G1 Mundo

Tensão entre China e EUA: por que a destruição do balão chinês agrava ainda mais a crise diplomática entre os países

today7 de fevereiro de 2023 19

Fundo
share close

O vai-e-vem de declarações e acusações é mais um ponto de estresse de uma relação muito desgastada entre as duas maiores potências do mundo.

E para entender mais este capítulo de crise diplomática entre os Estados Unidos e a China, o g1 conversou com Elias Khalil Jabbour, professor da faculdade de Ciências Econômicas da Universidade do Estado do Rio de Janeiro (UERJ), e com Tanguy Baghdadi, criador do podcast Petit Journal.

Balão espião ou instrumento meteorológico?



“Esse balão, na minha opinião, é tudo menos um balão espião. Eu, particularmente, acho que é uma provocação aberta dos Estados Unidos e, evidentemente, que isso vai mexer com as relações com a China. Até porque a China não precisa colocar um balão nos Estados Unidos para saber o que está acontecendo lá dentro”, defende Elias Khalil Jabbour.

Para ele, os americanos nada mais querem que dialogar com o seu público interno e reforçar, ainda mais, a ideia “de que existe uma ameaça à hegemonia americana”. Jabbour, além de achar uma piada a possibilidade de o balão ser um objeto de espionagem, acredita que a acusação faça parte de uma jogada do presidente dos Estados Unidos Joe Biden.

“Hoje, a China é cercada por 80 bases militares americanas”, comenta Jabbour. Com isso, diz o professor, “existe uma força desproporcional empregada pelos Estados Unidos nesse processo que passa essa imagem de que a China é uma ameaça ao mundo”.

Por outro lado, Tanguy Baghdadi discorda: “Meu palpite é que sim tenha algum elemento de coleta de informações”. Na opinião dele, ao lançar um balão, a China consegue obter uma série de informações, como, por exemplo:

  1. Quanto tempo os Estados Unidos vão demorar para abater aquele balão?
  2. Quem comanda o abatimento deste instrumento?
  3. Quanto tempo demora?
  4. É ágil a ação americana?

“Eu acredito que tenha alguma questão relacionada com espionagem, sim. Quando a gente fala de uma relação neste nível, em altíssimo nível político, econômico e diplomático, informação é um elemento muito importante”, argumenta Baghdadi.

Imagem feita do solo mostra a parte de baixo do balão chinês durante atividade de caça americano para destruir o objeto — Foto: Chad Fish via AP

Ainda que se trate de um episódio isolado e quase “cotidiano” da relação entre os dois países, tanto Elias Khalil Jabbour quanto Tanguy Baghdadi explicam que o aparecimento (e o abatimento) do balão chinês eleva, ainda mais, a crise diplomática entre Estados Unidos e China.

“Qualquer coisa que aconteça fora de qualquer padrão nesse momento agravaria as relações. Então, se fosse um drone americano para fins de diversão no mar do sul da China, também teria um problema”, pontua Jabbour.

Além disso, é importante lembrar, destaca Tanguy Baghdadi, que se trata das duas maiores potências do mundo, que são também os maiores parceiros comerciais e que, com isso, dependem muito um do outro.

“Eu acho que, às vezes, a gente fica esperando grandes acontecimentos. Esse nível de tensão entre Estados Unidos e China vai ter outros capítulos, mas isso faz parte do cotidiano da relação”, resume Tanguy.

O líder chinês Xi Jinping e Joe Biden durante encontro do G20 — Foto: Saul Loeb/AFP/Getty Images




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

como-ameaca-chinesa-faz-fuzileiros-navais-dos-eua-se-‘reinventarem’

G1 Mundo

Como ameaça chinesa faz Fuzileiros Navais dos EUA se ‘reinventarem’

Mas nos bastidores esse foco na Ásia vem provocando um debate acirrado dentro de uma das forças militares mais icônicas dos Estados Unidos, segundo Jonathan Marcus, ex-correspondente de defesa e diplomacia da BBC, e, atualmente, professor honorário do Instituto de Estratégia e Segurança da Universidade de Exeter, na Inglaterra. No centro da polêmica está uma das instituições mais sagradas das forças armadas dos EUA, o Corpo de Fuzileiros Navais. Vários […]

today7 de fevereiro de 2023 17

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%