G1 Mundo

Apesar de suspensão temporária de sua reforma judicial, Netanyahu é mantido na geladeira de Biden

today29 de março de 2023 10

Fundo
share close

As relações entre os dois países azedaram, como ficou claro na resposta taxativa do presidente americano sobre um possível convite ao premiê israelense para visitá-lo na Casa Branca: “Não. Não no curto prazo.”

Bibi não foi dormir sem responder a Biden, em inglês e num tom desafiador. À 1h em Jerusalém, invocou, pelo Twitter, a soberania de Israel para tomar decisões “pela vontade de seu povo e não com base em pressões do exterior, inclusive dos melhores amigos.”

Peça-chave dessa aliança que joga Israel no campo da extrema direita, o ministro da Segurança Nacional, Itamar Ben-Gvir, atiçou a discórdia entre velhos aliados: “Biden e seu governo precisam entender que Israel é um país independente e não apenas mais uma estrela na bandeira americana.”



A insistência do primeiro-ministro em tentar minar a independência do Judiciário — que o acusa em três processos de corrupção — ampliou a distância entre Israel e seu maior aliado externo. Biden deixou claro que está preocupado com a estabilidade da democracia israelense. “Eles não podem continuar por este caminho e eu deixei isso bem claro”, atestou.

A reforma judicial entrou no modo pausa, depois de uma greve geral e manifestações gigantescas deflagradas, no domingo, pela demissão do ministro da Defesa, Yoav Galant, que se opôs ao projeto. Com a suspensão temporária de seu projeto de governo, o premiê cogitou que o convite para uma visita a Washington viria automaticamente.

Nunca um governante israelense demorou tanto para ser recebido na Casa Branca como Netanyahu neste mandato que se iniciou há três meses, sob a égide do extremismo. Adiada a reforma, o embaixador americano em Israel, Tom Nides, se apressou a declarar que a viagem seria em breve. Logo depois, a Casa Branca esclareceu: não havia nada programado.

“Netanyahu se tornou a definição de ator irracional nas relações internacionais – alguém cujo comportamento não podemos mais prever e em cujas palavras o presidente Biden não deve confiar”, expressou o colunista Thomas Friedman, veterano especialista nas relações entre os dois países, no jornal “The New York Times”.

Primeiro-ministro de Israel recua diante de protestos que se repetem diariamente no país

Primeiro-ministro de Israel recua diante de protestos que se repetem diariamente no país

O premiê está isolado diante de aliados tradicionais. Encarou a frieza de seus homólogos na Itália, na Alemanha e no Reino Unido, países que visitou enquanto os israelenses expressavam a raiva pela reforma judicial em andamento no Parlamento controlado por sua coalizão. Mas nada incomoda mais seus opositores — e agora também Netanyahu — do que a distância estabelecida pelo governo americano.

No sexto mandato em Israel, ele conviveu com diferentes estilos de presidentes americanos, não escondendo a preferência pelos republicanos. Com Trump, Netanyahu viveu momentos de glória: obteve benesses como a inauguração da embaixada em Jerusalém, o abandono do acordo com o Irã e outras concessões que enterraram qualquer projeto de acordo de paz com palestinos.

Como veterana raposa política que é, apressou-se a parabenizar Biden pela eleição em 2020, enfurecendo o antecessor, que bradava aos quatro ventos a imaginária fraude eleitoral nos EUA.

O atual presidente americano conheceu Netanyahu quando o premiê era apenas uma estrela em ascensão no Likud. Soube levá-lo e aparar as arestas entre Netanyahu e Obama. Quando era vice-presidente, Biden frequentemente ia a Israel interceder por Obama, que nunca escondeu a irritação com o primeiro-ministro e seu projeto expansionista nos territórios palestinos e a oposição ao acordo nuclear com o Irã.

Um microfone aberto em 2011 expressou o descontentamento do ex-presidente americano e seu homólogo francês, Nicolas Sarkozy, que chamava Netanyahu de mentiroso. “Você está cansado dele, mas quem tem que lidar com ele todo dia sou eu”, resumiu Obama. Biden parece compartilhar esse desgaste.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

rara-ninhada-de-dragoes-de-komodo-nasce-em-zoologico-da-espanha

G1 Mundo

Rara ninhada de dragões-de-komodo nasce em zoológico da Espanha

No país, essa foi a primeira vez em dez anos que os maiores lagartos do mundo conseguiram se reproduzir. Pela primeira vez em 10 anos, filhotes de Dragão de Komodo se reproduzem na Espanha Cinco filhotes de dragão de Komodo nasceram em um zoológico no sul da Espanha, marcando a primeira vez em uma década que os maiores lagartos do mundo se reproduzem com sucesso no país. "Esta é uma […]

today29 de março de 2023 14

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%