G1 Mundo

Político de extrema-direita queima o Alcorão em público e dá a Erdogan o pretexto para barrar entrada de Suécia e Finlândia na Otan

today26 de janeiro de 2023 4

Fundo
share close

No sábado passado, munido de um isqueiro, ele ateou fogo ao livro sagrado do Islã, após discursar contra o islamismo e a imigração. O ato desatou a ira no mundo muçulmano e provocou uma reação contundente do presidente da Turquia, Recep Tayyip Erdogan: que a Suécia não espere o apoio de seu país para ingressar na Otan.

Erdogan fala para a sua base. Uma enquete realizada pela agência Anadolu pelo Twitter mostrou que mais de 90% disseram ser contra o aval da Turquia à entrada do país nórdico na Otan. Ancara convocou o embaixador sueco para condenar a queima do Alcorão e cancelou a visita do ministro da Defesa, Paul Johnson, que chegaria ao país nesta sexta-feira.

Bandeiras dos países membros da Otan hasteadas do lado de fora da sede de Bruxelas — Foto: Olivier Matthys/Associated Press



Depois que a Rússia invadiu a Ucrânia, no ano passado, Suécia e Finlândia quebraram a tradição de 73 anos de neutralidade e se candidataram a entrar na aliança atlântica, apoiadas especialmente por EUA e Reino Unido. Para que os dois países sejam aceitos, é necessário a aprovação dos 30 membros da Otan. Falta apenas o consentimento de Turquia e Hungria, que, embora relutante, já se comprometeu a aprovar as duas candidaturas no início deste ano.

Sobrou a Turquia, membro da Otan desde 1952 e ator estratégico para a aliança militar ocidental, pois assegura o controle do Estreito de Bósforo, que liga o Mediterrâneo ao Mar Negro. Dessa forma, fechando o canal, a Turquia impediu que a Rússia mandasse navios para reforçar a guerra na Ucrânia, assim como fez acordos com Moscou para obter vantagens nos preços de gás e petróleo.

Ciente da importância de seu papel, Erdogan impôs condições à Suécia e à Finlândia, entre as quais a extradição de cerca de 70 curdos acusados pela Turquia de extremismo. As negociações avançavam em ritmo lento até a manifestação de Paludan em frente à embaixada, que foi permitida pela polícia e teve a presença de pró-curdos.

Protestantes se manifestam com sinalizadores e bandeira da Turquia nas ruas de Estocolmo — Foto: Umit Bektas/REUTERS

Fundador do partido dinamarquês Hard Line, que não teve votos suficientes para conseguir cadeiras no Parlamento, o ativista de extrema direita se ancora na liberdade de expressão para atacar o islamismo e pôr fogo no livro sagrado. “Se você é contra a liberdade de expressão, tem que morar em outro lugar”, bradou.

O premiê conservador Ulf Kristersson, que desde outubro governa a Suécia, com o apoio da extrema direita, considerou o protesto de Paludan extremamente desrespeitoso e manifestou solidariedade aos muçulmanos que foram ofendidos na manifestação. “A liberdade de expressão é uma parte fundamental da democracia. Mas o que é legal não é necessariamente apropriado.”

O extremista incendiário foi banido da Bélgica por um ano por tentar queimar cópias do Alcorão num bairro muçulmano e deportado da França pelo mesmo motivo. No ano passado, seu grupo provocou vários dias de agitação na Suécia, ao promover uma espécie de turnê por vilas e cidades com comunidades de muçulmanos. Cerca de 40 pessoas foram presas nos confrontos.

Rasmus Paludan finalmente deu agora a Erdogan o pretexto que procurava para brecar a adesão de Suécia e Finlândia à Otan.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

estudante-tem-vitoria-apos-proibicao-de-usar-mascara-com-“jesus-te-ama”

Gospel Prime

Estudante tem vitória após proibição de usar máscara com “Jesus te ama”

O distrito escolar do Condado de Simpson, no Mississippi, mudou uma política de proibição de discursos políticos ou religiosos que levou uma aluna do terceiro ano, Lydia Booth, a ser impedida de usar uma máscara facial com a mensagem cristã ‘Jesus Loves Me’ (Jesus me ama). Na quarta-feira, a Alliance Defending Freedom (ADF), uma organização especializada em casos de liberdade religiosa que representava Booth, anunciou que o distrito escolar reverteu […]

today26 de janeiro de 2023 11

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%