G1 Mundo

Fogo no Havaí: moradores com parentes desaparecidos recolhem amostras de DNA para ajudar nas buscas

today15 de agosto de 2023 34

Fundo
share close

As equipes de buscas já vasculharam um quarto da área mais atingida pelos incêndios florestais da cidade de Lahaina, no Havaí. 99 corpos foram encontrados até o momento. Na segunda-feira (14), o governador do Havaí, Josh Green, disse que ainda deve levar mais 10 dias para que o total de vítimas seja finalizado.

A operação conta com 20 cães farejadores, que vasculham os escombros. Até agora, apenas 25% de Lahaina passaram por essa varredura – o que indica que o número de mortos ainda deve aumentar.

As vítimas dos incêndios ficaram tão carbonizadas que a identificação tem sido difícil. Centros de atendimento na ilha estão coletando amostras de DNA dos moradores que têm parentes desaparecidos para auxiliar na identificação dos mortos.



Moradores da cidade compartilham suas experiências e perdas. Pessoas como Taufa perderam membros da família nos incêndios: “meu tio, minha tia, a filha deles…”, diz ele.

Fogo no Havaí: moradores com parentes desaparecidos recolhem amostras de DNA para ajudar nas buscas — Foto: Reprodução/TV Globo

‘Só tentei resgatar o maior número possível de pessoas’, diz bombeiro

Os bombeiros Aina e Jonny, que moravam em Lahaina, também perderam tudo nos incêndios. Eles contam que quando chegaram para combater as chamas, a água dos hidrantes secou rapidamente. Johnny recebia e cuidava dos feridos. Ele não podia sair porque ficou cuidando dos filhos do casal.

“Depois que ficamos sem água só tentei resgatar o maior número possível de pessoas e levar para o quartel dos bombeiros”, relata o bombeiro.

“Nunca vi um incêndio avançar tão rapidamente. Não tinha como apagar – como lutar contra a mãe natureza”, diz Aina. O casal está abrigado na casa de amigos e destaca preocupação para que a comunidade se recupere.

“Pelo menos somos bombeiros, mas muita gente vai ficar sem trabalho. Tudo que precisamos agora é um pouco de amor”.

Fogo no Havaí: casal de bombeiros relatam drama — Foto: Reprodução/TV Globo

Atendimentos aos desabrigados

As autoridades havaianas fecharam um acordo com donos de apartamentos por temporada e 1.400 unidades serão usadas pra abrigar os desalojados pelos próximos nove meses. Com isso, eles pretendem esvaziar os abrigos o mais rapidamente possível.

O maior abrigo da ilha funciona num ginásio, mas os desalojados vivem numa situação extremamente precária, dormindo em camas de campanha, com poucos banheiros e nenhuma privacidade.

O governador do Havaí, Josh Green, disse que 500 mil toneladas de alimentos já foram distribuídas pra população de Maui.

Abrigos para desalojados no Havaí — Foto: Reprodução/TV Globo




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

os-trofeus-de-guerra-que-o-paraguai-quer-de-volta

G1 Mundo

Os troféus de guerra que o Paraguai quer de volta

Forjado a partir do derretimento de sinos de diversas igrejas paraguaias — por isso seu nome, em português "o cristão" — a peça de artilharia foi utilizada contra o Brasil na Batalha do Curupaiti, em 1866, da famigerada Guerra do Paraguai, que durou seis anos naquela década. Com o fim do conflito bélico, em 1870, o Exército brasileiro tomou posse do canhão. Foi um dos tantos troféus de guerra trazidos […]

today15 de agosto de 2023 10

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%