G1 Mundo

Ex-assessor de Obama é preso acusado de ofender muçulmano em Nova York

today23 de novembro de 2023 7

Fundo
share close

Stuart Seldowitz reconheceu em entrevistas à imprensa que ele é o homem visto nos vídeos que viralizaram nas redes sociais. Nas imagens, ele chama o vendedor de “terrorista”.

Seldowitz alegou que o indivíduo o provocou ao expressar apoio ao Hamas, grupo palestino que lançou um ataque surpresa contra Israel no dia 7 de outubro.

O homem, que vende comidas em um food truck na rua, foi identificado como Mohamed Hussein. Em entrevistas, ele negou ter feito qualquer comentário favorável ao Hamas.



Um porta-voz do Departamento de Polícia de Nova York confirmou à BBC que Seldowitz foi levado sob custódia na quarta-feira (22).

A BBC tentou entrar em contato com Seldowitz, mas não obteve resposta.

Nos vídeos que viralizaram na internet, ele é visto nas proximidades do carro de comida em diversos horários do dia.

Em um trecho dos vídeos, Seldowitz diz: “Quer saber, se matamos 4 mil crianças palestinas, isso ainda não foi o suficiente.”

Em outra interação, vista mais de 40 milhões de vezes no X (antigo Twitter), ele chama o vendedor de “ignorante”, insinua que a família dele poderia ser torturada pela polícia secreta egípcia e faz comentários inflamados sobre o profeta Maomé e o Alcorão, o livro sagrado do Islã.

Em outro momento, um espectador retruca Seldowitz: “Você está assediando este homem.”

Seldowitz teve uma longa carreira no Departamento de Estado dos EUA. Ele integrou, inclusive, o Gabinete de Assuntos Israelenses e Palestinos e foi diretor do Conselho de Segurança Nacional da Casa Branca durante a administração de Barack Obama (2009-2017).

O site americano Daily Beast informou nesta terça-feira (21) que Seldowitz confirmou ser ele o homem que aparece nos vídeos.

Seldowitz declarou que “deveria fazer algum comentário sobre alguém que endossa o terrorismo e a matança de civis inocentes”.

Numa entrevista à City & State, Seldowitz disse “lamentar o que aconteceu”.

“No calor do momento, falei coisas que provavelmente não deveria ter dito.”

Seldowitz trabalhou anteriormente para uma empresa de lobby, campanhas e comunicação, a Gotham Government Relations.

Em comunicado divulgado na terça-feira (21/11), a companhia declarou que as ações do ex-funcionário foram “vis, racistas e abaixo da dignidade dos padrões que praticamos”.

Em uma nota à imprensa divulgada pela empresa em novembro de 2022, Seldowitz era chamado de “presidente de Relações Exteriores” da Gotham Government Relations.

David Schwartz, fundador e presidente da Gotham, disse que Seldowitz não fazia nenhum trabalho para a empresa há cerca de cinco anos e que o título era honorário.

“Estou indignado e nem posso descrever o que sinto com palavras”, disse Schwartz à BBC.

“Essa não é a pessoa que eu conhecia. Ele era muito inteligente, foi homenageado pela Secretaria de Estado e ganhou três prêmios. Mas quando vi aquele vídeo, em segundos soube que tínhamos que agir e não hesitei. Cortamos todos os laços com ele”, completou Schwartz.

Muitos moradores de Nova York expressaram apoio a Hussein nas redes sociais.

O prefeito de Nova York, Eric Adams, postou no X: “Islamofobia é puro e simples ódio.”

“Essa retórica vil e desrespeitosa não tem lugar em nossa cidade. Nós a rejeitamos — e estamos felizes em ver que não estamos sozinhos”.

Hussein, que nasceu no Egito, disse ao tabloide New York Post que pretende processar Seldowitz.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

entenda-como-a-disputa-entre-venezuela-e-guiana-por-territorio-onde-ha-petroleo-entra-no-debate-politico-venezuelano

G1 Mundo

Entenda como a disputa entre Venezuela e Guiana por território onde há petróleo entra no debate político venezuelano

A Venezuela convocou um referendo para 3 de dezembro, no qual os venezuelanos serão perguntados se apoiam a criação de uma nova província chamada "Guayana Esequiba" em um território de 160 mil km² onde há vastos recursos naturais, assim como conceder a nacionalidade a 125 mil habitantes do local. O problema é que essa região, conhecida como Essequibo, é administrada por um outro país, a Guiana. Os dois países disputam […]

today23 de novembro de 2023 8

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%