G1 Mundo

A carta que mostra que papa Pio XII provavelmente sabia do extermínio nazista em 1942 — antes do que admite o Vaticano

today20 de setembro de 2023 4

Fundo
share close

Esta é uma descoberta importante porque contradiz a posição oficial mantida pela Santa Sé de que, naquele momento, a informação de posse da Igreja sobre as atrocidades nazistas era vaga e não confirmada.

A carta foi encontrada pelo arquivista do Vaticano, Giovanni Coco, e publicada no último domingo (17) pelo jornal italiano “Corriere della Sera”. A notícia foi intitulada ‘Pio XII Sabia’ e sua publicação foi aprovada por funcionários da Santa Sé.

Datada de 14 de dezembro de 1942, a correspondência foi escrita pelo padre jesuíta Lother Koenig, membro da resistência antinazista na Alemanha. Ela foi endereçada ao secretário pessoal do papa no Vaticano, o padre Robert Leiber.



A carta faz referência a três campos nazistas — Belzec, Auschwitz e Dachau — e sugere que haveria outras cartas trocadas entre Koenig e Leiber, que desapareceram ou ainda não foram encontradas.

Para Coco, “a novidade e a importância deste documento vêm do fato de que, agora, temos certeza de que a Igreja Católica da Alemanha enviou a Pio XII notícias exatas e detalhadas sobre os crimes perpetrados contra os judeus”. E, por isso, o Vaticano “tinha informações de que os campos de trabalho, na verdade, eram fábricas da morte”.

O historiador americano David Kertzer, autor de diversos livros sobre Pio XII e seu papel na Segunda Guerra, declarou à BBC que a novidade sobre esta carta é que ela “fala especificamente dos crematórios, de milhares de judeus que eram lançados aos fornos todos os dias”.

Outro ponto importante é que ela foi apresentada por um arquivista do próprio Vaticano.

“Parece-me a demonstração de um esforço no Vaticano — ou, pelo menos, em partes do Vaticano — para começar a aceitar esta história“, acrescentou Kertzer.

Documentos desclassificados

Eugenio Pacelli, antes de se tornar o papa Pio XII, sai do palácio presidencial de Berlim, em 1927. — Foto: Getty Images via BBC

Coco afirma que a carta estava entre uma série de documentos que, até pouco tempo, eram guardados de forma desorganizada na Secretaria de Estado do Vaticano.

Para Suzanne Brown-Fleming, diretora de programas acadêmicos internacionais do Museu Memorial do Holocausto dos Estados Unidos em Washington, a publicação destes arquivos mostra que o Vaticano está levando a sério a declaração do papa Francisco de que “a Igreja não tem medo da história”.

“Existe o desejo e o apoio de que os documentos sejam avaliados cuidadosamente do ponto de vista científico, sejam suas revelações favoráveis ou desfavoráveis [ao Vaticano]”, afirma Brown-Fleming.

“Com a abertura dos arquivos vaticanos daquele período, há três anos, desenterramos uma série de documentos que demonstram como o papa estava bem informado sobre as tentativas nazistas de exterminar os judeus da Europa, desde o momento em que eles começaram a avançar”, afirmou Kertzer à BBC. “Esta é apenas uma peça a mais.”

Kertzer acrescenta que, além das revelações trazidas por esses documentos, “o que prejudicou a reputação do Vaticano foi sua recusa a enfrentar esta história com os olhos abertos“.

As discussões sobre o legado de Pio XII

Os papas Pio XII (foto) e João Paulo 2º foram declarados Veneráveis em 2009. — Foto: Getty Images via BBC

O documento recém-publicado provavelmente irá alimentar o debate sobre o legado de Pio XII e sua controversa campanha de beatificação, atualmente suspensa.

Seus defensores sempre insistiram que o pontífice trabalhou de formas concretas, nos bastidores, para ajudar os cidadãos judeus — e que não se pronunciou sobre o assunto para evitar o agravamento da situação dos católicos na Europa ocupada pelos nazistas.

Já seus detratores afirmam que, no mínimo, faltou-lhe coragem para divulgar as informações que ele detinha, apesar dos pedidos diretos das potências aliadas que lutavam contra a Alemanha.

Um dos livros de Kertzer, por sinal, chegou a revelar uma longa negociação secreta entre Pio XII e Adolf Hitler, com vistas a um acordo de não-agressão.

Mas as evidências reunidas indicam que o papel de Pio XII na Segunda Guerra Mundial era ambíguo. Afinal, embora considerasse o nazismo um movimento político pagão que destratava os católicos, o papa não foi particularmente incômodo para o Terceiro Reich.

E Pio XII também não denunciou claramente o extermínio judeu, embora talvez tivesse conhecimento da barbárie que ocorria na Europa controlada pelos nazistas.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

hotel-brasileiro-e-eleito-o-melhor-da-america-do-sul;-veja-fotos

G1 Mundo

Hotel brasileiro é eleito o melhor da América do Sul; veja FOTOS

Rosewood São Paulo também ficou na 27ª posição global, segundo a lista internacional The World’s 50 Best Hotels. Valor da diária pode chegar a R$ 11 mil. A torre de 22 andares e um dos quartos do hotel Rosewood São Paulo, projetado pelo arquiteto francês Jean Nouvel. — Foto: Montagem/Divulgação Inaugurado em 2022, o hotel de luxo Rosewood São Paulo foi eleito um dos 50 melhores hotéis do mundo e […]

today20 de setembro de 2023 26

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%