e sabia que se algo acontecesse, se houvesse uma falha naquelas profundezas e o submersível implodisse, provavelmente nem perceberíamos.”



Ele descobriu as excursões ao Titanic durante a pandemia, quando pensava em maneiras de levar seu canal do YouTube “a outros limites”.

Ele fez uma pesquisa, procurou patrocinadores para pagar US$ 125 mil (cerca de R$ 600 mil) — desde então o preço por passageiro dobrou — e se inscreveu para a viagem no início de 2021.

Sua primeira tentativa em julho de 2021 não teve sucesso. Ele desceu no Titan com outros três passageiros e o piloto Stockton Rush, presidente da empresa OceanGate, criadora deste submersível, mas por problemas técnicos eles tiveram que retornar à superfície logo após o início da viagem.

Um ano depois, ele navegou com outra tripulação e passageiros, desta vez com sucesso.

Mas antes de conseguir, ele teve que assinar um documento em que se responsabilizava pelos perigos de fazer uma viagem em uma embarcação experimental como o submersível Titan no fundo do Oceano Atlântico.

“Você lê com atenção todas as coisas que podem acontecer e nunca se sabe, mas entrar em um avião também é um risco. Parece clichê, mas a vida é um risco. E, no final, para muitos de nós, valeu a pena poder ver esse majestoso naufrágio”, diz Estrada.

“É algo muito espetacular por muitos motivos. Saber que tão poucas pessoas estiveram naquelas profundezas, diante daquele naufrágio, sendo o mais famoso do planeta, é algo muito especial. Ter bem na sua frente algo que foi visto tantas vezes em documentários e filmes é muito impressionante”, diz ele.

Os tripulantes do submarino Titan são protegidos da pressão esmagadora das profundezas oceânicas pelas espessas e reforçadas paredes do veículo — Foto: ALAMY

Para Alan Estrada, o início da viagem no submersível é como o lançamento de um foguete, mas a viagem em si não é uma experiência muito especial.

“Não é muito especial. Você fica dentro de uma cápsula, o que é algo impensável para quem tem claustrofobia, mas nada além disso. Algo muito impressionante é o fato de você estar diante daquele naufrágio”, diz.

No navio feito de fibra de carbono e titânio não há muito espaço para se movimentar. Ele mede 2,8 metros de largura por 2,5 metros de altura e 6,7 metros de profundidade, e tem oxigênio para 5 pessoas durante 96 horas.

A viagem tem oito horas: são duas horas para descer 4 mil metros, até quatro horas nas profundezas do oceano para encontrar e explorar o Titanic, e mais duas horas para voltar.

Enquanto estava dentro do submersível, Estrada pode pilotá-lo, algo que é feito com um controle de videogame sem fio.

“Só há comandos para trás, para frente, para cima e para baixo, e você pode virar a embarcação. É muito fácil de manusear. O que é complexo são os sistemas de comunicação e navegação para chegar aos restos do Titanic naquela escuridão”, diz ele .

Em sua viagem, ele ainda assistiu a parte de um filme enquanto esperava para chegar ao histórico transatlântico, como mostra um de seus vídeos.

O submersível não pode ser aberto por dentro; só pode ser aberto por equipamento especializado do lado de fora. É por isso que, no caso hipotético de o navio conseguir chegar à superfície, os passageiros não conseguiriam sair dele sem ajuda externa.

“Não há mais nada que eles possam fazer. Apenas esperar para serem resgatados. E acho que eles estarão constantemente tentando recuperar a comunicação”, diz Estrada.

‘Brinquedo de ricos’ ou investigação científica?

Estrada diz saber que estes tipos de viagens são “bastante polêmicas” devido ao montante de dinheiro gasto por quem vai passear ao fundo do mar.

“Algumas pessoas veem o fato de levar turistas como algo muito superficial, como um brinquedo de rico, mas eu também acredito — e vi isso com os cientistas que conheci — que esse é um jeito de explorar as profundezas do oceano, porque é algo muito caro”, diz.

O youtuber espera que os socorristas possam encontrar os passageiros do Titan com vida e que “no final, este seja apenas um capítulo sombrio do qual muito pode ser aprendido para se continuar explorando”.

Nota: Apesar da definição genérica de submarino se aplicar também a embarcações submersíveis do tipo do Titan, tecnicamente falando uma embarcação submersível difere de um submarino pela sua capacidade autônoma de deslocamento.

Segundo a National Oceanic and Atmospheric Administration, do Reino Unido, submarino é uma embarcação com capacidade de navegar no oceano por si mesma a partir de um porto de origem, enquanto um submersível possui reservas limitadas de energia tendo que ser transportado ao local de imersão por um outro veículo que se encarrega do lançamento e resgate do veículo.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

como-luiz-gama-desvendou-‘roubo-do-seculo’-na-‘wall-street-brasileira’

G1 Mundo

Como Luiz Gama desvendou ‘roubo do século’ na ‘Wall Street brasileira’

Ao final do expediente do dia 16 de fevereiro, uma sexta-feira, o tesoureiro da alfândega do porto de Santos, no litoral paulista, guardou o dinheiro recolhido pela repartição naquele dia, trancou o cofre e foi embora para a folga do fim de semana. Até aí, tudo normal. No início da semana, porém, uma notícia inundou os jornais do país: o cofre foi aberto durante a noite, e 185 mil contos […]

today21 de junho de 2023 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%