G1 Mundo

Morte de presidente do Irã: vice assume governo, e corpo é identificado

today20 de maio de 2024 10

Fundo
share close

Também nesta segunda, o líder supremo do Irã, o aiatolá Ali Khamenei, nomeou o então primeiro-vice-presidente, Mohammad Mokhber, como novo presidente do país. Mokhber vai comandar o Irã de forma interina até que uma comissão decida quando ocorrerão as novas eleições, o que ocorrerá em um prazo de 50 dias.

Khamenei, que é o chefe de Estado e detentor das principais decisões do governo, nomeou o vice-ministro de Relações Exteriores, Ali Bagheri, como novo ministro interino da pasta — o chanceler, Hossein Amirabdollahian, estava no helicóptero de Raisi e também morreu.

O líder supremo do Irã determinou ainda um luto oficial de cinco dias no país. Em várias regiões, manifestações nesta segunda-feira homenagearam o presidente morto.



O Comitê do Crescente Vermelho — braço da Cruz Vermelha e que auxilia nas operações de busca — disse que o corpo de Raisi e dos outros tripulantes do voo foram identificados e retirados do local da queda.

vice-presidente Mohammad Mokhber — Foto: O vice-presidente do Irã, Mohammad Mokhber, que deve assumir o Executivo após acidente com presidente iraniano – Foto: Associated Press

Mohammad Mokhber tem 69 anos e nasceu na cidade de Dezful, a cerca de 680 km de Teerã.

Antes de assumir o cargo de primeiro-vice-presidente, Mokhber chefiava a Execução da Ordem do Imam Khomeini (EIKO, na sigla em inglês), uma organização paraestatal que tem participação em quase todos os setores da economia iraniana e é supervisionada diretamente pelo líder supremo Ali Khamenei.

Em 2021, pouco antes da eleição, Mokhber foi alvo de sanções do governo do Estados Unidos por conta da sua participação na Eiko.

Segundo os EUA, a organização viola sistematicamente os direitos de dissidentes políticos, minorias religiosas e iranianos exilados, por meio do confisco de propriedades.

Mokhber afirma que a Eiko tem como função implementar uma economia de resistência.

Corpos de vítimas da queda de helicóptero que matou presidente do Irã são removidos

Corpos de vítimas da queda de helicóptero que matou presidente do Irã são removidos

Segundo a imprensa oficial iraniana, o helicóptero caiu numa região montanhosa do Irã em razão das más condições climáticas durante um voo que transportava Raisi e outras autoridades que voltavam do Azerbaijão.

A queda da aeronave ocorreu entre as aldeias de Pir Davood e Uzi, na província iraniana de Azerbaijão Oriental, cerca de 600 km a noroeste de Teerã, a capital iraniana (veja no infográfico abaixo).

Além de Raisi, a queda matou o chanceler do Irã, Hossein Amirabdollahian.

A aeronave transportava, ainda, Malek Rahmati, governador da província iraniana do Azerbaijão Oriental, e Hojjatoleslam Al Hashem, líder religioso. As mortes dos dois não foram confirmadas, no entanto, mais cedo, a imprensa oficial informou não haver sinal de sobreviventes no local da queda.

Presidente do Irã Ebrahim Raisi — Foto: REUTERS/Shannon Stapleton/File Photo

Buscas levaram cerca de 12 horas

Presidente do Irã, Ebrahim Raisi, morreu após helicóptero cair em área com baixa visualização perto da fronteira com o Azerbaijão, em 19 de maio de 2024. — Foto: arte/ g1

A queda do helicóptero ocorreu por volta das 13h (no horário local, 6h no de Brasília), mas a aeronave só foi encontrada cerca de 12 horas depois.

Além das dificuldades de acesso ao local, o tempo ruim dificultava os trabalhos de resgate. O helicóptero foi avistado por integrantes do Crescente Vermelho iraniano, depois que um drone foi enviado pela Turquia com sensores de calor para identificar o local da queda.

Inicialmente, o ministro do Interior iraniano informou que o helicóptero que levava o presidente teria feito uma tentativa de pouso forçado. Mais tarde, a imprensa oficial informou que a aeronave havia sofrido um acidente em razão das más condições climáticas.

Vídeo helicóptero do presidente do Irã após a queda

Vídeo helicóptero do presidente do Irã após a queda

Ebrahim Raisi foi eleito em 1º turno em 2021 para um mandato de quatro anos, numa eleição com abstenção recorde e da qual vários adversários foram impedidos de participar pelo Conselho de Guardiães da Constituição.

Entre os que haviam sido impedidos de participar da corrida eleitoral estavam o ex-presidente Mahmoud Ahmadinejad, o ex-presidente do Parlamento Ali Larijani, o atual vice-presidente Es-Hagh Jahanguiri e o reformista Mostafa Tajzadeh.

Na década de 1980, Raisi participou das chamadas comissões da morte, que levaram à execução de cerca de 5 mil militantes opositores que se voltaram contra o regime dos aiatolás. Em 2019, os Estados Unidos impuseram sanções a Raisi por conta da participação dele nas mortes.

Em 2022, já sob Raisi, o governo iraniano reagiu com violência à onda de protestos que pediam justiça por Mahsa Amini, uma jovem que morreu três dias após ser presa por não usar adequadamente o véu em local público (veja no vídeo abaixo). Mais de 500 manifestantes foram mortos nos protestos, segundo a Agência de Notícias de Ativistas de Direitos Humanos (Hrana).

Morte de jovem revolta iranianos: Mahsa Amini tinha sido detida por não se vestir corretamente

Morte de jovem revolta iranianos: Mahsa Amini tinha sido detida por não se vestir corretamente

Na ocasião, Raisi afirmou que o Irã deveria “lidar de forma decisiva com aqueles que se opõem à segurança e à tranquilidade do país”.

No plano internacional, o Irã viveu um escalada de tensão com Israel que, em 1º de abril, matou 7 membros da Guarda Revolucionária num ataque à embaixada iraniana na Síria. Em resposta, em 13 de abril, o Irã lançou um ataque contra Israel, que retaliou em 18 de abril.

Quem é Ebrahim Raisi, presidente do Irã

Quem é Ebrahim Raisi, presidente do Irã

“Nós sinceramente estendemos nossas condolências às famílias e amigos das vítimas, bem como a todo o povo amigo do Irã. Nossos pensamentos e corações estão com vocês nesta hora triste.”

O ministro das Relações Exteriores da Turquia, Hakan Fidan, lamentou a morte do presidente iraniano, em entrevista coletiva.

“Desde o primeiro momento em que ouvimos falar do acidente, estivemos em contato com as autoridades iranianas e mobilizamos todos os meios para ajudar nos esforços (de resgate). Instituições relevantes, incluindo o nosso Ministério da Defesa e a autoridade de desastres da AFAD, fizeram o seu melhor, mas infelizmente não conseguimos. capaz de ouvir boas notícias”, disse.

Já o Líbano anunciou três dias de luto nacional pela morte de Raisi.

Veja as manifestações nas redes sociais.

Narendra Modi, primeiro-ministro da Índia, se manifestou no X (antigo Twitter):

“Profundamente entristecido e chocado com o trágico falecimento do Dr. Seyed Ebrahim Raisi, Presidente da República Islâmica do Irã. A sua contribuição para o fortalecimento da relação bilateral Índia-Irão será sempre lembrada. Minhas mais sinceras condolências à sua família e ao povo do Irã. A Índia está ao lado do Irã neste momento de tristeza.”

Primeiro-ministro do Catar bin Abdul-Rahman:

“Sua Excelência o Xeque Mohammed bin Abdulrahman bin Jassim Al Thani, Primeiro-Ministro e Ministro dos Negócios Estrangeiros, enviou uma mensagem de condolências a Sua Excelência o Dr. Mohammad Mokhber, Primeiro Vice-Presidente da República Islâmica do Irã, pela morte de Sua Excelência o Presidente Dr. Ibrahim Raisi e outras autoridades ​​iranianas após a queda do seu helicóptero, pedindo a Deus que lhes conceda a Sua misericórdia.”




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

procuradoria-do-tribunal-penal-internacional-pede-prisao-de-benjamin-netanyahu-e-lideres-do-hamas

G1 Mundo

Procuradoria do Tribunal Penal Internacional pede prisão de Benjamin Netanyahu e líderes do Hamas

O pedido é o primeiro trâmite internacional contra Netanyahu e aprofunda o isolamento de Israel. Khan disse em um comunicado emitido ter motivos suficientes para acreditar que todos "têm responsabilidade criminal" por crimes de guerra e crimes contra a humanidade. Segundo o procurador, do lado do Hamas, os seguintes crimes foram cometidos: Exterminação de povo; Assassinato de civis; Sequestrar e fazer civis reféns; Tortura; Estupro e atos de violência sexual; […]

today20 de maio de 2024 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%