G1 Mundo

Alemanha debate proibição de partido de ultradireita que defende deportação em massa de imigrantes

today22 de janeiro de 2024 8

Fundo
share close

Políticos alemães discutem abertamente a possibilidade de apelar ao Tribunal Constitucional para banir o AfD, que entrou no Parlamento em 2017 e está em segundo lugar nas pesquisas nacionais. O partido ganhou força nos estados do Leste do país, sustentado no descontentamento popular pelo alto custo da energia e dos alimentos após a invasão da Rússia na Ucrânia.

O aumento da popularidade encorajou o AfD a ampliar a sua plataforma xenófoba. Uma reunião secreta em novembro, com a participação de proeminentes políticos, neonazistas, ativistas da extrema direita e empresários alemães, vazou este mês pelo site investigativo de notícias Correctiv. A expulsão de imigrantes dominou o debate sobre o plano diretor do partido para um futuro governo.

Vamos devolver os estrangeiros à sua terra natal. É uma promessa. Para mais segurança, mais justiça e para preservar a nossa identidade. Para a Alemanha”, afirmou René Springer, representante da AfD no estado de Brandemburgo, na rede social X.



A direção do partido ficou em cima do muro: Alice Weidel, vice-líder da AfD, tentou demarcar a distância da proposta de deportação em massa, mas sem muita convicção. “É claro que todos os que têm cidadania alemã fazem parte do nosso povo. Mas exatamente por isso que o passaporte alemão não deveria ser açoitado por qualquer pessoa”.

A onda de protestos contra as bandeiras do partido superou o esperado. Multidões expressaram a revolta em aglomerações gigantescas nas principais cidades, que contaram também com a presença de políticos e do chanceler Olaf Scholz e ministros da coalizão de centro-esquerda do governo.

O plano de deportação em massa evoca a era nazista, quando milhões de pessoas foram levadas para campos de extermínio e trabalhos forçados. A ruidosa reação dos alemães e imigrantes a ele renovou os apelos de políticos para banir o partido da vida política do país e foi corroborada nos cartazes exibidos nas ruas: “Nazis, não, obrigado”, “Parece que estamos em 1933, proibição da AfD já!.”

Esta solução é prevista na Constituição e já foi adotada pelo Tribunal Constitucional em duas ocasiões: em 1952, proibindo o Partido Socialista do Reich, e em 1956, contra o Partido Comunista da Alemanha. Sustenta-se no argumento de que partidos que procuram minar a ordem básica da democracia livre devem ser considerados inconstitucionais.

Mas mostra-se complexa em relação ao AfD, que ganhou força e foi legitimado por parte da população, seduzida por propostas populistas enganosas. Em estados como Turíngia, Saxônia e Brandemburgo, no Leste, o partido de ultradireita alcança 30% de popularidade e lidera as pesquisas para as eleições de setembro.

“É um caminho complicado porque contradiz um pressuposto democrático básico, de que o povo escolhe os seus próprios governantes. Governos iliberais, como o da Rússia, de Vladimir Putin, também proíbem partidos e pessoas dissidentes em nome da proteção do Estado”, argumentou o escritor alemão Paul Hockenos à CNN.

Banir o AfD poderia ser um tiro pela culatra, na opinião do vice-ministro de Relações Exteriores, Robert Habeck. Uma tentativa fracassada poderia, segundo ele, causar danos ainda maiores. Os motivos para tanta cautela seriam o de retroalimentar a fúria de seus eleitores e de suas ideias ganharem nova vestimenta.

Manifestantes saem às ruas de Frankfurt para protestar contra a AfD, de extrema-direita — Foto: REUTERS/Kai Pfaffenbach




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

diplomacia-de-lula-analisa-‘fator-trump’:-menos-xerife-do-mundo,-mas-imponderavel-para-os-eua

G1 Mundo

Diplomacia de Lula analisa ‘fator Trump’: menos xerife do mundo, mas imponderável para os EUA

Donald Trump removeu mais uma pedra de seu caminho rumo à disputa pela presidência dos Estados Unidos. Com a saída do governador da Flórida, Ron DeSantis, da corrida interna do partido Republicano pela indicação para a eleição, o governo brasileiro ampliou as análises sobre o que representaria um segundo mandato do ex-presidente na maior potência das Américas. A diplomacia de Lula não traça prognósticos sobre favoritismos para a disputa entre […]

today22 de janeiro de 2024 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%