G1 Mundo

Acordo entre Israel e Hamas prevê mais reféns libertados

today22 de novembro de 2023 5

Fundo
share close

Uma das cláusulas divulgadas pelo governo israelense estabelece que “a libertação de cada dez reféns adicionais resultará num dia adicional de pausa”. Deixa em aberto, portanto, o tempo que duraria a suspensão das operações no território palestino.

Esta possibilidade acalma, em parte, as famílias dos sequestrados, que pressionam intensamente o governo pela libertação de todo o grupo de 240 retidos em Gaza. Como bem resumiu o colunista David Ignatius, do “Washington Post”, o princípio do acordo é a fórmula “mais por mais”, utilizada nas negociações sobre controle de armas: se o Hamas entregar mais reféns, Israel está disposto a prolongar a pausa.

O jornal “Jerusalém Post” antecipou que o número de libertados nessa primeira fase poderia chegar a 80, calcado no mesmo princípio – o de encorajar novas libertações.



A pausa inicial de quatro dias nos combates começaria amanhã, às 10h (5h em Brasília). A logística é complexa. Israel publicou nesta quarta-feira (22) uma relação de 300 prisioneiros palestinos — mulheres e jovens, que não tenham cometido homicídios. A maioria é formada de adolescentes presos em confrontos na Cisjordânia.

O Tribunal Superior de Justiça avaliará, ainda nesta quarta, qualquer petição contrária à libertação dos presos. Da lista inicial, cabe ao governo selecionar os 150 presos. Os reféns serão soltos em grupos, a cada dia. Israel cedeu à exigência feita pelo chefe do Hamas, Yahya Sinwar, de interromper os voos de drones durante a libertação, por um período de seis horas por dias, para que seus combatentes não sejam monitorados pelos serviços de inteligência.

Nas negociações intermediadas pelo Catar, o grupo palestino alegou não conhecer a localização de todos os reféns, já que parte deles estaria em poder da Jihad Islâmicas e de facções menores ou mesmo, detidos em casas de famílias. O argumento, contudo, não convenceu especialistas de inteligência, que partem da premissa de que o Hamas exerce o controle total sobre o que ocorre na Faixa de Gaza.

O acordo com o grupo palestino conta com a bênção das Forças de Defesa Israelenses, do Mossad e do Shin Bet — as principais agências de inteligência do país —, mas provocou cisão na ala-dura que sustenta o premiê Benjamin Netanyahu.

Seus aliados de extrema direita, como o ministro da Segurança Nacional, Itamar Ben-Gvir, que chamou o acordo de imoral, clamam que a pausa nos combates mostra a fraqueza do governo e dará ao Hamas capacidade de se reorganizar. O fato é que, embora Netanyahu repita que Israel está e continuará em guerra, o premiê acabou cedendo ao que disse que jamais cederia.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

gemeas-identicas-comemoram-aniversario-de-100-anos-juntas-na-inglaterra

G1 Mundo

Gêmeas idênticas comemoram aniversário de 100 anos juntas na Inglaterra

As irmãs se encontraram pela primeira vez depois de anos para uma festa na quinta-feira (16/11) na casa de repouso onde Florence Boycott mora, na cidade de Barnsley. As duas viveram no condado de South Yorkshire durante toda a vida. Na comemoração do centenário, elas ficaram cercadas por amigos e cinco gerações da família. Brown lembra que nem mesmo o pai delas conseguia perceber a diferença entre as gêmeas quando […]

today22 de novembro de 2023 8

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%