G1 Mundo

Após campanha marcada por assassinatos, Equador vai às urnas para escolher um novo presidente

today20 de agosto de 2023 13

Fundo
share close

A votação no país começou às 9 horas da manhã, horário de Brasília, com previsão de encerramento para as 19h, horário de Brasília.

Villavicencio foi assassinado por atiradores na saída de um comício na cidade de Quito. A polícia prendeu seis suspeitos de terem cometido o crime, e um sétimo morreu em uma troca de tiros. Todos os suspeitos são colombianos.

A candidatura da vítima foi assumida por um amigo, Christian Zurita. O nome de Villavicencio vai aparecer nas cédulas, mas os eleitores serão avisados que o voto será para Zurita. Pela legislação equatoriana, a candidata a vice, Andrea González, não poderia assumir a cabeça de chapa.



Christian Zurita, candidato presidencial equatoriano, sai de seção após votar a eleição presidencial, em Quito, no Equador — Foto: Henry Romero/Reuters

Zurita compareceu à seção eleitoral com forte esquema de segurança, usando um capacete e colete de proteção. A candidata presidencial Luisa Gonzalez também já registrou seu voto ainda pela manhã.

A candidata presidencial equatoriana Luisa Gonzalez caminha para seção eleitoral durante a eleição presidencial neste domingo (20) — Foto: Santiago Arcos/Reuters

Além do assassinato do candidato Villavicencio, houve outros registros de violência:

A violência foi o grande tema da campanha. Gustavo Menon, professor da Universidade Católica de Brasília e autor do livro “A Revolução Cidadã no Equador” afirma que o que está em jogo “é a capacidade do governo equatoriano de controlar seu território, seu Estado”.

As pesquisas feitas antes do crime apontavam um grande favoritismo da esquerda, mas depois do assassinato, as pesquisas indicam o crescimento da direita (veja mais abaixo o que dizem as pesquisas).

Salvador Schavelzon, professor do programa de integração latino-americana da USP e professor da Unifesp, afirma que se já é difícil saber o que acontecerá em uma votação em um período normal, o cenário atual do Equador, com uma onda de crimes, é ainda mais imprevisível.

Veja neste texto os seguintes temas

  • Por que o Equador está votando agora?
  • Quais são as principais forças políticas no país?
  • O que aconteceu com a candidatura de Villavicencio, que foi assassinado?
  • Quem são os principais candidatos no páreo?
  • O que dizem as pesquisas?

Morte no Equador: dois políticos foram assassinados em menos de 1 semana

Morte no Equador: dois políticos foram assassinados em menos de 1 semana

Por que o Equador está votando em eleições antecipadas?

Há cerca de três meses, o atual presidente, Guillermo Lasso, enfrentava um processo de impeachment, o primeiro na história recente do Equador. Com uma base frágil no Legislativo, ele resolveu dissolver o Congresso e convocar novas eleições. A dissolução da Assembleia Nacional e convocação de novas eleições presidenciais chama-se morte cruzada.

Lasso tinha sido eleito em abril de 2021, e o partido dele havia conquistado 12 cadeiras no Parlamento. O correísmo, a principal força de esquerda no país, tinha 48 deputados.

Ele até poderia se candidatar nas eleições que ele mesmo antecipou, mas preferiu ficar de fora.

Quais são as principais forças políticas no país?

  • Correismo
  • Voto indígena
  • Direita

O correísmo é a corrente política ligada ao ex-presidente Rafael Correa, que foi condenado e vive no exílio. Gustavo Menon, da Universidade Católica de Brasília, define o correísmo como um ideario de esquerda que esteve no poder entre 2007 e 2017, adotou uma nova Constituição e apostou em empresas estatais para impulsionar a economia.

Como o próprio Correa não pode concorrer, a força política aparece nas urnas com aliados. Em 2021, foi Andrés Arauz. Dessa vez, a cadidata do correísmo é Luisa Gonzáles.

Menon afirma uqe ainda que a corrente não tenha um partido organizado, é a força política determinante no país: muitas candidaturas se definem como anticorreístas.

A partir da década de 1990, os indígenas do Equador se organizaram politicamente. Há uma confederação de diferentes grupos, chamada Conaie, que tem um partido, o Pachacuti.

A representatividade desses grupos é suficientemente significativa para a própria denominação do país, que é um Estado Plurinacional –ou seja, um país que admite que contém diversas nações.

Nessas eleições há um candidato indígena, Yaku Perez, que defende pautas políticas associadas ao conservacionismo e a defesa dos povos originários. No entanto, isso não significa que ele conseguiu convencer a maioria dos eleitores indígenas neste domingo, afirma SALVADO. “A dinâmica do voto indígena é multifacetada e envolve influências variadas, como o histórico do movimento indígena, a importância da representatividade indígena e a preferência por candidatos ligados ao movimento”.

Salvador diz que “No contexto latino-americano, a presença política indígena equatoriana se destaca como algo singular.

Nessas eleições há diversas candidaturas de direita, e os candidatos desse campo têm perfis diferentes, afirma Gustavo Menon. Há um presidenciável de uma família tradicional, um outro que foi vice-presidente e busca se colocar como um moderado e um empresário com o discurso de renovação da política. No entanto, são forças que devem se aglutinar em torno de um só nome na reta final –aparentemente, Jan Topic, que é de uma candidatura muito competitiva, segundo Menon.

Segundo Salvador, assim como em outros países latino-americanos, candidatos de direita têm sido mais vocais ao defender princípios conservadores. O atual presidente de El Salvador, Nayib Bukele, que governa em um estado de regime de exceção permanente, é um exemplo para alguns dos candidatos de direita no Equador.

Luisa Gonzalez, uma advogada de 45 anos, prometeu restaurar os programas sociais implementados por Rafael Correa. Ela faz campanha relembrando as políticas populares de saúde e educação de Correa e afirma que planeja “recuperar a pátria”.

Gonzalez liderava as pesquisas com cerca de 30% de intenção de voto, embora nenhuma pesquisa tenha sido feita após o assassinato de Villavicencio. Ela nega que perdoaria Correa, condenado por corrupção.

Perez, um ambientalista indígena, ficou em terceiro lugar na eleição de 2021. Ele tem como proposta o combate às mudanças climáticas e tornar a agricultura, não o petróleo, a base econômica do Equador.

Ele é contrário à exploração de petróleo na Amazônia e à mineração em florestas próximas. Com 54 anos, promete melhorar programas sociais e segurança.

Empresário e economista de 40 anos, Sonnenholzner busca trazer “paz, dinheiro e progresso”. Sua passagem como vice-presidente do ex-presidente Lenin Moreno pode afetar sua imagem de um político que busca renovação.

Ele afirma que suas prioridades são segurança, empregos por investimento privado e crescimento sustentável.

Topic, um empresário de 40 anos, é outro que promete focar seus esforços como presidente na segurança, inspirado em Bukele de El Salvador.

Ele defende usar tecnologia para combater o crime. Ele não tem experiência política e tenta se distanciar de acusações de abusos aos direitos humanos de Bukele.

O candidato original dessa chapa era Fernando Villavicencio, que foi assassinado. Zurita, que era jornalista, afirma que vai lutar contra a corrupção e fortalecer a polícia.

Assim como Villavicencio, ele e Rafael Correa são adversários.

As cédulas mostrarão o nome de Villavicencio, mas os votos contarão para seu substituto.

De acordo com o agregador de pesquisas da AS/COA, a candidata Luisa Gonzáles lidera as pesquisas, mas ela está em queda nos últimos dias. Jan Topic, o segundo colocado, ganhou embalo no mês de agosto.

  • Luisa Gonzales: 24,9
  • Jan Topic: 21,7
  • Christian Zurita (Fernando Villavicencio): 14,5
  • Otto Sonnenholzner: 8,2
  • Yaku Perez: 5,8




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

prefeitura-e-santos-fc-fazem-mutirao-de-multivacinacao-nesta-segunda-feira

G1 Santos

Prefeitura e Santos FC fazem mutirão de multivacinação nesta segunda-feira

Ação ocorrerá no Memorial de Conquistas do clube, das 10h às 18h, e vai imunizar contra a gripe e Covid-19. Para ser vacinado é necessário levar documento com foto, comprovante de residência e carteira de vacinação. Santos FC e Departamento de Saúde Municipal realizam mutirão de multivacinação no litoral de SP — Foto: Prefeitura de Santos Um mutirão de multivacinação contra a gripe e Covid-19 será realizado, na segunda-feira (21), […]

today20 de agosto de 2023 12

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%