G1 Mundo

Ataque dos EUA a alvos Houthis no Iêmen oferece riscos para Biden

today12 de janeiro de 2024 4

Fundo
share close

Sucessivas advertências ao grupo sinalizaram duramente nas últimas semanas que não haveria tolerância para quem perturbasse o transporte marítimo no Mar Vermelho.

Os rebeldes iemenitas desafiaram o alerta, na terça-feira (9), com uma saraivada de mísseis e drones contra navios do Mar Vermelho, e receberam a resposta, da operação batizada de Guardião da Prosperidade, criada em dezembro para proteger a navegação.

O que vem a seguir, após a retaliação da coalizão multilateral, vai depender da reação dos Houthis — se continuarão dispostos a serem arrastados numa guerra por procuração do Irã contra os EUA, conforme observou Thomas Warrick, ex-subsecretário Adjunto para Política Antiterrorista do Departamento de Segurança Interna dos EUA:



“O mundo está prestes a descobrir se os Houthis querem continuar os seus ataques e arriscar que os Estados Unidos e seus aliados atinjam ainda mais alvos estratégicos do grupo”, atestou o especialista em seu comentário ao think tank Atlantic Council.

Para o presidente dos EUA, Joe Biden, a resposta militar a alvos dos Houthis no Iêmen também oferece riscos. O maior deles é de se envolver abertamente num conflito militar em ano eleitoral.

O presidente americano vem conduzindo as peças no palco do Oriente Médio de forma a evitar uma guerra regional. Não reagir aos ataques sucessivos do grupo instigado pelo Irã, por outro lado, significa dar uma demonstração de fraqueza a seus adversários políticos e aos inimigos externos.

Conhecidos como “Partidários de Deus”, os Houthis declararam ter aderido à guerra de Gaza ao lado do Hamas e contra Israel e já demonstraram, com sucessivos desafios, que não têm muito a perder. São representantes do Irã num local estratégico para o comércio marítimo: o Estreito de Bab-el-Mandeb, que liga o Mar Vermelho ao Golfo de Aden, e por extensão, ao Oceano Índico.

Cerca de 15% da navegação mundial trafegam pelo Mar Vermelho; redirecionar os navios significa adicionar dez dias extras às rotas marítimas e mais prejuízos à cadeia de abastecimento e à economia global.

Os EUA e seus aliados estão diante de um inimigo complexo — uma milícia que não responde a um Estado; ao contrário, combate o governo do Iêmen. O grupo rebelde protagonizou, por nove anos, uma guerra civil contra o governo do país, num confronto por procuração entre Irã e Arábia Saudita.

Uma trégua acordada em 2022 sustenta de forma precária o fim do conflito, que deslocou mais de 4,5 milhões de pessoas e causou o mais grave desastre humanitário da atualidade, segundo a ONU. As provocações sucessivas dos rebeldes com ataques a navios no Mar Vermelho são um indício de que esta primeira resposta militar dos EUA não deverá ser a última.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

pescador-que-saiu-para-buscar-mariscos-e-encontrado-morto-em-area-de-mangue-no-litoral-de-sp;-video

G1 Santos

Pescador que saiu para buscar mariscos é encontrado morto em área de mangue no litoral de SP; VÍDEO

Família havia registrado um boletim de ocorrência sobre o desaparecimento no dia anterior. Caso ocorreu em Santos (SP). Pescador que saiu para buscar mariscos é encontrado morto em área de mangue Um pescador, de 77 anos, foi encontrado morto em uma área de mangue às margens da Rodovia Cônego Domênico Rangoni, em Santos, no litoral de São Paulo. Segundo apurado pelo g1, nesta sexta-feira (12), a família havia registrado um […]

today12 de janeiro de 2024 12

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%