G1 Mundo

Argentina chega a acordo com FMI para acesso a US$ 4,7 bilhões

today11 de janeiro de 2024 8

Fundo
share close

Segundo comunicado do FMI, o acerto de “nível técnico” será apresentado para aprovação de seu conselho executivo nas próximas semanas. Caso seja aceito, o país sul-americano terá acesso a US$ 4,7 bilhões adicionais ao programa de dívida com o Fundo.

Mais de três anos depois, o governo de Alberto Fernández reajustou termos para reestruturar a dívida de US$ 44 bilhões. Em 2023, no entanto, o governo argentino ainda não havia conseguido cumprir com as novas metas dentro do pacote de ajuda.

Ao justificar o acordo, o FMI disse ter chegado a um entendimento com as autoridades argentinas sobre um “conjunto reforçado de políticas para restaurar a estabilidade macroeconômica do país e colocar o programa [de dívida com o FMI] de volta ao caminho certo”.



“Este acordo, sujeito a implementação política contínua e duradoura, será apresentado para aprovação pelo conselho executivo do FMI nas próximas semanas. Após a conclusão da revisão, a Argentina teria acesso a cerca de US$ 4,7 bilhões“, publicou o Fundo.

De acordo com o FMI, o valor adicional tem o objetivo de “apoiar os fortes esforços políticos das novas autoridades para restaurar a estabilidade macroeconômica e ajudar a Argentina a satisfazer as necessidades da sua balança de pagamentos”.

No documento, a organização também atribuiu as recentes falhas do programa aos “graves reveses políticos do governo anterior”.

“A nova administração já está implementando um ambicioso plano de estabilização, ancorado em uma grande consolidação fiscal inicial, juntamente com ações para reconstruir reservas, corrigir desalinhamentos de preços relativos, fortalecer o balanço do banco central e criar um sistema mais simples”, escreveu o FMI.

Nesta semana, integrantes do FMI estavam em Buenos Aires para debater os termos do acordo. As duas partes, segundo o porta-voz do governo argentina, Manuel Ardoni, finalizavam detalhes antes de um anúncio oficial, previsto para esta quarta-feira (10).

Segundo Ardoni, o atual governo pediu revisão das metas e dos termos para a devolução do dinheiro. O porta-voz disse que o país só poderá devolver o empréstimo caso a chamada Lei Omnibus, um pacote de medidas e reformas que o governo tenta aprovar no Congresso, entre em vigor.

Em 2023, o governo de Alberto Fernández lançou um plano econômico eleitoral que foi contra boa parte do acordo firmado anteriormente com o Fundo.

Segundo o jornal argentino “Clarín”, a intenção do Governo Milei agora é estabelecer novas metas de déficit e acumulação de reservas, obter isenções do conselho do FMI para objetivos não alcançados no final de 2023, e desbloquear pelo menos um desembolso pendente de US$ 3,3 bilhões para reforçar o Banco Central.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

itamaraty-confirma-libertacao-de-brasileiro-que-estava-sequestrado-no-equador

G1 Mundo

Itamaraty confirma libertação de brasileiro que estava sequestrado no Equador

O brasileiro Thiago Allan Freitas, de 38 anos, que estava em poder de sequestradores em Guayaquil, no Equador, foi libertado pela polícia na noite desta quarta-feira (10). O Itamaraty confirmou com autoridades policiais equatorianas a informação, divulgada primeiro por um irmão de Thiago, Eric Lorran Vieira. "O Ministério das Relações Exteriores continua a acompanhar o caso e a prestar a assistência ao nacional brasileiro e a seus familiares", afirmou a […]

today11 de janeiro de 2024 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%