G1 Mundo

Preocupação mundial aumenta com onda de covid-19 na China; testes voltarão a ser exigidos em alguns países

today29 de dezembro de 2022 50

Fundo
share close

Hospitais de toda a China estão sobrecarregados com a explosão de casos de coronavírus após o fim da política de “covid zero”, que conseguiu controlar as infecções, mas afetou gravemente a economia e provocou muitos protestos.

O país anunciou na segunda-feira (26) o fim da exigência de quarentena para as pessoas que chegam do exterior, o que motivou que milhares de chineses planejassem viagens internacionais.

Em resposta, vários países – incluindo Estados Unidos, Japão, Coreia do Sul, Índia e Itália – passaram a exigir a apresentação de exames com resultado negativo de covid-19 para admitir a entrada de visitantes procedentes da China.



Taiwan vai começar a testar visitantes chineses a partir de 1º de janeiro. E o Japão vai restringir voos para alguns aeroportos selecionados a partir desta sexta (30).

O presidente da França, Emmanuel Macron, pediu “medidas adequadas para proteger” a população e afirmou que o governo monitora a “evolução da situação na China“. Já a Comissão Europeia deve ter uma reunião nesta quinta-feira (29) para discutir “possíveis medidas para uma abordagem coordenada” da União Europeia aos contágios no país.

O governo chinês criticou o que chamou de “exagero, difamação e manipulação política” da imprensa ocidental.

“Nos últimos três anos respondemos de maneira efetiva a cinco ondas mundiais de infecções, ganhando tempo precioso para o desenvolvimento de vacinas e remédios”, afirmou nesta quinta-feira (29) o porta-voz do ministério das Relações Exteriores chinês, Wang Wenbin.

A China ainda não permite a entrada de visitantes estrangeiros e mantém a suspensão de emissão de vistos para turistas e estudantes internacionais.

O aumento do número de casos tem preocupado cientistas e autoridades do mundo todo a respeito do surgimento de novas variantes.

“O rápido aumento recente da transmissão de covid-19 na China aumenta a possibilidade do surgimento de novas variantes”, afirmou uma fonte do Departamento de Saúde americano à imprensa.

Pequim divulgou informações limitadas sobre as variantes que circulam na China, de acordo com a mesma fonte. Os testes e relatórios sobre novos casos também diminuíram.

Mas, segundo o governo, o surto tem sido impulsionado por versões da variante Omicron. De acordo com o diretor de controle viral do Centro Chinês de Controle de Doenças, Xu Wenbo, mais de 130 derivados da variante foram detectados nos últimos três meses.

Ao mesmo tempo, os hospitais chineses lutam para enfrentar o aumento de contágios, que afetam, em particular, os idosos e pessoas vulneráveis.

Jornalistas da AFP observaram nesta quint, em um hospital de Xangai, o momento em que pacientes com máscaras eram retirados de várias ambulâncias. Eles ouviram um paciente discutindo com a equipe do hospital depois de esperar por quatro horas para receber medicação.

Em Tianjin, 140 quilômetros ao sudoeste de Pequim, a AFP visitou duas emergências de hospitais lotadas de pacientes com o vírus. Um médico afirmou que os profissionais de saúde foram convocados a trabalhar mesmo quando estavam infectados.

A AFP observou mais de 20 pacientes, a maioria idosos, deitados em macas em locais abertos das emergências e pelo menos um corpo em um quarto.

“A fila de espera para uma consulta com um médico é de quatro horas”, disse um funcionário a um idoso que afirmou estar com covid-19. “Há 300 pessoas antes do senhor”, explicou.

A Comissão Nacional de Saúde da China anunciou na semana passada o fim da publicação do balanço diário de mortes por coronavírus. Mas com o fim dos testes em larga escala e a decisão chinesa de alterar a definição de mortes por covid, os números não eram mais confiáveis para alguns analistas.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

netanyahu-sacramenta-o-sexto-mandato-em-sociedade-com-fundamentalistas-religiosos

G1 Mundo

Netanyahu sacramenta o sexto mandato em sociedade com fundamentalistas religiosos

Isso significa abrir mão definitivamente de valores seculares que nortearam Israel, reduzir os direitos das minorias, expandir os assentamentos, anexar territórios e enterrar a possibilidade de um Estado palestino. Essa combinação forma, como definiu o jornal “Haaretz”, a coalizão de extrema direita mais racista, homofóbica e teocrática de sua História. Faz também o direitista Netanyahu parecer um moderado. O governo tem 64 das 120 cadeiras do Knesset (Parlamento) e, coerente […]

today29 de dezembro de 2022 38

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%