G1 Mundo

Ano de 2023 foi ‘terrível’ para direitos humanos, denuncia Human Rights Watch

today12 de janeiro de 2024 4

Fundo
share close

Em documento de 700 páginas que abrange mais de 100 países, a organização descreve o “imenso sofrimento” causado pela guerra entre Israel e o Hamas, a guerra entre os dois generais rivais no Sudão e os conflitos em curso na Ucrânia, em Mianmar, na Etiópia e no Sahel.

“Em 2023, a população civil foi alvo de ataques e assassinatos em uma escala sem precedentes na história recente de Israel e da Palestina”, observa o relatório.

O documento acusa por “crimes de guerra” tanto o Hamas e seus ataques de 7 de outubro contra Israel, quanto as forças israelenses por suas represálias contra a Faixa de Gaza.



Em relação a Gaza, “um dos maiores crimes cometidos é o castigo coletivo” de todos os civis, “o que equivale a um crime de guerra”, assim como o fato de “matar (a população) de fome”, afirma a responsável da HRW, Tirana Hassan, em entrevista à AFP.

Soldados de Israel em Gaza. África do Sul apresentou queixa em tribunal internacional e aponta possível crime de genocídio — Foto: Israel Defense Forces/Handout via Reuters

A Human Rights Watch também condena as “violações maciças” dos direitos dos civis no Sudão cometidas por parte dos generais rivais Abdel Fattah al Burhan e Mohamed Hamdan Daglo, e critica a “impunidade” que levou a “repetidos ciclos de violência” no país nos últimos 20 anos.

Além dos conflitos armados, a Human Rights Watch identificou várias tendências que marcam a “erosão dos direitos humanos”, quando se acaba de celebrar o 75º aniversário da Declaração Universal dos Direitos Humanos da ONU.

“Foi um ano terrível não só pela repressão dos direitos humanos e das atrocidades da guerra, mas também pela raiva seletiva dos governos e pela diplomacia transacional que faz aqueles, cujos direitos são excluídos, pagarem o preço”, diz o relatório.

Este comportamento envia “a mensagem de que a dignidade de alguns merece ser protegida, mas não a de todos, de que algumas vidas valem mais que outras”.

Uma situação que a diretora da ONG resume em uma palavra: “Hipocrisia”.

Hipocrisia por parte dos países ocidentais “que fazem vista grossa às violações dos direitos humanos, sejam em nível nacional, ou internacional, apenas para promover sua própria agenda”.

O relatório critica a União Europeia (UE), em particular, cuja “prioridade na política externa com seus vizinhos do Sul continua sendo conter a todo o custo a saída de migrantes em direção à Europa, perseverando em uma abordagem fracassada que expôs a erosão dos compromissos do bloco com direitos humanos”.

Outro alvo dessa política de “dois pesos e duas medidas” é a diferença entre a “condenação rápida e justificada” de muitos países dos atentados do Hamas de 7 de outubro e as respostas “muito mais comedidas”, especialmente dos Estados Unidos e da UE, aos bombardeios israelenses sobre Gaza.

Ou a falta de condenação da “intensificação da repressão” na China, especialmente em Xinjiang e no Tibete, ou o tratamento dispensado aos imigrantes pelo México, para impedir que entrem nos Estados Unidos.

O presidente dos Estados Unidos, Joe Biden, permaneceu, “em grande parte, em silêncio, enquanto (Andrés Manuel) López Obrador tentou minar a independência do sistema judicial e de outros órgãos constitucionais, demonizou jornalistas e ativistas de direitos humanos e permitiu bloquear a prestação de contas de tais abusos horríveis”, acrescenta o texto.

Sistema de direitos humanos ameaçado

Neste contexto, a Human Rights Watch descreve um sistema internacional de direitos humanos “ameaçado”. Mas não quebrado.

Tirana Hassan, diretora da Human Rights Watch — Foto: Angela Weiss/AFP

“Também vimos que as instituições podem se mobilizar para resistir e contra-atacar”, afirma Tirana Hassan, referindo-se, em especial, ao mandado de prisão emitido pelo Tribunal Penal Internacional contra o presidente russo, Vladimir Putin.

“O sistema de direitos humanos continua aí. A única coisa que nos falta é o compromisso, a coerência e a vontade política dos Estados que compõem o sistema e dão vida aos direitos humanos”, disse, insistindo na necessidade de se fazer melhor em 2024, quando uma grande parte da população mundial, dos Estados Unidos à Rússia, irá às urnas.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

caos-no-equador:-criminosos-mantem-178-agentes-refens-em-penitenciarias,-diz-governo

G1 Mundo

Caos no Equador: criminosos mantêm 178 agentes reféns em penitenciárias, diz governo

Desde que a crise começou, na segunda-feira (8), o sequestro de agentes que trabalham em presídios foi uma das primeiras ações dos criminosos, em retaliação ao governo equatoriano, que enviou milhares de policiais para caçar Adolfo Macías, conhecido como Fito e líder da facção criminosa Los Choneros, que fugiu da prisão no domingo (7). Segundo um balanço divulgado nesta quinta-feira pelo governo, 39 funcionários de presídios foram sequestrados ao longo […]

today12 de janeiro de 2024 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%