G1 Mundo

Por que estrada construída por Israel em Gaza gera preocupação

today14 de março de 2024 8

Fundo
share close

Israel afirma que está construindo uma estrada de abastecimento. Mas alguns especialistas temem que ela possa se tornar uma estrutura permanente e que seja usada como barreira, impedindo os palestinos de retornarem às suas casas no norte.

A nova rodovia começa na cerca da fronteira de Gaza com Israel, perto do kibutz Nahal Oz. Passa por Gaza e termina perto da costa, a oeste.

O militar aposentado Jacob Nagel, ex-conselheiro de segurança do primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu, disse ao serviço árabe da BBC que o objetivo da nova estrada era fornecer acesso rápido às forças de segurança para lidar com novas ameaças.



Mas alguns analistas expressaram preocupação pelo fato de a estrada parecer fazer parte de um plano israelense para permanecer em Gaza após o fim da ofensiva contra o Hamas.

A nova rodovia atravessa o norte de Gaza, com as áreas central e sul abaixo dela.

Embora exista uma rede de estradas que ligam o leste e o oeste, a nova rota das Forças de Defesa de Israel é a única que passa ininterruptamente por Gaza.

Além disso, cruza as estradas Salah al-Din e al-Rashid, as duas principais vias que atravessam o território.

Em fevereiro, o primeiro-ministro israelense Benjamin Netanyahu revelou a sua visão para Gaza pós-guerra, na qual Israel controlaria a segurança no território indefinidamente.

Líderes internacionais alertaram Israel contra o deslocamento permanente dos palestinos ou a redução do tamanho de Gaza.

A nova estrada provavelmente renovará o debate sobre a estratégia pós-guerra de Israel.

Em resposta a perguntas sobre a nova estrada, as IDF disseram à BBC que estavam tentando ganhar uma “posição operacional” e facilitar a movimentação de tropas e equipamentos.

O que mais sabemos sobre a estrada?

A análise de imagens de satélite pela BBC revela que as IDF construíram mais de 5 km de novos trechos de estrada para ligar estradas anteriormente desconectadas.

O trecho inicial da autoestrada no leste de Gaza, perto da fronteira com Israel, foi estabelecido entre o final de outubro passado e o início de novembro.

Mas a maioria das novas seções foi construída durante fevereiro e início de março.

A nova rota é mais larga do que uma típica autoestrada de Gaza, excluindo Salah al-Din.

A análise das imagens mostra também que os edifícios ao longo do percurso, que parecem ser armazéns, foram demolidos entre o fim de dezembro e o fim de janeiro.

Isso inclui um prédio de vários andares.

A autoestrada atravessa uma área que anteriormente tinha menos edifícios e era menos densamente povoada em comparação com outras partes de Gaza.

Um canal de televisão israelense noticiou a rodovia em fevereiro, dizendo que ela tinha o codinome “Rodovia 749”. Um repórter do Canal 14 percorreu partes da rota com os militares israelenses.

No vídeo, veículos de construção de estradas e escavadeiras foram vistos preparando a construção de novos trechos do percurso.

Que usos potenciais ela tem?

Analistas da Janes, uma empresa de inteligência de defesa, disseram que o tipo de superfície de estrada não pavimentada vista nas imagens do Canal 14 era adequado para veículos blindados rastreados.

As forças israelenses não deram detalhes em sua declaração. “Como parte da operação terrestre, as IDF utilizam uma rota operacional direta”, disseram.

O ex-chefe do Conselho de Segurança Nacional de Israel, general Jacob Nagel, enfatizou as considerações de segurança em relação à rodovia.

“Isso ajudará Israel a entrar e sair… porque Israel terá total reponsabilidade pela defesa e segurança de Gaza”, disse ele ao serviço árabe da BBC.

Ele a descreveu como “uma estrada que divide a parte norte da parte sul”.

O major-general Yaakov Amidror, ex-membro das forças armadas israelenses, tem uma uma opinião semelhante.

O principal objetivo da nova rodovia é “facilitar o controle logístico e militar na região”, afirmou.

Justin Crump, um ex-oficial do exército britânico que dirige a Sibylline, uma empresa de inteligência de risco, disse que a criação da nova rota é algo muito significativo.

“Certamente parece fazer parte de uma estratégia de longo prazo ter pelo menos algum tipo de intervenção e controle de segurança na Faixa de Gaza”, disse Crump.

“Esta área separa a Cidade de Gaza do sul da faixa, tornando-a uma linha de controle eficaz para monitorizar ou limitar o movimento”.

Khaled Elgindy, pesquisador do Middle East Institute, com sede nos EUA, também acredita que a rodovia é um projeto de longo prazo.

“Parece que o exército israelense permanecerá em Gaza indefinidamente”, disse Elgindy à BBC.

“Ao dividir Gaza ao meio, Israel controlará não só o que entra e sai de Gaza, mas também os movimentos dentro do território”, disse o analista, que também é Diretor do Programa para a Palestina e Assuntos Palestino-Israelenses do instituto.

“Isso inclui possivelmente impedir que 1,5 milhão de palestinos deslocados no sul retornem às suas casas no norte”.

*reportagem de Abdirahim Saeed e Aine Gallagher, do serviço árabe da BBC.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

venezuela-tenta-salvar-sua-ultima-geleira-no-pico-humboldt-com-uso-de-manta;-tecnica-e-polemica

G1 Mundo

Venezuela tenta salvar sua última geleira no Pico Humboldt com uso de manta; técnica é polêmica

No parque de Sierra Nevada, na Venezuela, não resta quase nada da geleira La Corona. O que sobra dela poderá desaparecer completamente em 4 ou 5 anos. Para salvá-la, as autoridades decidiram cobri-la com uma manta gigantesca para evitar seu derretimento. Um método controverso, segundo especialistas. Há pouco mais de meio século, a Venezuela tinha cinco geleiras que totalizavam quase 1.000 hectares de gelo. Um ciclo de recuo das geleiras […]

today14 de março de 2024 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%