G1 Mundo

5 gráficos que mudaram o mundo — para o bem e para o mal

today2 de abril de 2023 7

Fundo
share close

Hoje em dia, a visualização de dados em gráficos está em toda parte. No entanto, quando Playfair os apresentou pela primeira vez, mais de 200 anos atrás, a ideia de criar formas para ilustrar números não foi bem recebida.

“Como poderiam os desenhos representar realmente dados científicos sólidos?”, era o pensamento da época.

Com o passar do tempo, a visualização gráfica de dados tornou-se até uma forma de arte. E, entre este imenso universo, escolhemos cinco gráficos que, de certa forma, mudaram o mundo em que vivemos.



Os mapas de pontos do Dr. Snow

O médico inglês John Snow revolucionou o conhecimento humano sobre a propagação dos micróbios — Foto: BBC

Um dos exemplos mais conhecidos da visualização de dados em imagens foi criado em Londres, em 1854.

Naquela época, a crença geral era que as doenças infecciosas, como cólera, eram transmitidas pelo ar. Mas o cirurgião John Snow (1813-1858) pensava diferente. Para ele, as infecções poderiam propagar-se pela água suja.

Foi quando um surto mortal de cólera surgiu no bairro londrino de Soho. Snow rastreou todos os casos e os marcou com um ponto no mapa.

Os pontos geraram uma imagem muito clara. Todas as mortes por cólera se agrupavam em torno de uma bomba d’água, na rua chamada Broad Street.

O mapa mostra claramente que os casos de cólera em Londres se concentravam em volta de uma bomba d’água contaminada — Foto: BBC

Snow apresentou suas descobertas aos responsáveis locais, a bomba foi fechada e o surto foi contido.

John Snow mudou radicalmente o nosso conhecimento sobre os micróbios. E seus mapas com pontos tão simples tiveram um papel importante no processo.

Florence Nightingale carregava uma lâmpada para examinar seus pacientes durante a guerra. Por isso, passou a ser chamada de ‘A Dama da Lâmpada’ — Foto: BBC

Quase na mesma época, a “Dama da Lâmpada” Florence Nightingale (1820-1910) também usou uma imagem criativa para salvar ainda mais vidas.

Durante a Guerra da Crimeia, nos anos 1850, Nightingale percebeu que morriam mais soldados nos hospitais, em condições insalubres, do que no campo de batalha. Ela queria convencer a rainha Vitória – como comandante suprema do exército britânico, na época – a dedicar recursos para melhorar as condições dos hospitais militares.

O diagrama da rosa ajudou Florence Nightingale a conseguir melhores condições hospitalares para os soldados durante a Guerra da Crimeia — Foto: BBC

Para isso, Nightingale criou o “Coxcomb” (“crista do galo”, em tradução literal), que é conhecido em português como o diagrama da rosa. Seu gráfico circular com diâmetros irregulares mostrava os dados sobre as causas das mortes de soldados de forma muito eficaz.

Os esforços de Florence Nightingale tiveram forte impacto, não só melhorando as condições sanitárias dos hospitais militares, mas também mudando as feições da assistência médica moderna.

Contra o preconceito racial

W. E. B. Du Bois tentou chamar a atenção para o racismo durante a Exposição Universal de 1900 — Foto: BBC

Um dos exemplos mais originais de visualização de dados em gráficos foi criado pelo historiador norte-americano e ativista dos direitos civis W. E. B. Du Bois (1868-1963), para a Exposição Universal de 1900 em Paris, na França.

Du Bois apresentou uma série de gráficos feitos à mão, mostrando as conquistas educativas, sociais e comerciais dos norte-americanos de origem africana durante os primeiros 35 anos após a abolição oficial da escravatura no país.

As informações questionavam os estereótipos e demonstravam como as comunidades negras continuavam sendo discriminadas. Du Bois esperava que as visualizações ajudassem a colocar fim ao preconceito racial em todo o mundo.

Os gráficos de Du Bois mostravam dados sobre a população afrodescendente dos Estados Unidos após a abolição da escravatura — Foto: BBC

“O problema do século 20 é o problema da linha da cor”, escreveu ele.

Os sonhos de W. E. B. Du Bois não se tornaram realidade, mas seus belos gráficos agora são reconhecidos como um poderoso uso da visualização de dados para demonstrar as mudanças sociais.

A visualização de dados em gráficos também pode ser usada para disseminar desinformação. E, às vezes, com consequências desastrosas.

Estamos falando da árvore genealógica de Kallikak. Como gráfico, não é uma inovação, mas causou profundo impacto.

A árvore genealógica de Martin Kallikak era baseada em informações fictícias — Foto: BBC

Ele foi criado com bases duvidosas pelo psicólogo e eugenista norte-americano Henry Goddard (1866-1957). Ele acreditava que um dos maiores problemas da sociedade seriam as pessoas que ele chamava de “débeis mentais” – basicamente, qualquer pessoa que Goddard ou outras pessoas como ele considerassem donos de inteligência inferior.

Goddard escreveu o livro The Kallikak Family: A Study in the Heredity of Feeble-Mindedness (“A família Kallikak: um estudo da hereditariedade da debilidade mental”, em tradução livre).

O texto é baseado na história do soldado Martin Kallikak, que era casado e provinha de uma família de cidadãos honrados. Mas Kallikak teria tido um filho, produto de uma aventura de uma noite com uma camareira que, segundo Goddard, seria “débil mental”.

Para o psicólogo eugenista, a “debilidade mental” seria hereditária e sua descendência estaria repleta do que ele chamava de “tipos mais baixos de seres humanos”.

Ocorre que toda a história era inventada. A camareira nunca existiu.

O livro do psicólogo eugenista Henry Goddard foi usado para propaganda pelos nazistas — Foto: BBC

Mesmo assim, a árvore genealógica de Kallikak podia ser encontrada em livros escolares até a década de 1950 e foi utilizada pelo movimento eugenista por décadas.

A árvore também foi empregada pelos nazistas. Eles a usaram em filmes de propaganda para atrair apoio às suas leis de pureza racial, que causaram o assassinato de milhares de pessoas incapacitadas durante o Holocausto.

Às vezes, um gráfico pode se tornar emblemático quase que por acaso.

Em 2018, o cientista Ed Hawkins foi convidado a dar uma palestra sobre mudanças climáticas no festival literário Hay, no País de Gales.

Ele precisava explicar o aumento das temperaturas médias globais para uma audiência que, em grande parte, não tinha conhecimentos científicos. Por isso, ele idealizou um gráfico que não usava palavras, mas sim cores – uma forma incrivelmente simples de demonstrar o aquecimento do planeta desde 1850.

As ‘listras do aquecimento’ de Ed Hawkins. Quanto mais vermelho, mais quente — Foto: BBC

O gráfico ficou conhecido como “as listras do aquecimento”. Ele usa tons azuis para indicar os anos mais frios e listras vermelhas para exibir os anos com temperaturas acima da média.

Desde então, o gráfico é atualizado anualmente. Em 2022, Hawkins afirmou que, pela primeira vez, foi preciso introduzir uma nova faixa vermelha, demonstrando a rapidez das mudanças climáticas no planeta.

O gráfico de Ed Hawkins desrespeita algumas das regras da visualização gráfica de dados (não há título, nem legenda, por exemplo). Mas é um dos mais emblemáticos dos tempos modernos.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

guerra-na-ucrania-acirra-tensao-entre-igreja-ortodoxa-e-kiev

G1 Mundo

Guerra na Ucrânia acirra tensão entre igreja ortodoxa e Kiev

Fundado no século 11, o mosteiro é palco de um conflito religioso mais amplo que se desenrola em paralelo com a guerra. Os monges que usam a propriedade são da IOU, que faz parte canonicamente do Igreja Ortodoxa Russa, acusada de ligações com o governo de Moscou e de apoiar da invasão da Ucrânia. O mosteiro, porém, pertence ao governo ucraniano, que notificou a IOU no início deste mês sobre […]

today2 de abril de 2023 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%