G1 Mundo

Alaska Airlines retira aviões de operação após parte se soltar no ar

today6 de janeiro de 2024 3

Fundo
share close

O Boeing 737 Max 9 da Alaska Airlines retornou a Portland 35 minutos após decolar para a Califórnia, quando uma seção externa, incluindo uma janela, se soltou.

A companhia área informou que 177 passageiros e tripulantes estavam a bordo e que o avião “pousou em segurança”.

A empresa anunciou que vai “temporariamente” retirar todos os seus 65 aviões 737 Max 9 de operação para realizar inspeções.



A Boeing afirmou que está ciente do incidente e está “trabalhando para obter mais informações”.

A Autoridade de Aviação Civil do Reino Unido informou à BBC que está “monitorando a situação de perto”.

O passageiro Diego Murillo, que estava a caminho de Ontario, Califórnia, relatou que a abertura estava “tão larga quanto uma geladeira” e descreveu ter ouvido um “estrondo muito alto” enquanto as máscaras de oxigênio caíam do teto.

Ele disse à KPTV: “Eles disseram que havia uma criança naquela fileira cuja camisa foi arrancada dele e para fora do avião, e a mãe estava segurando-o para garantir que ele não fosse junto.”

Ao anunciar a retirada de operação dos 65 aviões, o CEO da Alaska Airlines, Ben Minicucci, afirmou: “Cada aeronave será reintegrada ao serviço somente após a conclusão de manutenção completa e inspeções de segurança.”

Minicucci elogiou os esforços dos seis membros da tripulação a bordo do voo, que atingiu 16.000 pés (4.876 metros) quando iniciou seu descenso de emergência, conforme dados de rastreamento de voo.

Imagens enviadas para veículos de notícias mostram o céu noturno visível através da abertura na fuselagem da aeronave, com material de isolamento e outros detritos também visíveis.

Ao anunciar a retirada de operação dos 65 aviões, o CEO da Alaska Airlines, Ben Minicucci, afirmou: “Cada aeronave será reintegrada ao serviço somente após a conclusão de manutenção completa e inspeções de segurança.”

Minicucci elogiou os esforços dos seis membros da tripulação a bordo do voo, que atingiu 16.000 pés (4.876 metros) quando iniciou seu descenso de emergência, conforme dados de rastreamento de voo.

Imagens enviadas para veículos de notícias mostram o céu noturno visível através da abertura na fuselagem da aeronave, com material de isolamento e outros detritos também visíveis.

Outras imagens mostram o assento mais próximo à seção afetada, uma poltrona junto à janela que passageiros disseram estar vazia, inclinada para frente sem sua almofada.

“Meu coração está com aqueles que estavam neste voo – sinto muito pelo que vocês passaram”, disse o Sr. Minicucci.

“Sou muito grato pela resposta de nossos pilotos e comissários de bordo.”

Máscaras de oxigênio foram acionadas durante o incidente, que começou a quase 5 mil metros de altura — Foto: ELIZABETH/CBS NEWS

Em um trecho de áudio, a pilota pode ser ouvida conversando com o controle de tráfego aéreo solicitando uma rota alternativa.

“Queríamos descer, se possível”, ela pediu. “Estamos em uma situação de emergência. Estamos despressurizados e precisamos retornar. Temos 177 passageiros.”

De acordo com fotografias, a área afetada estava na terça parte traseira do avião, atrás da asa e dos motores.

A seção da fuselagem envolvida parece ser uma área que pode ser usada como uma porta adicional de saída de emergência por alguns operadores desse tipo de aeronave, mas não pela Alaska.

A Administração Federal de Aviação dos Estados Unidos (FAA) confirmou que o Voo 1282 da Alaska Airlines “retornou em segurança… após a tripulação relatar um problema de pressurização”.

A Boeing afirmou que uma “equipe técnica está pronta para apoiar a investigação”.

A Junta Nacional de Segurança no Transporte confirmou que está investigando o incidente.

O Boeing 737 Max foi descrito como “a aeronave de transporte mais examinada da história” após uma série de problemas de segurança e investigações.

O Max foi retirado de operação em março de 2019 por um ano e meio após dois acidentes do mesmo tipo em circunstâncias semelhantes, resultando na morte dos ocupantes.

O especialista em aviação John Strickland afirmou que o incidente da Alaska Airlines é muito diferente desses acidentes, acrescentando que, desde o retorno do 737 Max ao serviço, ele possui “um enorme histórico de segurança”.

“Embora tenhamos poucas evidências sobre por que essa seção da fuselagem se soltou, isso não tem nada a ver com a aeronave ter ficado fora de operação por 18 meses”, disse ele à BBC News.

“Mas é natural que a Alaska Airlines adote uma abordagem cautelosa ao retirar sua frota de operação, e teremos que ver o que acontece nas próximas horas caso haja mais diretrizes emitidas pela Boeing e pelas autoridades americanas.”

Mais recentemente, a Boeing informou que aumentaria a velocidade das entregas do 737 Max após resolver um erro de fornecimento que exigiu inspeções prolongadas em novas aeronaves e em seu estoque, conforme relatado pela agência de notícias Reuters.

Dados da Boeing mostram que cerca de 1.300 aeronaves 737 Max foram entregues a clientes.

No mês passado, a Administração Federal de Aviação (FAA) pediu às companhias aéreas que inspecionassem os modelos Max em busca de um possível parafuso solto nos sistemas de controle de leme.

Porta abre em voo, e avião faz pouso de emergência nos EUA

Porta abre em voo, e avião faz pouso de emergência nos EUA




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

6-de-janeiro:-o-dia-que-ainda-divide-os-eua,-tres-anos-depois

G1 Mundo

6 de janeiro: o dia que ainda divide os EUA, três anos depois

Enquanto os apoiadores de Trump percorriam os corredores do Congresso e os legisladores fugiam para salas seguras com medo, o país parecia unido no seu desgosto. No entanto, mesmo três anos depois, os acontecimentos fundamentais daquele dia, estabelecidos através de depoimentos de testemunhas oculares, milhares de horas de filmagens, centenas de acusações e uma das mais extensas investigações da história federal e do Congresso, ainda são alvo de discordâncias no […]

today6 de janeiro de 2024 3

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%