G1 Mundo

4 frentes onde guerra no Oriente Médio se expandiu além do conflito Israel-Hamas

today4 de fevereiro de 2024 9

Fundo
share close

Estados Unidos atacam, no Iraque e na Síria, mais de 80 alvos de milícias apoiadas pelo governo do Irã



Estados Unidos atacam, no Iraque e na Síria, mais de 80 alvos de milícias apoiadas pelo governo do Irã

Washington atacou a Força Quds do Corpo da Guarda Revolucionária Iraniana (IRGC) e milícias afiliadas no Iraque e na Síria, em sete locais no total. Os bombardeiros atingiram 85 alvos individuais, segundo autoridades de defesa americanas.

“Ataques com aviões não tripulados contra bases americanas vêm sendo frequentemente realizados por essas milícias apoiadas pelo Irã, mas este foi o mais grave”, afirmou o repórter de segurança da BBC Frank Gardner.

A Casa Branca afirma que o Irã está por trás desta e de outras operações. Já o governo iraniano nega a acusação.

O professor de Relações Internacionais Fawaz Gerges, da London School of Economics and Political Science (LSE), na Inglaterra, disse à BBC, antes da retaliação americana, que “existe o perigo real de que a guerra em Gaza se torne um conflito regional mais amplo”.

“A grande questão é que a estratégia de dissuasão do presidente Biden fracassou”, disse.

A expansão do conflito é considerada uma derrota da estratégia americana dos últimos meses. Seu objetivo era evitar a escalada do conflito na Faixa de Gaza para os países vizinhos.

Nos EUA, o presidente Joe Biden vem sendo criticado por adversários do Partido Republicano sobre o momento e a contundência da resposta do país.

Segundo especialistas, no entanto, a abordagem dos EUA permitiu ao Irã retirar pessoal, evitando potencialmente um conflito mais amplo entre EUA e Irã na região neste momento.

Neste contexto, um dos elementos que tornam a situação ainda mais complexa na região é que existe uma série de organizações ativas espalhadas por diversos países da região.

O ataque que matou três soldados americanos é um exemplo – ele foi perpetrado por uma rede de organizações e não só por um único agente, apontam especialistas.

“O grupo autodenominado Resistência Islâmica no Iraque faz parte de uma vasta rede de milícias apoiadas pelo Irã, que foram armadas, financiadas e treinadas pelo Corpo da Guarda Revolucionária iraniana”, explica Frank Gardner.

“Com operações na Síria, Iraque, Líbano e Iêmen, eles se opõem à presença militar tanto de Israel quanto dos Estados Unidos na região”, acrescenta o repórter da BBC.

Pouco depois do ataque do Hamas em território israelense, em 7 de outubro, e da resposta militar de Israel que se seguiu sobre a Faixa de Gaza, os Estados Unidos transportaram navios de guerra para o mar Mediterrâneo, advertindo todas as partes envolvidas a não escalonarem o conflito.

Mas os ataques já ultrapassaram em muito o esperado.

“A realidade é que existe fogo ardendo em diversas frentes”, destaca a chefe dos correspondentes internacionais da BBC, Lyse Doucet.

A seguir, entenda quais são essas frentes.

1. O Líbano e o papel do Hezbollah

Apoiadores do Hezbollah no Líbano assistem a pronunciamento do líder do grupo em um telão — Foto: Ahmad Al-Rubaye / AFP

Agora, em meio à guerra na Faixa de Gaza, essa fronteira se tornou uma das zonas mais sensíveis na expansão do conflito.

Nos últimos meses, as forças israelenses e o grupo radical islâmico Hezbollah – movimento xiita apoiado pelo Irã – trocaram ataques constantes.

Neste cenário, os Estados Unidos receiam que Israel possa atacar ou invadir o Líbano – e vem instando seu aliado a evitar uma ação desse tipo.

Se essa ação militar ocorrer, a região chegará a um nível de conflito muito maior, com consequências imprevisíveis para o Ocidente.

2. Os houthis e a tensão no Mar Vermelho

Integrantes dos Houthis durante uma manifestação em Sanaa, no Iêmen, em apoio aos palestinos em Gaza — Foto: REUTERS/Khaled Abdullah

O Mar Vermelho passou a ser outro foco de violência, desde que os rebeldes houthis começaram a lançar uma série de ataques com mísseis contra navios cargueiros do Ocidente.

Os houthis controlam grande parte do Iêmen e contam com apoio iraniano. Desde novembro, a milícia vem atacando os navios que passam pelo estreito Bab el-Mandeb, um canal com 32 km de largura que separa o Iêmen, na Península Arábica, do nordeste da África.

Os insurgentes afirmam que estão atacando navios ligados a Israel, como represália pela guerra na Faixa de Gaza. E, em resposta, os EUA e o Reino Unido lançaram sucessivas rodadas de ataques contra os houthis.

Um dos últimos incidentes na região ocorreu em 26 de janeiro. Um navio-tanque da empresa Trafigura (um dos maiores comerciantes de energia do mundo) transportava combustível quando foi atingido por um míssil em frente à costa de Aden.

Para evitar os ataques, centenas de imensos porta-contêineres estão seguindo por rotas alternativas, que incluem um longo e dispendioso desvio em torno do cabo da Boa Esperança, na África do Sul.

3. O Iraque e as bases americanas

EUA atacaram a Força Quds do Corpo da Guarda Revolucionária Iraniana (IRGC) e milícias afiliadas no Iraque e na Síria, em sete locais no total, na sexta-feira — Foto: Getty Images/Via BBC

No Iraque, grupos radicais lançaram drones e mísseis contra bases americanas, como a base aérea de Asad, no oeste do país. O atentado causou lesões cerebrais traumáticas a dois soldados americanos.

Em represália, os Estados Unidos lançaram uma série de ataques aéreos no dia 23 de janeiro.

Os conflitos no Iraque já duram meses. As bases que abrigam as forças americanas no Iraque e no nordeste da Síria foram atacadas em diversas ocasiões, provocando reações militares dos Estados Unidos.

Esses ataques são considerados parte do conflito indireto entre iranianos e americanos.

Cerca de 3,4 mil membros da coalizão internacional contra o grupo autodenominado Estado Islâmico, sob a coordenação dos Estados Unidos, encontram-se no Iraque e na Síria, onde são possíveis alvos de ataques.

4. A Síria e seus vínculos com o Irã

Em janeiro, ataque na Síria aumentou tensão entre Irã e Israel — Foto: Reprodução/Globo

Por fim, a Síria também faz parte das ramificações da guerra na Faixa de Gaza pela região.

Aviões americanos bombardearam um depósito de armas, em novembro, que aparentemente pertencia ao Corpo da Guarda Revolucionária iraniana.

Dias depois, os Estados Unidos atacaram um abrigo e uma instalação de treinamento, supostamente vinculados ao Irã no leste da Síria.

Em dezembro, um ataque aéreo israelense em um subúrbio da capital síria, Damasco, matou o general iraniano Seyed Razi Mousavi, ex-assessor da Guarda Revolucionária paramilitar iraniana na Síria.

E, em meados de janeiro, outro ataque israelense na capital síria destruiu um edifício supostamente utilizado por agentes iranianos.

Este tipo de ataque continua se repetindo e é considerado mais uma expressão do conflito dos Estados Unidos e Israel contra o Irã.

Poucos analistas esperam que os Estados Unidos decidam atacar diretamente alvos em solo iraniano.

Um eventual ataque aumentaria as tensões na região a um nível muito maior e poderia trazer consequências de alto risco para as partes envolvidas e para o resto do mundo.

De fato, a última vez em que o Irã e os Estados Unidos se enfrentaram diretamente foi na década de 1980.

Na época, Washington e Teerã participaram de ofensivas militares nas águas do Golfo Pérsico, quando foram atacados navios e plataformas petrolíferas iranianas.

Este nível de escalada parece estar ocorrendo, no momento, fora do tabuleiro de combate, mas a situação vem se agravando.

A morte de três militares americanos na Jordânia ocorreu em um momento em que os Estados Unidos e seus aliados tentam negociar uma pausa na guerra entre Israel e o Hamas e um acordo sobre os reféns. A esperança é que se coloque fim à guerra ou, pelo menos, que os combates sejam suficientemente reduzidos para diminuir a tensão em outras partes do Oriente Médio.

Um surto de violência que envolva os Estados Unidos e o Irã poderia eliminar as esperanças de restabelecer a calma antes do Ramadã, o mês sagrado dos muçulmanos, que começa em março.

Com este panorama, um dos maiores desafios enfrentados pelo governo de Joe Biden, segundo os analistas, é definir uma estratégia que permita responder aos constantes ataques de forma proporcional, dissuasiva e, ao mesmo tempo, que não intensifique o conflito, nem amplie suas dimensões.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

eleitores-negros-estao-abandonando-joe-biden?

G1 Mundo

Eleitores negros estão abandonando Joe Biden?

Na Carolina do Sul, no entanto, muitos estão frustrados com o presidente – e alguns decidiram apoiar Donald Trump. A 40 minutos de carro do brilho e elegância da cidade de Columbia, na Carolina do Sul, fica o município de Winnsboro – que carece de ambos. É o lugar que Nocola Hemphill chama de lar – um lar que, como ela descreve, parece estar a um mundo de distância da […]

today4 de fevereiro de 2024 10

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%