G1 Mundo

Após morte de Navalny, EUA anunciam sanções econômicas à Rússia; medida atinge vice-diretor de presídio onde opositor russo estava quando morreu

today23 de fevereiro de 2024 8

Fundo
share close

Valery Boyarinev, vice-diretor do serviço penitenciário que administra a remota prisão do Ártico onde Navalny morreu, também está entre as pessoas impactadas pela sanção.

A medida também é uma retaliação à Rússia pela invasão à Ucrânia, em 2022, segundo o Departamento do Tesouro americano. O conflito faz dois anos neste sábado (24).

“As sanções garantirão que Putin pague um preço ainda mais alto por sua agressão no exterior e repressão interna”, disse o presidente Joe Biden.



Sanções econômicas são medidas usadas por países contra outras nações, regimes políticos ou empresas. Na prática, variam de embargos até a proibição de transações comerciais.

O pacote de sanções anunciado mira o setor financeiro e o complexo militar-industrial russo, com mais de 500 empresas e pessoas ligadas ao país. As punições abrangem o sistema de pagamento estatal russo, instituições financeiras do país, a base industrial militar russa e fontes de energia renováveis do país.

Esposa de Navalny promete continuar trabalho de Alexei Navalny contra o governo russo

Esposa de Navalny promete continuar trabalho de Alexei Navalny contra o governo russo

Segundo ordem executiva do governo americano, as sanções econômicas incluem o bloqueio de todos os bens das empresas e pessoas na lista que estejam nos Estados Unidos, além de proibir a abertura e dificultar a manutenção de contas no país.

Foram atingidas pelas medidas duas das maiores empresas russas em termos de receita, a SUEK e a Mechel, segundo o jornal americano “The New York Times”. A SUEK atende o exército russo por meio de suas operações de transporte e logística, enquanto a Mechel é uma grande produtora de aços especiais.

As medidas também miram o setor financeiro da Rússia, com sanções à empresa de capital aberto National Payment Card System, que opera o sistema de pagamento nacional russo, o Mir. Esse método de pagamento passou a ser o mais utilizado na Rússia desde o início da guerra contra a Ucrânia porque permitia ao país continuar as atividades econômicas mesmo com sanções anteriores do Ocidente.

O pacote de sanções anunciado pelos EUA nesta sexta é uma parceria do governo norte-americano com a União Europeia e a Grã-Bretanha e é o maior desde o início da guerra na Ucrânia.

Os Estados Unidos também sancionaram entidades sediadas na China, Turquia, Emirados Árabes Unidos, Cazaquistão e Liechtenstein por estarem ligadas ao fornecimento de insumos para o exército russo.

Rússia considera sanções ‘ilegais’

Em comunicado divulgado pela agência de notícias russa Tass, o ministro das Relações Exteriores russo, Sergei Lavrov, disse que o governo considera o pacote de sanções ilegal, por violar prerrogativas do Conselho de Segurança da ONU (Organização das Nações Unidas), mas sem especificar quais.

“A União Europeia continua suas tentativas infrutíferas de pressionar a Rússia por meio de medidas restritivas unilaterais. Consideramos tais ações ilegais, minando as prerrogativas legais internacionais do Conselho de Segurança da ONU. Confirmamos que quaisquer ações hostis adotadas pelo Ocidente continuarão a receber uma resposta oportuna e adequada”, disse Lavrov.

Como resposta, o governo russo expandiu a lista de pessoas proibidas de entrar no país, incluindo representantes do Conselho da Europa, e membros de assembleias legislativas dos países da União Europeia, da Assembleia Parlamentar da OSCE (Organização para a Segurança e Cooperação na Europa) e da Assembleia Parlamentar do Conselho da Europa, mas não especificou quem são.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

fossil-revela-‘dragao’-de-240-milhoes-de-anos

G1 Mundo

Fóssil revela ‘dragão’ de 240 milhões de anos

A criatura remonta a 240 milhões de anos e foi apelidada de "dragão" devido ao seu pescoço extremamente longo. O Dinocephalosaurus orientalis foi originalmente identificado em 2003. 🐲 Mas a descoberta de um novo fóssil da espécie permitiu aos cientistas ver toda a anatomia desta fera pré-histórica. O paleontólogo Nick Fraser, do Museus Nacionais da Escócia, que fez parte da equipe internacional que estudou o fóssil, disse que esta foi […]

today23 de fevereiro de 2024 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%