G1 Mundo

Abuso de crianças, mortes e danos psicológicos: o que o Senado dos EUA discute sobre a responsabilização das big techs

today2 de fevereiro de 2024 2

Fundo
share close

Em audiência no Senado americano nesta quarta-feira (31), Mark Zuckerberg, pressionado, voltou-se aos pais de crianças afetadas por conteúdos de exploração sexual infantil disponibilizados nas redes sociais e pediu desculpas.

“Desculpe por tudo que vocês passaram. Ninguém deveria passar pelas coisas que suas famílias sofreram.”

A audiência havia começado com com a exibição de um vídeo em que jovens relataram que foram vítimas de crimes sexuais nas redes sociais. E de familiares que falaram sobre a perda de seus filhos e ergueram, silenciosamente, fotos de crianças e adolescentes.



Em entrevista ao podcast O Assunto desta sexta-feira (2), Kelli Angelini, advogada especialista em educação digital e autora do livro “Segredos da internet que crianças e adolescentes ainda são sabem”, diz acreditar que o pedido de desculpas de Zuckerberg “não muda muito o que está por vir”.

“Não é possível saber qual é a intenção efetiva do pedido de desculpas. Se há realmente uma empatia com as famílias que tiveram vítimas, se tem alguma intenção por trás de diminuir a responsabilização ou legislação que vem a responsabilizar.”

Mas que “escancarar” o que está acontecendo com crianças e adolescentes em redes sociais em audiências como essa, nos EUA, alimenta o debate e as discussões sobre o assunto no mundo, inclusive no Brasil.

No Sedado dos EUA, Mark Zuckerberg olha para familiares que levantam fotos de filhos vítimas de abusos e exploração sexual nas redes sociais — Foto: REUTERS/Evelyn Hockstein

“A gente ainda não tem legislações que tratem efetivamente da responsabilização das plataformas digital de um modo geral, especialmente no Brasil, mas o assunto está em debate mundial. […] O que se pede hoje é a adoção de medidas para proteção dessas crianças e adolescentes e quando não adotadas, que elas sejam responsabilizadas pela omissão.”

Para Angelini, é preciso tratar do desamparo de crianças e adolescentes nas redes sociais para que elas estejam efetivamente protegidas de danos à saúde mental e à vida.

“Hoje, o cenário é o seguinte: elas [big techs] estão lucrando com as crianças e adolescentes no uso das redes sociais, É lucrativo para ela.”

Advogada fala a respeito das cobranças para maior proteção de crianças nas redes sociais

Advogada fala a respeito das cobranças para maior proteção de crianças nas redes sociais

Redes sociais são incapazes de proteger crianças e adolescentes, afirma advogada

Redes sociais são incapazes de proteger crianças e adolescentes, afirma advogada

O que você precisa saber:

O podcast O Assunto é produzido por: Mônica Mariotti, Amanda Polato, Carol Lorencetti, Gabriel de Campos, Luiz Felipe Silva, Thiago Kaczuroski e Sarah Resende.

VEJA CORTES DO PODCAST O ASSUNTO EM VÍDEO




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

6-pontos-chave-para-entender-chances-de-trump-voltar-a-casa-branca

G1 Mundo

6 pontos-chave para entender chances de Trump voltar à Casa Branca

Os candidatos oficiais só serão anunciados nas convenções nacionais dos partidos, no meio do ano. Mas analistas e pesquisas de intenção de voto indicam que o presidente Biden não terá problemas para ser o escolhido do Partido Democrata. Biden venceu a primeira disputa entre candidatos do seu partido, ao ganhar com folga a primária de New Hampshire. A próxima votação entre os democratas será no sábado (3) na primária da […]

today2 de fevereiro de 2024 8

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%