G1 Mundo

A fotógrafa que registra a agonia de perder a mãe aos poucos para a demência

today12 de janeiro de 2024 7

Fundo
share close

Helen Rimell tem vivido o luto por sua mãe, Susan, desde que ela foi diagnosticada com demência vascular no início de 2015.

Há dois anos, Helen deixou sua vida em Londres para se mudar de volta para o sul do País de Gales e tornar-se cuidadora em tempo integral da mãe, de 75 anos.

Fotojornalista e fotógrafa de casamentos, ela já retratava a mãe há décadas e continuou a fazê-lo, o que resultou em um projeto muito pessoal chamado No Longer Her(e) (em inglês, uma combinação das expressões “não mais ela” e “não mais aqui”).



“Eu estava tentando processar a dor e a perda, pois ela estava se tornando cada vez menos ela mesma”, explica Helen.

“Ela está aqui, mas não está, e é ela mesma, mas não é.”

As imagens capturam o declínio cognitivo de sua mãe em pequenos detalhes do cotidiano em casa. Como o sabão com marca de dentes, de quando a mãe tentou comer a barra, perdendo a capacidade de entender o que é comestível.

Ou o copo quebrado em uma poça de líquido após ela derrubá-lo no chão.

Outras imagens mostram Susan sendo alimentada pela neta, com uma colher, ou ela deitada na cama após já ter esquecido como se vestir.

Antes de receber o diagnóstico de demência, Susan sofreu uma hemorragia cerebral e começou a esquecer os nomes das pessoas e algumas palavras — Foto: HELEN RIMELL

“Ela realmente me entendia”

Helen e sua mãe sempre foram muito unidas.

“Ela era minha melhor amiga, eu contava tudo a ela”, diz Helen.

“Ela era divertida, engraçada, gentil, atenciosa, muito empática, muito compassiva. Foi a única pessoa que realmente me entendeu e me protegeu”, acrescenta.

Em 2010, Susan sofreu uma hemorragia cerebral. E nos anos seguintes começou a esquecer os nomes das pessoas e algumas palavras.

Ao receber o diagnóstico de demência em 2015, a progressão da doença parecia inicialmente lenta.

Marcas de dente deixadas por Susan em um sabonete após tentar comê-lo — Foto: HELEN RIMELL

Helen lembra-se com carinho de uma viagem que fez pela Europa com a mãe em 2018.

“Na época ela estava esquecida, mas ainda era muito divertida, realmente uma grande companhia”, diz ela.

“Ela adorou essa viagem. Todos os dias tomávamos um Aperol spritz ao entardecer”, acrescenta.

Susan e Helen durante viagem pela Europa feita em 2018 — Foto: HELEN RIMELL

Quando a epidemia de covid-19 chegou ao Reino Unido em 2020, Helen foi forçada a passar menos tempo com a mãe e começou a notá-la cada vez mais distante de quem havia sido.

Ela já não reconhecia lugares, às vezes se perdia ao sair de casa e era trazida de volta por policiais.

A casa da infância de Susan – na aldeia de Langland, península de Gower, em Gales – era um lugar ao qual Helen levava a mãe com frequência. E as memórias do lugar foram algumas das últimas a desaparecer.

“Eu a levei lá em fevereiro de 2020 e ela olhou ao redor e não se lembrou; isso para mim foi algo gigante”, conta Helen.

Susan aproveitando o calor do sol — Foto: HELEN RIMELL

Pequenos momentos de felicidade

Durante a pandemia, os cuidadores de Susan deixaram de atendê-la e, em setembro de 2021, Helen decidiu se mudar e cuidar ela mesma da mãe.

“É muito difícil em todos os sentidos: mental, emocional e fisicamente”, diz Helen.

Susan passou por um período de agressividade e violência.

Ela odiava a hora do banho. Ela cravava as unhas, dobrava seus dedos para trás, batia, esbofeteava e lutava com você”, disse Helen.

“No começo ela era realmente maníaca – subindo, descendo, subindo, descendo, subindo, descendo, andando, movendo móveis, arrastando mesas, arrastando móveis por horas todas as noites.”

Ela também brigava por tudo que você fazia com ela, quebrando coisas.

“Ela perambulava por aí se a porta fosse deixada aberta, então era necessário trancá-la”, lembra.

Susan não consegue mais manter uma conversa, não usa talheres e tem incontinência.

Susan precisa de supervisão e apoio constantes — Foto: HELEN RIMELL

Mas há pequenos momentos de felicidade.

“Ela adorava dançar. Você colocava Elvis e ela ficava dançando e dançando na sala – hoje ela ainda bate o pé”, diz Helen.

O que Susan pensaria dessas imagens tão pessoais?

“Nós falamos sobre isso, minha mãe e eu, que eu ia documentar sua doença, documentar nosso relacionamento, sempre foi um plano. Ela disse que era importante”, diz Helen.

“Documentei de forma intermitente desde que eu estava na faculdade. Ela sempre permitiu e sempre me apoiou muito na minha carreira.”

Quando Helen era estudante, ela fez um projeto sobre o transtorno obsessivo-compulsivo (TOC) da mãe, que até posou nua em sua banheira para uma fotografia.

“Nós temos essa relação: ela confia em mim e eu confio nela”, explica Helen.

Susan costuma sentar-se no chão porque tem medo de cair — Foto: HELEN RIMELL

Os últimos anos têm sido muito difíceis para Helen, que tem feito malabarismos para cuidar da mãe e trabalhar.

Ela mantém sua casa em Londres, mas parece um mundo distante.

“Eu costumava dançar swing quatro vezes por semana, mas agora é difícil manter amizades. Não me sinto parte da minha vida em Londres”, diz Helen.

“Parece que não tenho um propósito. Estou presa no limbo enquanto os outros seguem em frente com suas vidas.”

A demência provou ser algo muito diferente do que Helen imaginava antes de se tornar a cuidadora da mãe.

“Eu não sabia realmente o quão ruim era a demência ou como era o final”, conta.

Helen diz ter chorado bastante desde o diagnóstico da mãe — Foto: HELEN RIMELL

“Nos filmes você tem uma velhinha doce sentada em uma casa. Ela esquece seu nome, mas no último minuto ela lembra de como dançar com você e de sua música preferida”.

“Mas não é assim”, lamenta.”Toda a personalidade muda, sem falar em toda a deterioração física, a agressividade e todas as coisas diferentes que vêm junto.”

Apesar de ter de pausar sua própria vida e da dor com que vive diariamente, Helen não tem arrependimentos.

“Eu faria tudo de novo: ela fez isso por mim e eu quero devolver o amor que ela me deu”, diz ela.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

quem-sao-os-houthis,-grupo-rebelde-aliado-do-hamas-que-ataca-navios-no-mar-vermelho

G1 Mundo

Quem são os Houthis, grupo rebelde aliado do Hamas que ataca navios no Mar Vermelho

Nas últimas semanas, militantes do grupo rebelde intensificaram ataques contra os navios comerciais que passam pelo Mar Vermelho em protesto à guerra de Israel contra o Hamas na Faixa de Gaza. Abaixo, saiba mais sobre os houthis, suas ligações com o Irã e sua influência no Mar Vermelho: A organização surgiu em 1990 para combater o governo do então presidente Ali Abdullah Saleh. Liderados por Houssein al Houthi, os primeiros […]

today12 de janeiro de 2024 8 1

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%