G1 Mundo

7 momentos em que os ataques em Brasília lembraram a invasão ao Capitólio nos EUA

today9 de janeiro de 2023 11

Fundo
share close

Assim como os terroristas que promoveram a invasão do Congresso americano, bolsonaristas radicais não aceitam os resultados das urnas no Brasil e pedem um golpe de estado.


Imagem Win McNamee/Getty Images/AFP Imagem Adriano Machado/Reuters



Invasores com bandeira de Trump, em Washington e Bolsonaro, em Brasília — Foto 1: Win McNamee/Getty Images/AFP — Foto 2: Adriano Machado/Reuters

A invasão por terroristas ao Palácio do Planalto, ao Congresso Nacional e ao Supremo Tribunal Federal (STF) neste domingo (8) guarda diversos paralelos com o ataque ao Capitólio dos Estados Unidos, ocorrido dois anos atrás. Veja abaixo mais imagens que mostram momentos similares das duas tentativas de afrontar a democracia nos EUA e no Brasil:

Imagem Reprodução/GloboNews Imagem Eraldo Peres/AP

Invasão do Capitólio, em 2021, e do Congresso do Brasil, neste domingo (8) — Foto 1: Reprodução/GloboNews — Foto 2: Eraldo Peres/AP

Imagem Reprodução/GloboNews Imagem Reprodução Globonews

Vândalos no plenário da Câmara dos EUA e no Senado brasileiro — Foto 1: Reprodução/GloboNews — Foto 2: Reprodução Globonews

Imagem Julio Cortez/AP Photo Imagem REUTERS/Adriano Machado

Em ambas as invasões, as poucas barreiras policiais foram insuficientes para conter os vândalos — Foto 1: Julio Cortez/AP Photo — Foto 2: REUTERS/Adriano Machado

Imagem Saul Loeb/AFP Imagem REUTERS/Adriano Machado

Nos EUA, um vândalo posa com o pé na mesa da então presidente da Câmara, Nancy Pelosi; em Brasília, salas e gabinetes também foram depredados — Foto 1: Saul Loeb/AFP — Foto 2: REUTERS/Adriano Machado

Imagem Julio Cortez/AP Imagem Reprodução / Redes Sociais

Terroristas se feriram ao invadir edifícios públicos em Washington e em Brasília — Foto 1: Julio Cortez/AP — Foto 2: Reprodução / Redes Sociais

Imagem Saul Loeb/AFP Imagem Reprodução/Facebook

Vândalos filmaram cada momento dos ataques ao Capitólio e aos edifícios em Brasília; nos EUA, muitas das imagens ajudaram as autoridades a identificar criminosos — Foto 1: Saul Loeb/AFP — Foto 2: Reprodução/Facebook

Veja abaixo semelhanças e diferenças nos ataques às instituições nos EUA, em 2021, e em Brasília, neste domingo (8):

  • Contestação do resultado eleitoral: Assim como nos EUA os apoiadores do então presidente republicano Donald Trump , não aceitavam a sua derrota nas urnas para o democrata Joe Biden , os bolsonaristas não aceitam o resultado das eleições de outubro, em que Jair Bolsonaro perdeu para Luiz Inácio Lula da Silva. Tanto os terroristas americanos quanto os brasileiros são de direita e defendem pautas conservadoras.
  • Objetivo dos atos: Nos EUA, os manifestantes invadiram o Congresso durante a contagem oficial dos votos do Colégio Eleitoral para impedir a confirmação da vitória de Joe Biden. Aqui no Brasil, os bolsonaristas radicais pedem que as Forças Armadas deem um golpe e tomem o poder. Segundo mensagens que circulam nas redes sociais, haveria ainda a intenção de ocupar e acampar nos prédios públicos.
  • Alvo das invasões: Nos Estados Unidos, o alvo dos terroristas foi o Capitólio, que é o centro legislativo americano. No Brasil, os bolsonaristas radicais invadiram os prédios dos três poderes: além do Congresso Nacional, avançaram sobre o Palácio do Planalto (sede do Executivo e onde o presidente da República despacha) e o STF (sede do Judiciário).
  • Dia dos ataques: Ao contrário do Capitólio nos EUA que estava repleto de parlamentares e servidores, além do então vice-presidente, Mike Pence, em meio à realização de uma sessão oficial, os edifícios do Planalto, do Congresso e do STF estavam vazios. Além de ser domingo, o Legislativo e o Judiciário brasileiros estão em recesso no mês de janeiro. Já o presidente Lula estava em viagem a Araraquara, no interior de São Paulo, para avaliar de perto os danos causados pela chuva.
  • Violência e vandalismo: Nos dois casos, os radicais agiram com violência e houve quebra-quebra. Enquanto nos EUA os radicais invadiram e depredaram gabinetes, no Brasil, os vândalos chegaram até o plenário do Senado e o do STF, onde promoveram depredação, além de terem ido bem perto do gabinete presidencial.
  • Reação da polícia: Outra diferença entre os dois episódios foi a agilidade das forças de segurança em conter o avanço dos manifestantes. Enquanto nos EUA a reação das autoridades foi imediata, no caso brasileiro, vídeos que circulam nas redes sociais mostram policiais ao redor da Praça dos Três Poderes apenas olhando a ação dos bolsonaristas.
  • Incentivo: Os dois levantes foram estimulados direta ou indiretamente pelos presidentes que perderam as eleições. Trump segue solto e continua sem aceitar o resultado das eleições. Bolsonaro, que ao longo de todo o seu mandato levantou suspeitas infundadas sobre a lisura do processo eleitoral, viajou para os Estados Unidos na véspera do fim do seu mandato e, desde a derrota nas urnas, se recolheu e se manifestou em algumas situações apenas.
  • Manifestação: Durante a invasão ao Capitólio, Trump se manifestou horas após o início do ataque, pedindo que os invasores deixassem o Congresso e fossem embora para casa. Bolsonaro, por sua vez, se pronunciou sobre a ação de seus apoiadores em Brasília após as 21h do domingo, quando a situação já estava controlada. Ele disse que “depredações e invasões de prédios públicos como ocorridos no dia de hoje, assim como os praticados pela esquerda em 2013 e 2017, fogem à regra”.

Newsletter G1 Created with Sketch.

O que aconteceu hoje, diretamente no seu e-mail

As notícias que você não pode perder diretamente no seu e-mail.

Para se inscrever, entre ou crie uma Conta Globo gratuita.

Obrigado!

Você acaba de se inscrever na newsletter Resumo do dia.

Deseja receber as notícias mais importantes em tempo real? Ative as notificações do G1!




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

principe-harry-diz-que-realeza-britanica-‘foi-para-cama-com-diabo’-da-imprensa-dos-tabloides

G1 Mundo

Príncipe Harry diz que realeza britânica ‘foi para cama com diabo’ da imprensa dos tabloides

O príncipe Harry disse que tornou públicas suas desavenças com a família real britânica e que partiu para o ataque contra a imprensa para tentar ajudar a monarquia e mudar a mídia, em uma investida que seu pai, o rei Charles III, descreveu como uma "missão suicida". Na primeira de uma série de entrevistas ao canal britânico ITV transmitidas no domingo (8), antes do lançamento de seu livro de memórias, […]

today9 de janeiro de 2023 8

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%