G1 Mundo

Miss Japão, nascida na Ucrânia, devolve coroa após polêmica por caso extraconjungal

today6 de fevereiro de 2024 13

Fundo
share close

Naquele momento, afinal, a jovem de 26 anos se tornava a primeira mulher a ganhar o título sem ter nascido no Japão e nem ter pais de ascendência japonesa – e cuja cidadania lhe fora concedida só em 2022.

“É como um sonho”, disse Shiino após a coroação. “Tive que superar barreiras, que frequentemente me impediram de ser aceita como japonesa. Por isso, sou extremamente grata por ser aceita como japonesa nesta competição.”

Apesar disso, as redes sociais no Japão foram imediatamente inundadas por um debate sobre o direito de Shiino de reivindicar tal título.



Entre os apoiadores, o argumento se concentra sobretudo no fato de a vencedora ter cidadania japonesa; já entre os críticos, é levantada a questão da etnicidade.

“A pessoa eleita ‘Miss Japão‘ não é nem metade japonesa, e sim 100% ucraniana. Não seria, no caso, ‘Miss Ucrânia‘?”, questiona um perfil na plataforma X.

Miss Japão 2024 (ao centro) após cerimônia de coroação, em janeiro de 2024. — Foto: Miss Nippon Association via AP

No Japão, a identidade japonesa é tradicionalmente definida através da aparência e não da nacionalidade.

Como muitos hafus (meio-japoneses), a tenista japonesa Naomi Osaka, por exemplo, de mãe japonesa e pai haitiano, é amplamente percebida como japonesa porque “parece” japonesa, embora fale mal o idioma e só tenha obtido seu passaporte japonês aos 22 anos.

Em contraste, a ideia de que estrangeiros sem raízes japonesas, como Carolina Shiino, possam se tornar compatriotas por meio da naturalização ainda parece muito abstrata e estranha para alguns japoneses. Todos os anos, milhares de pessoas recebem um passaporte japonês, muitos deles, sem ascendência japonesa.

Foi o caso do finlandês Marti Turunen, que foi ao Japão como missionário, naturalizou-se em 1979, trocou seu nome para Marutei Tsurunen e foi deputado no país entre 2002 a 2013.

O reinado de Shiino, no entanto, durou pouco em meio à polêmica sobre suas raízes estrangeiras. A jovem renunciou ao título na segunda-feira (05), depois que uma revista japonesa publicou uma matéria sobre o envolvimento de Shiino com um homem casado. Ela admitiu o relacionamento e pediu desculpas publicamente.

O escândalo reacendeu a onda de críticas contra a jovem nas redes sociais.

Nascida em 1998 em Ternopil, no oeste da Ucrânia, Carolina Shiiro é filha de pais ucranianos. Após o divórcio de seus pais, sua mãe se casou com um japonês de sobrenome Shiino. A família se mudou para o Japão quando Carolina tinha cinco anos.

Ela cresceu no país, fala japonês sem sotaque algum e diz se sentir “linguística e mentalmente” japonesa. Shiino admite, porém, que sua aparência ocidental sempre atraiu olhares em ambientes japoneses.

Em entrevista à rede britânica BBC, a organizadora do concurso Miss Japão, Ai Wada, disse que o júri tinha “total confiança” na escolha de Shiino.

“Ela fala e escreve num japonês belo e bem-educado”, disse Wada. “Ela é mais japonesa do que nós”.

Mas esta visão não parece convencer a todos na rede social X, antigo Twitter e principal plataforma de discussões no Japão, onde diversos usuários contestaram a escolha com alegações sobre aparência e ascendência de Shiino.

Houve comentários de apoio a nova miss e usuários chegaram a especular se o júri quis usar a competição para enviar um sinal político a favor da diversidade e expressar a sua simpatia pela Ucrânia.

Shiino diz ter se candidatado à coroa justamente para lutar por “uma sociedade onde as pessoas não sejam julgadas por sua aparência”.

A controvérsia provocada, no entanto, não deve ter sido nenhuma surpresa para ela, já que o país já havia sido palco de discussão semelhante nove anos atrás, quando Ariana Miyamoto se tornou a primeira mestiça a ser coroada Miss Japão.

Já naquela época, críticos diziam que a jovem de 20 anos não parecia “japonesa o suficiente”.

Filha de um afro-americano, Miyamoto virou alvo de um debate sobre a possibilidade de alguém com a pele escura poder ganhar o título de Miss Japão. A pele branca, afinal, ainda faz parte do ideal clássico de beleza no país.

Agora, o povo da nação insular terá que mais uma vez se acostumar com uma Miss Japão que pode até não parecer japonesa – mas é japonesa de coração.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

gravacao-revela-pedido-de-ajuda-desesperado-de-palestina-de-6-anos

G1 Mundo

Gravação revela pedido de ajuda desesperado de palestina de 6 anos

"O tanque está perto de mim. Está se movendo." Sentada no centro de atendimento de emergência do Crescente Vermelho Palestino, Rana tentou manter a voz calma. "Muito, muito", respondeu a voz. "Você vem me buscar? Estou com muito medo." Não havia nada que Rana pudesse fazer exceto manter a conversa. Hind Rajab, de 6 anos, ficou presa sob fogo cruzado na cidade de Gaza e implorava por ajuda, escondida dentro […]

today6 de fevereiro de 2024 10

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%