G1 Mundo

Analistas da Venezuela veem Maduro consolidado e situação complexa no país; Lula discutirá tema em viagem

today29 de fevereiro de 2024 7

Fundo
share close

A partir desta quarta-feira (28), as questões políticas do país voltarão à pauta com a ida do presidente Luiz Inácio Lula da Silva à Guiana, para a cúpula da Comunidade dos Estados do Caribe (Caricom), e a São Vicente e Granadinas, para reunião da Comunidade de Estados Latino-Americanos e Caribenhos (Celac).

Nos dois eventos, a Venezuela promete ocupar boa parte das discussões.

O presidente Nicolás Maduro, no poder desde 2013, trava uma disputa com a Guiana pela região guianense de Essequibo, rica em minérios. Além disso, enfrenta pressão internacional para que realize eleições livres e competitivas em 2024.



Esses assuntos estão interligados – e representam um desafio para o Brasil.

“Maduro, enfraquecido internamente, sempre pode querer unificar o país por meio de um conflito externo”, avalia Alarcón, embora não creia que uma ofensiva militar acabe ocorrendo.

“Mas o regime ameaça e intensifica a presença militar na fronteira e todos precisam ficar atentos a isso. Ninguém, muito menos o Brasil, com seu objetivo de ser líder regional, quer uma guerra. Todos precisarão sentar à mesa e pressionar Maduro”, completou.

O analista político é um dos três ouvidos pelo g1 que seguem vivendo na Venezuela e acompanham de perto a política do país. Os demais são: Luis Salamanca, da Universidade Central da Venezuela (UCV) e ex-reitor do Conselho Eleitoral Venezuelano (CNE) , e Luis Vicente León, presidente do Instituto de Pesquisa Datanalisis.

Os três dão variadas explicações sobre a resistência do chavismo na Venezuela (Maduro é herdeiro político do ex-presidente Hugo Chávez). E pontuam o quanto uma mudança de rumo será difícil.

Maduro expulsa da Venezuela funcionários do escritório de Direitos Humanos da ONU

Maduro expulsa da Venezuela funcionários do escritório de Direitos Humanos da ONU

Desde que Chávez foi eleito, em 1998, a Venezuela passou por amplas transformações econômicas, sociais e políticas — que foram consolidando o poder do governo central sobre praticamente todas as instituições. Com a morte de Chávez, em 2013, seu sucessor, Maduro, que não contava com a mesma popularidade, instituiu uma coalizão que ele mesmo chamou de “cívico-militar”.

Aprofundou a presença de militares no governo, acentuou o autoritarismo, a perseguição de opositores e dos meios de comunicação e conseguiu um feito importante para ele pessoalmente: derrotou opositores internos dentro do próprio chavismo.

Todo esse caldo tornou extremamente difícil o surgimento de uma oposição competitiva e com lideranças claras. “Passou a controlar as instituições e a governar pela força”, explica Alarcón.

A principal opositora, hoje, é Maria Corina Machado, considerada uma “radical de direita”pelo chavismo, que está inelegível por conta por causa de diferentes acusações como corrupção e formação de quadrilha, o que é negado por ela e, segundo grande parte dos especialistas, não têm fundamento legal.

Para Salamanca, o impedimento de Corina , favorita nas pesquisas para derrotar Maduro, já é uma amostra de que a “democracia na Venezuela se converteu em uma outra coisa”.

“Mas há vias abertas, e derrotar Maduro por meio do voto é a melhor saída”, acredita ele, lembrando que o regime vem aguentando e sobrevivendo “às pressões internacionais ao longo dos anos”.

Salamanca entende que, mesmo que Corina realmente não concorra, possa haver surpresas. Corina pode indicar outros nomes que sejam competitivos.

Para Alarcón, o governo “nunca esteve tão mal”. Uma prova, diz ele, são atitudes como a recente prisão da ativista Rocío San Miguel. “A oposição estando mais forte faz Maduro radicalizar para o outro lado”. Segundo ele, hoje 85% das pessoas na Venezuela gostariam de mudança – 40% destas se declaram chavistas.

Presidente Lula se reunirá com o presidente da Guiana em Essequibo

Presidente Lula se reunirá com o presidente da Guiana em Essequibo

Já Salamanca avalia que Lula e o presidente colombiano Gustavo Petro, que têm boa interlocução e vínculos históricos com o chavismo, podem ajudar a abrir caminhos de negociação “convencendo Maduro e a elite chavista da necessidade de mudança”. “Uma saída pacífica para a crise interessa muito ao Brasil e à América Latina. Lula poderia aconselhar Maduro”.

Luis Vicente León, no entanto, analisa que o governo de Maduro se tornou tão forte e arraigado dentro da sociedade que essas negociações são extremamente complexas porque “o custo da saída de Maduro é muito alto para a dita revolução bolivariana”.

Ao lado do presidente da Venezuela, Lula diz para a imprensa que Maduro não é um homem mau

Ao lado do presidente da Venezuela, Lula diz para a imprensa que Maduro não é um homem mau

“Há muitas forças dentro dessa autocracia venezuelana. Para que você imagine uma transição entre concentração de poder e democracia, você precisa analisar duas variáveis: o custo de saída do líder e o custo de permanência dele”, afirmou.

“Maduro só permitiria negociar se seu custo de permanência fosse muito alto e o de saída muito baixo. Mas o custo para ele sair é alto e a oferta é pobre”, avalia León. “A discussão sobre desejos da maioria da população, justiça ou democracia é acadêmica. Empiricamente, é vazia”, completou.

Para o analista, uma Venezuela pós-chavista só poderá ocorrer após uma negociação política real, em que ambos os lados reconheçam a força de seus adversários e entrem num acordo para uma transição lenta e compartilhada, que deem aos chavistas, por exemplo, “possibilidade de saírem sem serem perseguidos”. “Caso contrário, o que fará eles quererem sair”?, indaga. León não vê lideranças de nenhum dos lados ainda com essa capacidade de diálogo.

“Não gosto de dizer isso, mas a saída talvez não ocorra este ano. O que resta é que a oposição se mantenha ativa, jogando as regras do adversário e torcendo para que ele cometa erros”, avalia.

O país vem dando sinais de uma modesta, porém existente, recuperação econômica. Houve, segundo o especialista, de três anos para cá, um “distensionamento” com o setor privado e certas flexibilizações econômicas que melhoraram a vida no país. E se o chavismo foi bem sucedido em algo foi na sua capacidade de mobilização dos setores mais necessitados da sociedade e na propaganda com a ajuda dos dólares do petróleo. “Ou seja, a solução pode ser a longo prazo”, resume León.

Para Alarcón, “o governo Maduro não se sustenta pelo apoio popular e sim institucional. Mesmo num cenário pós-chavismo, será muito difícil reconstruir o país”.

Com mais de 7 milhões de pessoas tendo deixado a Venezuela nos últimos anos, o que faz cidadãos como os três especialistas ficarem no país?

“Muita gente acabou ficando presa aqui. A perda patrimonial é imensa. Uma casa que valia US$ 400 mil dólares hoje vale US$ 180 mil, e não tem ninguém querendo comprá-la”, conta Salamanca.

“Além do mais, amigos, família e trabalho ainda existem aqui. Se todos vamos, deixamos o país para eles [regime de Maduro]. E não estaremos aqui para ver as mudanças e nem recuperar a democracia”, diz Alarcón.

“Meu trabalho depende de eu estar aqui. E não é verdade que tudo se acabou. Tem gente investindo, produzindo, tem a indústria petroleira, há um exagero nesse discurso, por mais que o governo seja um desastre. É meu país e não quero sair”, finaliza León.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

ex-apresentador-preso-por-trafico-era-conhecido-como-‘vovozinho’-e-principal-fornecedor-de-grupo-criminoso

G1 Santos

Ex-apresentador preso por tráfico era conhecido como ‘Vovozinho’ e principal fornecedor de grupo criminoso

Segundo o delegado Fabiano Barbeiro, da Divisão Especializada de Investigações Criminais (Deic), Carrião foi detido com mais oito suspeitos de envolvimento com o tráfico de drogas na região, em uma operação chamada 'Dama de Ferro'. A Polícia Civil estabeleceu essa operação com o objetivo de prender o grupo, identificado em uma investigação que começou após a prisão de duas mulheres em Santos, no início de fevereiro. A dupla, ainda de […]

today29 de fevereiro de 2024 10

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%