G1 Mundo

Com Bukele reeleito, El Salvador se consolida como regime de partido único

today6 de fevereiro de 2024 9

Fundo
share close

Não se contesta a alta popularidade de Nayib Bukele no comando de El Salvador, mas para se reeleger presidente do país, pela primeira vez em um século, ele precisou concentrar todo o poder em suas mãos, controlando Legislativo e Judiciário.

Declarou-se vencedor antes de os salvadorenhos conhecerem os resultados oficiais, numa apuração obscura, em que o site do TSE ficou três horas fora do ar, e a imprensa foi barrada da contagem preliminar.

Neste segundo mandato — inconstitucional por natureza e permitido graças a juízes nomeados por ele — Bukele governará absoluto, em regime de partido único. No ano passado, o Congresso foi reduzido de 84 para 60 legisladores, e o número de municípios caiu de 262 para 44.



O resultado dessa manobra foi anunciado menos de duas horas após o fechamento das urnas pelo próprio presidente: “Vencemos as eleições presidenciais com mais de 85% dos votos e um mínimo de 58 de 60 deputados”, proclamou.

Bukele abriu o caminho para solidificar, assim, o regime ditatorial em El Salvador, ainda que desfrutando de enorme prestígio entre a população. Sem opositores, ele afastou do Congresso os dois principais partidos – o esquerdista FMNL e o direitista Arena — e terá aval para manter o regime de exceção, em vigor desde março de 2022, e mudar o sistema político do país, como bem entender.

No palanque da vitória, Bukele chamou seu modelo de democrático. “Toda a oposição em conjunto foi pulverizada”, comemorou.

A propaganda do presidente se escora na redução de homicídios, no combate às gangues MS13 e Barrio 18, no encarceramento de mais de 70 mil pessoas — que representam 1% da população — e na construção de uma megaprisão, que ele se vangloria de ser a maior do continente.

Tudo isso assegurou a Bukele o título de presidente mais popular da América Latina, mas que, num paradoxo, está a ponto de consolidar El Salvador como uma ditadura.

Como afirmou em editorial o jornal “El Faro” – que, em função da perseguição do governo, passou a operar na Guatemala – os próximos cinco anos apenas prometem intensificar a concentração de poder, a utilização de bens e pessoal do Estado, a opacidade, a repressão e a punição.

Sem surpresas, os eleitores ratificaram o bukelismo de forma acachapante, e, apenas, por isso, o mandatário nem precisaria fazer o papel de porta-voz do Tribunal Eleitoral e anunciar os resultados eleitorais por conta própria, como ocorreu na noite de domingo (4).

Presidente de El Salvador, Nayib Bukele, acena a apoiadores ao lado de sua esposa, Gabriela Rodriguez, após as eleições presidenciais e legislativas de 4 de fevereiro de 2024. — Foto: Marvin RECINOS / AFP




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

as-ruas-e-estradas-que-carregam-carros-eletricos-durante-o-movimento

G1 Mundo

As ruas e estradas que carregam carros elétricos durante o movimento

Este é o primeiro lugar público dos Estados Unidos onde você pode dirigir um veículo elétrico ao mesmo tempo em que carrega a bateria do carro. O trecho de 400 metros de rua atravessa a região de Corktown, em Detroit. É um projeto piloto de uma tecnologia sem fio, capaz de carregar os veículos que trafegam sobre ela. Bobinas eletromagnéticas foram instaladas embaixo da superfície e conectadas à rede de […]

today6 de fevereiro de 2024 16

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%