G1 Mundo

Explosão no porto de Beirute completa 3 anos sem nenhum julgamento do caso

today4 de agosto de 2023 4

Fundo
share close

Em 4 de agosto de 2020, um incêndio em um armazém no porto da cidade de Beirute, no Líbano, causou uma das maiores não nucleares da história. Bairros inteiros foram destruídos, 220 pessoas morreram e mais de 6.500 ficaram feridas.

Passados três anos, ainda falta saber exatamente o que aconteceu e julgar os responsáveis, que têm recebido proteção política para postergar o processo judicial.

O armazém tinha toneladas de nitrato de amônio, um produto explosivo que deveria ser gerenciado com cuidado, mas na prática nimguém observava as precauções para lidar com um material perigoso.



A associação de famílias das vítimas, que luta há três anos para conseguir justiça, convocou uma manifestação para a área do porto.

As autoridades libanesas rejeitaram os pedidos das famílias por uma investigação internacional e são acusadas de obstruir os inquéritos da Justiça.

O primeiro juiz responsável pelo caso, em 2020, desistiu do processo depois de acusar o ex-primeiro-ministro Hassan Diab e mais três ministros.

O segundo juiz também investigou líderes políticos, mas o Parlamento se recusou a suspender a imunidade de alguns deputados acusados, o ministério do Interior não aceitou o interrogatório de funcionários de alto escalão, e as forças de segurança se negaram a executar as ordens de detenção.

O juiz suspendeu a investigação durante 13 meses devido a dezenas de ações judiciais apresentadas contra ele por líderes políticos. Ele retomou o trabalho em janeiro, mas em seguida foi denunciado por insubordinação pelo procurador-geral por acusar várias personalidades do alto escalão do governo.

O procurador também ordenou a libertação de 17 pessoas detidas sem julgamento após a explosão gigantesca.

Em dois anos e meio, o segundo juiz do caso conseguiu trabalhar durante seis meses, período em que enfrentou muitas pressões que provocaram uma crise sem precedentes no sistema judicial.

Um analista do Judiciário que pediu para não ser identificado afirmou que a investigação continua.

Quase 300 ONGs e as famílias das vítimas voltaram a pedir na quinta-feira a criação de uma comissão de investigação internacional.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

mp-da-colombia-usa-slides-para-apontar-27-investigados-em-esquema-de-corrupcao-envolvendo-filho-de-petro

G1 Mundo

MP da Colômbia usa slides para apontar 27 investigados em esquema de corrupção envolvendo filho de Petro

Nicolás e sua ex-mulher Daysuris Vásquez foram presos no último sábado. Atual primeira-dama está entre as pessoas investigadas. Apresentação de slides feita pelo Ministério Público colombiano sobre o esquema de enriquecimento ilícito de Nicolás Petro — Foto: Reprodução/Fiscalia General de la Nación O Ministério Público da Colômbia realizou na noite desta quinta-feira (3) uma apresentação em slides para informar jornalistas sobre a investigação contra Nicolás Petro e sua ex-esposa Daysuris […]

today4 de agosto de 2023 10

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%