G1 Mundo

Policial dispara acidentalmente dentro de prédio de universidade de Nova York ao retirar manifestantes pró-Palestina

today3 de maio de 2024 7

Fundo
share close

A informação foi divulgada nesta sexta-feira (3) pela Polícia de Nova York.

O sargento havia quebrado o vidro de um gabinete dentro do prédio e, então, trocou a arma de mão. Quando ele fez isso, a pistola disparou.

A informação é de Carlos Valdez, chefe assistente da Unidade dos Serviços de Emergência.



Entenda o que aconteceu na Universidade de Columbia

Na terça-feira, um grande número de policiais da cidade de Nova York entrou na Universidade de Columbia para retirar dezenas de manifestantes pró-palestinos permaneciam no campus.

Os estudantes tinham ocupado o Hamilton Hall horas antes, após montarem um acampamento no início do mês. Após as forças policias entrarem no campus, e manifestantes que resistiram foram detidos.

Pouco antes de os policiais entrarem no campus, o Departamento de Polícia de Nova York recebeu um aviso de Columbia autorizando os policiais a agirem, disse um policial à agência Associated Press. O funcionário não estava autorizado a discutir publicamente detalhes do assunto e falou sob condição de anonimato.

Manifestantes são presos após polícia entrar em Columbia. — Foto: GloboNews/Reprodução

A polícia utilizou uma escada para acessar uma das janelas da universidade. Para apoiar na operação, foi disponibilizado um ônibus para levar os estudantes detidos.

Os estudantes voltaram a montar tendas depois de a polícia ter evacuado um acampamento na universidade no dia 18 de abril e ter detido mais de 100 pessoas. Os estudantes protestavam no campus de Manhattan desde o dia anterior, opondo-se à ação militar de Israel em Gaza e exigindo que a escola se desfizesse de empresas que alegam estarem a lucrar com o conflito.

Polícia usa escada para acessar janela em Columbia. — Foto: GloboNews/Reprodução

Após a ação policial, manifestantes continuaram as manifestações nas ruas do entorno da universidade. Os gritos de ordem, dessa vez, foram conta a polícia de Nova York.

Após ignorarem um ultimato da direção para desmontar acampamento, manifestantes pró-Palestina quebraram janelas e invadiram um prédio da universidade na madrugada desta terça-feira (30).

A invasão ocorreu após a universidade começar a suspender estudantes que desafiaram o prazo de um “ultimato” dado pela direção de Columbia na segunda (29) e permaneceram acampados na praça principal do campus. Essa medida ocorreu por conta do fracasso das negociações entre a diretoria e a liderança do protesto pela desmobilização do protesto.

Manifestantes pró-Palestina invadem prédio ca Universidade de Columbia após ultimato. — Foto: Alex Kent/Getty Images/AFP

O grupo manifestante é parte de uma onda de manifestações a favor da Palestina que tomou grandes universidades dos Estados Unidos nos últimos dias.

Após a invasão na madrugada de terça, a Universidade de Columbia emitiu uma declaração ameaçando de expulsão desses estudantes e dizendo que os manifestantes haviam “optado por intensificar uma situação insustentável”. Segundo a direção, sua principal prioridade era “restaurar a segurança e a ordem em nosso campus”.

Na noite desta terça, a universidade divulgou uma nota informando que solicitou a presença da polícia para “restaurar a segurança e ordem”.

“Lamentamos que os manifestantes tenham optado por agravar a situação através das suas ações. Depois que a universidade soube durante a noite que Hamilton Hall havia sido ocupado, vandalizado e bloqueado, não tivemos escolha. A equipe de segurança pública de Columbia foi forçada a sair do prédio e um membro da nossa equipe de instalações foi ameaçado. Não arriscaremos a segurança da nossa comunidade ou o potencial de uma nova escalada”, disse o comunicado.

Segundo a universidade, conselheiros se reuniram durante a madrugada e tomaram a decisão de pedir auxílio policial. A instituição diz que acredita que o grupo que invadiu o prédio é liderado por “indivíduos não vinculados à universidade”.

Sobre os atos pró-Palestina, a universidade fez questão de deixar claro que a convocação da polícia não foi uma resposta à causa e sim aos atos. “Deixamos claro que a vida no campus não pode ser interrompida indefinidamente por manifestantes que violam as regras e a lei”, completou a nota.

Manifestante é presa durante protesto pró-Palestina na Universidade Columbia, em Nova York, nesta terça-feira (30). — Foto: David Dee Delgado/Reuters




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

entregadora-brasileira-que-arrancou-dedao-de-cliente-em-briga-por-pizza-no-reino-unido-e-flagrada-trabalhando-para-app-novamente

G1 Mundo

Entregadora brasileira que arrancou dedão de cliente em briga por pizza no Reino Unido é flagrada trabalhando para app novamente

Jenniffer Rocha, de 35 anos, de Aldershot, no Sudeste do Reino Unido, se declarou culpada de lesões corporais graves após uma discussão por causa de uma pizza que ela entregou em dezembro de 2022. Rocha estava trabalhando no país legalmente. Após seu comparecimento ao tribunal, a plataforma de entrega de comidas para a qual ela trabalhava, Deliveroo, cancelou sua conta. Mas a BBC filmou Rocha em abril ainda entregando comida, […]

today3 de maio de 2024 8

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%