G1 Mundo

Como foi a misteriosa reunião entre Putin e líder do grupo Wagner

today10 de julho de 2023 11

Fundo
share close

A reunião secreta adicionou mais uma incógnita a uma situação que já era cheia de suspense e mistério.

Na manhã do dia do golpe fracassado (24/6), Vladimir Putin acusou a liderança do grupo Wagner de “traição” e de lhe dar “uma facada nas costas”. Mais tarde naquele dia, pilotos da força aérea russa foram mortos, abatidos por caças do grupo.

Então, com os mercenários a apenas 200 km da capital russa, o Kremlin e o grupo Wagner fizeram um acordo. O motim acabou. Ninguém foi preso. Ninguém foi processado.



Não só Yevgeny Prigozhin não foi preso, como cinco dias depois estava no Kremlin, junto com 34 de seus comandantes, sentado à mesa e conversando com o presidente Putin.

Não se sabe exatamente o que foi dito no encontro entre Prigozhin e Putin, mas as versão oficial russa é de que tudo teria sido resolvido.

“Putin fez uma avaliação dos eventos de 24 de junho. Ele ouviu as explicações dos comandantes e sugeriu possibilidades para o futuro deles e do uso das forças em combate”, disse o porta-voz do Kremlin Dmitry Peskov.

Segundo ele, Prigozhin teria dito no encontro que o grupo Wagner “apoia Putin incondicionalmente”.

Os desdobramentos da reunião, no entanto, mostram um cenário diferente.

Foi divulgado que o acordo entre o Kremlin e Wagner para acabar com o motim em 24 de junho estabelecia que Prigozhin deveria deixar a Rússia e ir para Belarus, junto com os combatentes do Wagner que expressaram o desejo de se juntar a ele.

Mas, na semana passada, o líder de Belarus, Alexander Lukashenko, disse que o líder do grupo Wagner e seus mercenários não estavam lá.

Agora não se sabe onde estão Prigozhin e seus mercenários.

Nos últimos dias, a mídia estatal russa tem veiculado vídeos negativos para Prigozhin.

Fotografias potencialmente embaraçosas supostamente tiradas durante a invasão de sua mansão em São Petersburgo vazaram para a mídia social e para a TV russa. Elas mostram barras de ouro, armas e uma grande coleção de perucas.

Ontem à noite, o principal programa do Russia-1, News of the Week, divulgou um relatório afirmando que o militar tentou “se passar por Robin Hood, mas não é”.

“Ele era um empresário com um passado criminoso. Muitos de seus projetos eram duvidosos e nem sempre dentro da lei”, dizia o texto.

*com informações de Henri Astier e Steve Rosenberg




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

na-venezuela,-ex-aliado-do-chavismo-tenta-‘melar’-previas-da-oposicao-com-acao-que-avanca-na-justica

G1 Mundo

Na Venezuela, ex-aliado do chavismo tenta ‘melar’ prévias da oposição com ação que avança na Justiça

A oposição da Venezuela organizou uma eleição prévia para escolher um único candidato para tentar derrotar Nicolás Maduro em 2024, quando o país vai escolher um presidente. As inscrições para essas prévias se encerraram no dia 24 de junho, e 14 pré-candidatos vão participar. A votação está marcada para o dia 22 de outubro --no entanto, isso pode não acontecer. Luis Ratti, empresário distanciado do chavismo, entrou em 30 de […]

today10 de julho de 2023 3

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%