G1 Mundo

Ao assumir presidência do Mercosul, Lula defende resposta ‘rápida e contundente’ para acordo com União Europeia

today4 de julho de 2023 6

Fundo
share close

“O Instrumento Adicional apresentado pela União Europeia em março deste ano é inaceitável. Parceiros estratégicos não negociam com base em desconfiança e ameaça de sanções. É imperativo que o Mercosul apresente uma resposta rápida e contundente”, afirmou no discurso.

As declarações foram feitas durante a cúpula do bloco, em Puerto Iguazú, na Argentina. O Brasil assume a presidência rotativa do grupo — formado ainda por Argentina, Paraguai e Uruguai— por seis meses.

No discurso, o presidente brasileiro também citou acordos com Canadá, Coreia do Sul e Singapura, e voltou a defender uma moeda comum para transações entre países do Mercosul. Disse ainda que o grupo precisa retomar “protagonismo” e que a presidência no bloco é uma “etapa essencial” para o “reencontro” do Brasil com a América do Sul (veja mais abaixo).



Acordo com a União Europeia

O presidente brasileiro disse que o Mercosul não tem interesse “em acordos que nos condenem ao eterno papel de exportadores de matérias-primas, minérios e petróleo”. No entanto, disse estar “comprometido” em concluir as negociações com o bloco europeu.

Cúpula do Mercosul: agenda brasileira quer destravar acordo do bloco com União Europeia

Cúpula do Mercosul: agenda brasileira quer destravar acordo do bloco com União Europeia

“Estou comprometido com a conclusão do acordo com a União Europeia, que deve ser equilibrado e assegurar o espaço necessário para adoção de políticas públicas em prol da integração produtiva e da reindustrialização”, afirmou.

“Partindo dessas premissas, vamos revisar e avançar nos acordos em negociação com Canadá, Coreia do Sul e Singapura. Vamos explorar novas frentes de negociação com parceiros como a China, a Indonésia, o Vietnã e com países da América Central e Caribe”, afirmou.

G1 explica: a moeda comum que o governo brasileiro propôs para a América do Sul

G1 explica: a moeda comum que o governo brasileiro propôs para a América do Sul

Lula também voltou a defender a adoção de uma moeda comum, que não o dólar, para transações comerciais entre países do Mercosul. Segundo o presidente, o motivo é diminuir o impacto que as flutuações da moeda norte-americana nos países da América do Sul.

“A adoção de uma moeda comum para realizar operações de compensação entre nossos países contribuirá para reduzir custos e facilitar ainda mais a convergência”, afirmou.

“Falo de uma moeda de referência específica para o comércio regional, que não eliminará as respectivas moedas nacionais”, continuou.

Integração e retomada de ‘protagonismo’

Lula disse que assumir a presidência do Mercosul é uma “etapa essencial do reencontro do Brasil com a região”. Citando o ex-presidente do Uruguai, Pepe Mujica, o petista afirmou que “nossa integração vai bem além do que um projeto estritamente comercial”.

“É preciso recuperar uma agenda cidadã e inclusiva, de face humana, que gere benefícios tangíveis para amplos setores de nossas sociedades”, disse.

Além de uma aproximação maior entre os países integrantes, Lula disse que “combater o ressurgimento do protecionismo no mundo, implica resgatar o protagonismo do Mercosul” na Organização Mundial do Comércio”.

Pelas regras do Mercosul, criado em 1991, os quatro países titulares se revezam na presidência do bloco com mandatos que duram seis meses.

Além dos países-membros, também existem os chamados Estados associados ao bloco, entre os quais Colômbia, Bolívia e Chile.

A reunião desta terça encerrou o mandato do governo argentino, que decidiu realizar a cúpula na região da tríplice fronteira com Brasil (Foz do Iguaçu) e Paraguai (Cidade do Leste).




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

otan-prorroga-mandato-de-stoltenberg-como-secretario-geral-ate-2024

G1 Mundo

Otan prorroga mandato de Stoltenberg como secretário-geral até 2024

O anúncio aconteceu uma semana antes de uma reunião de cúpula crucial na Lituânia, que examinará a adesão da Ucrânia. "Honrado pela decisão dos aliados da Otan de estender meu mandato como secretário-geral até 1º de outubro de 2024", tuitou Stoltenberg, de 64 anos. "Os vínculos transatlânticos entre Europa e América do Norte garantiram nossa liberdade e segurança durante quase 75 anos e, em um mundo mais perigoso, nossa Aliança […]

today4 de julho de 2023 4

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%