G1 Mundo

Grupo Wagner, legião de mercenários aliada da Rússia, recrutou prisioneiros para lutar na Ucrânia; 10 mil deles morreram, diz o líder

today25 de maio de 2023 15

Fundo
share close

“Selecionei 50 mil detentos, dos quais 20% morreram”, disse Prigozhin em uma entrevista publicada na noite de terça-feira (24) pelo blogueiro pró-Kremlin Konstantin Dolgov.

No ano passado, Yevgeny Prigozhin, que cumpriu anos de prisão no período soviético, recrutou prisioneiros prometendo aos detentos a eliminação de suas sentenças se sobrevivessem aos combates.

Prigozhin afirmou que uma proporção semelhante de seus combatentes profissionais (ou seja, que não eram prisioneiros) também morreu em combate, sem especificar o número.



Segundo ele, as perdas ucranianas são maiores: “Tenho três vezes menos mortos e cerca de duas vezes menos feridos”, disse ele.

Bakhmut é o atual epicentro do combate entre Rússia e Ucrânia; imagens mostram destruição

Bakhmut é o atual epicentro do combate entre Rússia e Ucrânia; imagens mostram destruição

Grupo Wagner liderou batalha por Bakhmut

O Grupo Wagner esteve na linha de frente na batalha para dominar a cidade de Bakhmut, na Ucrânia.

A Ucrânia afirma que, durante a batalha de Bakhmut, unidades de ex-detentos do grupo Wagner executaram ataques quase suicidas nas linhas de defesa.

Prigozhin acusou o alto comando militar russo de tê-lo privado das armas e munições necessárias para evitar as grandes perdas.

“Existem agora dezenas de milhares de familiares daqueles que morreram. Provavelmente haverá centenas de milhares. Não podemos esconder isso”, disse na entrevista.

O grupo Wagner e o exército russo anunciaram no fim de semana que conquistaram completamente Bakhmut, o que a Ucrânia nega.

Prigozhin garantiu que suas tropas se retirarão da cidade antes de 1º de junho e entregarão suas posições ao exército oficial da Rússia.

1ª vez que o líder fala de perdas

Prigozhin falou abertamente pela primeira vez sobre a magnitude de suas baixas, quando as autoridades russas fazem todo o possível para manter em sigilo o número de mortos e feridos.

O exército russo divulgou seu último balanço em setembro de 2022, que registrava 5.900 mortes em suas fileiras.

Os EUA avaliam que até o fim de fevereiro, os russos haviam perdido um número de soldados entre 35.500 e 43.500. Na estimativa dos americanos, os ucranianos perderam um número entre 16 mil e 17.500 pessoas. Essas eram as projeções que estavam em documentos sigilosos que vazaram na internet.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

brasil-tem-mais-de-1-milhao-de-escravos-contemporaneos,-estima-ong-walk-free

G1 Mundo

Brasil tem mais de 1 milhão de escravos contemporâneos, estima ONG Walk Free

O Brasil tem 1.053.000 pessoas em situação de escravidão contemporânea, de acordo com a Fundação Walk Free. Isso significa que cinco em cada mil habitantes do país (0,5%) são submetidos ao trabalho ou ao casamento forçado, estima a ONG. Apesar do número elevado, a proporção de escravos em relação à população brasileira (212 milhões de pessoas) é considerada de baixa a média. O estudo abrange 160 países. Proporcionalmente, a Coreia […]

today25 de maio de 2023 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%