G1 Mundo

Ataque da Rússia ou ‘sabotagem’ da Ucrânia? O que pode estar por trás de explosão catastrófica de barragem

today7 de junho de 2023 13

Fundo
share close

Dezenas de cidades estão inundadas e o impacto de longo prazo foi descrito como uma “catástrofe ambiental”.

A represa é um recurso significativo e fornece água para uma série de comunidades, assim como para a maior usina nuclear da Europa, localizada em Zaporizhzhia.



Barragem destruída na Ucrânia fica em área estratégica da guerra; entenda localização

Barragem destruída na Ucrânia fica em área estratégica da guerra; entenda localização

Mas quem poderia se beneficiar desse ato de destruição?

Com ambos os lados, Rússia e Ucrânia, culpando um ao outro pelo rompimento da barragem, há ecos das misteriosas ​​explosões do gasoduto Nordstream no ano passado.

Em ambos os casos, as suspeitas ocidentais recaíram imediatamente sobre a Rússia. Mas nas duas vezes Moscou respondeu com: “Não fomos nós. Por que faríamos isso? Isso nos prejudica”.

A Rússia pode apontar pelo menos duas maneiras pelas quais o rompimento da barragem de Kakhovka fere seus próprios interesses.

Localização da represa de Kakhovka — Foto: BBC

A inundação de terras forçou a evacuação de tropas e civis para o leste, longe da cidade de Kherson e das margens do amplo rio Dnipro.

Isso proporcionará uma pequena trégua para os residentes de Kherson, que tiveram que conviver com a artilharia russa e os ataques de mísseis diários.

Em segundo lugar, isso pode afetar o abastecimento de água da Crimeia, uma península árida que depende de água doce de um canal próximo à barragem rompida.

Desde que foi anexado ilegalmente pela Rússia em 2014, tornou-se um território fortificado que tanto a Rússia quanto a Ucrânia reivindicam como sua.

Mas o rompimento da barragem de Kakhovka precisa ser visto no contexto mais amplo da guerra na Ucrânia e mais especificamente à luz da contra-ofensiva de verão da Ucrânia, que mostra sinais de já estar em andamento.

Para que essa contra-ofensiva seja bem-sucedida, ela precisa quebrar o domínio da Rússia sobre uma faixa de território que se apoderou no ano passado e que liga a Crimeia à região de Donbass, no leste da Ucrânia.

Se a Ucrânia conseguir uma maneira de romper as linhas defensivas russas ao sul de Zaporizhzhia e dividir esse território em dois, poderá isolar a Crimeia e obter uma grande vitória estratégica.

Mas os russos aprenderam muitas lições desde a invasão em grande escala em fevereiro do ano passado.

Eles olharam para o mapa, descobriram onde a Ucrânia tem mais probabilidade de atacar e passaram os últimos meses construindo linhas de fortificações verdadeiramente formidáveis ​​para bloquear qualquer avanço ucraniano em direção ao Mar de Azov.

Não há certeza de que a Ucrânia planejava enviar suas forças para o lado oeste dessas defesas. O alto comando em Kiev, evidentemente, mantém seus planos sob o mais completo sigilo.

Mas essa ação, quem quer que a tenha feito, agora torna essa opção muito mais problemática.

O Dnipro já era um rio largo quando chega ao sul da Ucrânia e atravessar uma brigada blindada, sob a artilharia russa, mísseis e drones seria extremamente perigoso.

Com a barragem agora rompida e grandes extensões de terra a jusante inundadas, a área na margem esquerda (leste) oposta a Kherson tornou-se efetivamente uma área proibida para os blindados ucranianos.

Uma nota de rodapé é que a Rússia tem história nesta área.

Em 1941, as tropas soviéticas explodiram uma barragem no mesmo rio Dnipro para bloquear o avanço das tropas nazistas. Milhares de cidadãos soviéticos teriam perecido nas inundações que se seguiram.

O ponto principal agora, porém, é que quem violou a barragem de Kakhovka esta semana perturbou o tabuleiro de xadrez estratégico no sul da Ucrânia, forçando ambos os lados a fazer uma série de ajustes importantes e possivelmente atrasando o próximo movimento da Ucrânia em sua contra-ofensiva há muito prometida.

*Com informações de Frank Gardner, correspondente de segurança da BBC.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

mulher-de-daniel-alves-diz-para-revista-que-acredita-na-inocencia-do-marido,-acusado-de-estupro

G1 Mundo

Mulher de Daniel Alves diz para revista que acredita na inocência do marido, acusado de estupro

Joana Sanz, modelo e esposa do ex-jogador de futebol Daniel Alves, concedeu uma entrevista para a revista espanhola Vanitatis nesta terça-feira (6). Na conversa ela diz acreditar na inocência do brasileiro, mas confirma que eles não seguirão como um casal. "Não podemos condená-lo antes que isso aconteça pela Justiça", disse ela. Joana diz também que não soube de nada sobre o caso até ele sair na mídia. O ex-jogador é […]

today7 de junho de 2023 16

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%