G1 Mundo

Perseguição contra comunidade LGBTQIA+ na Venezuela entrou em novo patamar, afirma ativista

today29 de julho de 2023 16

share close

Quem afirma é Yendri Velásquez, ativista de direitos humanos e co-fundador do Observatório de Violências contra os LGBTQIA+ no país, em uma entrevista ao g1.

No domingo (23), uma véspera de feriado na Venezuela, agentes da polícia bolivariana entraram em uma sauna gay na cidade de Valência e levaram 33 pessoas para a delegacia.

Os homens foram soltos após uma audiência na quarta-feira (26), mas não sem antes serem expostos: as fotos deles foram divulgadas, assim a informação de que alguns deles são HIV positivo.



Essa exposição pública agravou ainda mais o sofrimento dos envolvidos, afirmou Velásquez.

A operação não foi a primeira na Venezuela, segundo o ativista. Antes dessa, foram registrados quatro casos de buscas em locais privados frequentados por pessoas LGBTQIA+ desde 2021. A diferença é que o caso de Valência foi o primeiro no qual as pessoas foram levadas à delegacia e expostas –até recentemente, geralmente os policiais só ameaçavam as pessoas para pedir propina.

Polícia quer propina, diz ativista

Yendri diz que a extorsão é um problema particularmente preocupante para a população LGBTQIA+, especialmente entre as pessoas trans, pois são mais vulneráveis.

O ativista diz que os policiais ameaçam com a possibilidade de uma ação por ultraje ao pudor, mas afirmam que se receberem dinheiro, “aceitam” não levar o caso adiante. Eles começam pedindo muito dinheiro –cerca de US$ 1 mil—mas o valor alto é uma estratégia para chegar arrancar o máximo que puderem, ainda que bem abaixo dessa cifra inicial.

Esses quatro casos ocorreram em diferentes cidades da Venezuela, incluindo Caracas, Maracaibo e Mérida. Algumas operações ocorreram em saunas gays, e outras, em bares.

Formalmente, a Venezuela tem uma promotoria especializada em casos de violência contra LGBTQIA+, mas o órgão não funciona, segundo o ativista.

Também há um conselho de diversidade do próprio governo, mas Velásquez afirma que essa instância mal tem orçamento para suas atividades.

Brasil, França, Argentina e Colômbia fazem apelo por eleições justas na Venezuela e fim dos embargos internacionais

Brasil, França, Argentina e Colômbia fazem apelo por eleições justas na Venezuela e fim dos embargos internacionais




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

G1 Mundo

Ucrânia usa foguetes da Coreia do Norte apreendidos por país ‘amigo’ contra a forças russas, diz jornal

Reportagem do 'Financial Times' afirma que soldados ucranianos foram vistos usando artilharia norte-coreana na região de Bakhmut. EUA acusa Pyongyang de fornecer armas para a Rússia. ARQUIVO: Soldados ucranianos da 3ª Brigada de Assalto disparam um morteiro de 122 mm contra as posições russas na linha de frente, perto de Bakhmut, em julho de 2023. — Foto: (AP Photo/Alex Babenko) Militares ucranianos foram vistos usando foguetes da Coreia do Norte contra forças russas, de acordo com reportagem publicada pelo jornal […]

today29 de julho de 2023 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%