G1 Mundo

Adolescente iraniana morre por não usar lenço na cabeça

today28 de outubro de 2023 8

Fundo
share close

A morte de Armita Geravand ocorre depois de ela ter passado semanas em coma em Teerã e após o aniversário de um ano da morte de Mahsa Amini, de 22 anos, que gerou protestos em todo o país na época.

O ferimento de Geravand em 1 de Outubro e agora a sua morte ameaçam reacender a raiva popular, especialmente porque as mulheres em Teerão e noutros lugares ainda desafiam a lei do véu obrigatório, ou hijab, do Irão como um sinal do seu descontentamento com a teocracia iraniana.

A agência de notícias estatal iraniana IRNA noticiou a morte de Geravand, sem notar a agitação mais ampla em torno da lei do lenço de cabeça.



O ferimento de Geravand em 1 de Outubro e agora a sua morte ameaçam reacender a raiva popular, especialmente porque as mulheres em Teerão e noutros lugares ainda desafiam a lei do véu obrigatório, ou hijab, do Irão como um sinal do seu descontentamento com a teocracia iraniana.

O que aconteceu poucos segundos depois de Armita Geravand entrar no trem em 1º de outubro permanece em dúvida. Enquanto uma amiga disse à televisão estatal iraniana que bateu a cabeça na plataforma da estação, a filmagem silenciosa transmitida pela emissora do lado de fora do carro é bloqueada por um espectador. Segundos depois, seu corpo inerte é levado embora.

A reportagem da TV estatal iraniana, no entanto, não incluiu nenhuma filmagem do interior do trem e não ofereceu nenhuma explicação sobre o motivo pelo qual não foi divulgada. A maioria dos vagões do metrô de Teerã possui várias câmeras CCTV, que podem ser visualizadas pelo pessoal de segurança.

Os pais de Geravand apareceram em imagens da mídia estatal dizendo que um problema de pressão arterial, uma queda ou talvez ambos contribuíram para o ferimento da filha.

Ativistas no exterior alegaram que Geravand pode ter sido empurrado ou atacado por não usar o hijab. Exigiram também uma investigação independente por parte da missão de investigação das Nações Unidas sobre o Irão, citando o uso da pressão pela teocracia sobre as famílias das vítimas e o histórico da televisão estatal de transmitir centenas de confissões coagidas.

A Associated Press não foi capaz de confirmar as circunstâncias exatas que causaram os ferimentos de Geravand.

A Organização Hengaw para os Direitos Humanos, que relata abusos na região curda ocidental do Irão e publicou anteriormente uma fotografia de Geravand em coma, renovou no sábado os seus apelos a uma investigação internacional independente, citando “a prática da República Islâmica em ocultar a verdade”.

“Durante os últimos 28 dias, a República Islâmica do Irão tentou distorcer a narrativa do assassinato governamental desta adolescente”, alegou o grupo.

Geravand sofreu o ferimento na estação de metrô Meydan-E Shohada, ou Praça dos Mártires, no sul de Teerã. Rumores sobre como ela sofreu a lesão circularam rapidamente, algo não mencionado pela reportagem da IRNA sobre sua morte no sábado.

“Infelizmente, o dano cerebral sofrido pela vítima fez com que ela passasse algum tempo em coma e ela morreu há poucos minutos”, dizia o relatório da IRNA. “Segundo a teoria oficial dos médicos de Armita Geravand, após uma queda repentina da pressão arterial, ela sofreu uma queda, uma lesão cerebral, seguida de convulsões contínuas, diminuição da oxigenação cerebral e um edema cerebral.”

A lesão de Geravand também ocorreu no momento em que o Irão colocou a sua polícia moral – que os activistas implicam na morte de Amini – de volta às ruas, e enquanto os legisladores pressionam para impor penas ainda mais rigorosas para aqueles que desrespeitam a cobertura da cabeça exigida. A nível internacional, a lesão de Geravand provocou novas críticas ao tratamento dispensado às mulheres pelo Irão e à lei obrigatória do hijab.

Amini morreu em um hospital em 16 de setembro de 2022, depois de ser detida pela polícia moral iraniana sob acusações de uso indevido do hijab. As suspeitas de que ela foi espancada durante a sua detenção levaram a protestos em massa que representaram o maior desafio ao governo teocrático do Irão desde a revolução.

Desde que os protestos em grande escala diminuíram, muitas mulheres em Teerão puderam ser vistas sem o hijab, desafiando a lei.

Entretanto, a activista iraniana detida Narges Mohammadi ganhou o Prémio Nobel da Paz no início deste mês, em reconhecimento da sua incansável campanha pelos direitos das mulheres e pela democracia, e contra a pena de morte. O governo iraniano criticou a atribuição do prémio como um golpe político, sem reconhecer a sua própria campanha de décadas que visa Mohammadi pelo seu trabalho.

O Irão continua pressionado por sanções e enfrenta tensões cada vez maiores com o Ocidente devido ao seu programa nuclear em rápido avanço e à sua ajuda a grupos militantes regionais, incluindo um foco renovado na sua relação com o Hamas após o ataque sem precedentes desse grupo e a guerra com Israel.

Para as mulheres muçulmanas praticantes, cobrir a cabeça é um sinal de piedade diante de Deus e modéstia diante de homens fora de suas famílias. No Irão, o hijab – e o abrangente xador preto usado por alguns – também é há muito um símbolo político, especialmente depois de se tornar obrigatório nos anos que se seguiram à Revolução Islâmica de 1979.

O Irão e o vizinho Afeganistão governado pelos Taliban são os únicos países onde o hijab continua obrigatório para as mulheres.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

carro-cai-em-rio,-e-pedestres-salvam-mulher-e-crianca-que-ficaram-submersas;-video

G1 Mundo

Carro cai em rio, e pedestres salvam mulher e criança que ficaram submersas; VÍDEO

Caso aconteceu na China. Mulher disse que sentiu a água subir rapidamente acima de sua cabeça e que começou a ficar difícil respirar. Carro cai em rio, mas pedestres conseguem salvar mulher e criança submersas na China Uma mulher e uma criança foram salvas por pedestres que pularam no rio após o carro em que elas estavam cair de ré na água. As duas vítimas ficaram presas nas ferragens, mas […]

today28 de outubro de 2023 10

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%