G1 Mundo

As mortes e os ‘danos colossais’ após ataque russo à 2ª maior cidade da Ucrânia

today17 de dezembro de 2022 10

Fundo
share close

Autoridades disseram que nove instalações de energia foram atingidas quando as forças russas dispararam 76 mísseis e realizaram ataques com drones em toda a Ucrânia.

O prefeito de Kharkiv disse que a cidade sofreu danos “colossais” com o bombardeio.

Uma moradora, Anastaisa, disse à BBC que ouviu “várias explosões” quando os ataques começaram na manhã de sexta-feira.



“Em questão de minutos, as luzes começaram a piscar”, disse a mãe de uma criança de dois meses.

“Apenas 10 segundos depois estávamos sem energia, tudo ficou parado e foi isso. No momento também não há água porque as estações de bombeamento não podem funcionar quando não há energia na cidade, então tecnicamente o que temos agora é uma cidade sem energia e abastecimento de água.”

Oleg Synegubov, chefe da administração regional de Kharkiv, disse que as autoridades planejam restaurar a energia à meia-noite (horário local), mas a operadora da rede elétrica Ukrenergo alertou que a escala dos danos pode significar que levará mais tempo para restaurar o fornecimento.

O órgão disse em comunicado que o sistema de energia havia perdido mais da metade de sua capacidade devido aos últimos ataques e disse que seria dada prioridade à “infraestrutura crítica – hospitais, instalações de abastecimento de água, instalações de fornecimento de calor, estações de tratamento de esgoto”.

O conselheiro do Ministério da Defesa, Yuriy Sak, disse à BBC que os serviços de emergência estão trabalhando para restaurar o fornecimento de eletricidade, mas a situação “ainda é difícil”. Os frequentes ataques da Rússia significam que reparar os danos está ficando mais difícil.

Em outras partes do país, três pessoas morreram e outras 13 ficaram feridas quando um prédio residencial foi atingido em Kryvyi Rih e um terceiro morreu em Kherson. Na capital Kiev, o metrô parou.

Os alarmes de ataque soaram em toda a Ucrânia na sexta-feira e o comandante-em-chefe, general Valeriy Zaluzhny, disse que as defesas aéreas interceptaram 60 dos 76 mísseis disparados, a maioria deles mísseis de cruzeiro.

‘Não quero isso para meus filhos’

Autoridades da cidade de Kiev disseram que cerca de 40 mísseis foram disparados apenas na capital – um dos maiores ataques desde a invasão da Rússia em 24 de fevereiro. Trinta e sete foram derrubados por defesas aéreas, acrescentou.

“É muito estressante, mas agora estou acostumada”, disse Oksana, de 42 anos, que mora na capital. “Não quero que nossos filhos passem por isso, fiquem em porões, abrigos, não quero isso para eles.”

A Ucrânia acusou a Rússia de “se aproveitar do inverno” ao atacar instalações essenciais, já que as temperaturas em grande parte do país estão abaixo de zero.

O ataque de sexta-feira a Kherson foi o terceiro em três dias na cidade do sul, um mês depois que as forças russas recuaram — Foto: MINISTÉRIO PÚBLICO DE KHERSON

Três funcionários de instalações de energia na região de Dnipropetrovsk foram feridos por ataques de mísseis.

Os ataques da Rússia também cortaram a energia na região de Sumy perto da fronteira norte com a Rússia e nas cidades centrais de Poltava e Kremenchuk.

Quinze foguetes foram disparados contra Zaporizhzhia, no sul, enquanto o prefeito de Kiev, Vitaliy Klitschko, disse que várias áreas da capital foram atingidas. Danos à infraestrutura de energia afetaram o abastecimento de água e as linhas de metrô da cidade não estavam funcionando, disse ele.

A Rússia lançou mais de 1.000 mísseis e drones fabricados no Irã desde que a onda de ataques começou em 10 de outubro, embora a maioria deles tenha sido interceptada por defesas aéreas. O maior bombardeio, em meados de novembro, envolveu mais de 100 mísseis e drones.

O comissário de direitos humanos da ONU, Volker Turk, alertou na quinta-feira que novos ataques a instalações de energia podem “levar a uma deterioração ainda mais séria na situação humanitária e provocar mais deslocamentos”.

O primeiro-ministro Denys Shmyhal descreveu a última onda de ataques como “outra tentativa de cometer genocídio contra o povo ucraniano”.

No início desta semana, Shmyhal disse que os ataques russos danificaram “todas as usinas termelétricas e hidrelétricas”, levando a blecautes generalizados e interrupções no aquecimento e no abastecimento de água.

Em algumas áreas, a eletricidade está disponível apenas algumas horas por dia.

“Estou com raiva”, disse Elizavetta, 21. “Eles [Rússia] estão destruindo nossas vidas. Estamos acostumados com isso agora. O mais importante é que a Rússia não está aqui.”

E Anastasia disse que a vida estava se tornando mais difícil com a chegada do inverno.

“Quando é dia ainda está tudo bem, é tolerável e eu consigo lidar com a situação, mas quando está escuro lá fora é que meus problemas começam porque preciso ver com clareza, medir a fórmula do bebê e também cuidar do bebê — é estressante”, disse ela.

A Rússia intensificou seus ataques nesta semana, atingindo Kharkiv na quinta e na sexta-feira. — Foto: REUTERS

“E, é claro, apenas o efeito de estarmos sem energia cria muita tensão e muito estresse. Então, apenas sobrevivemos durante a noite e, quando o dia começa, fica um pouco melhor, mas não podemos comparar com uma situação de normalidade.”

Enquanto isso, oficiais apoiados pela Rússia na região de Donbass, no leste da Ucrânia, acusaram as forças ucranianas de bombardear uma cidade e um vilarejo durante a noite na região de Luhansk. Não foi possível confirmar os detalhes sobre as mortes.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

parlamento-do-peru-rejeita-projeto-de-antecipacao-das-eleicoes-gerais

G1 Mundo

Parlamento do Peru rejeita projeto de antecipação das eleições gerais

A proposta para antecipar o pleito de abril de 2026 para dezembro de 2023 necessitava de 87 votos para prosperar, mas obteve 49 a favor, 33 contra e 25 abstenções, segundo a contagem oficial da votação no plenário unicameral. As forças militares foram usadas em várias regiões do Peru — Foto: EPA O Congresso do Peru rejeitou, nesta sexta-feira (16), um projeto para antecipar as eleições gerais e pôr fim […]

today17 de dezembro de 2022 106

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%