G1 Mundo

Ataque ‘limitado’ atribuído a Israel no Irã serve para baixar temperatura no conflito, dizem analistas

today19 de abril de 2024 6

Fundo
share close

Isso porque o ataque atribuído a Israel foi pequeno, e o Irã não deu sinais de que irá retaliar.

A comunidade internacional teme que décadas de tensões entre Israel e o Irã se transformem em um confronto direto, tendo como pano de fundo a guerra entre o Exército israelense e o grupo terrorista Hamas, apoiado por Teerã, na Faixa de Gaza.

Segundo autoridades americanas citadas por várias emissoras do país, as explosões registradas nesta sexta-feira no centro do Irã são uma resposta de Israel aos ataques lançados por Teerã contra o território israelense no sábado (13).



Israel prometeu responder ao ataque sem precedentes do Irã, realizado com cerca de 300 mísseis e drones, cuja maioria foi interceptada. Nenhuma autoridade do país se manifestou sobre o que houve no Irã até a última atualização desta reportagem.

Nesta sexta-feira, o Irã parecia querer atenuar a situação, salientando que o suposto ataque israelense não envolveu mísseis e que as suas instalações nucleares estavam seguras.

“Parece que estamos em um ponto em que ambos os lados procuram romper o atual ciclo de escalada, com Israel executando um ataque muito limitado para demonstrar que respondeu aos ataques iranianos, e Teerã rapidamente minimizando o incidente para não ser forçado a responder”, afirmou Julien Barnes-Dacey, do Conselho Europeu de Relações Internacionais, um think tank, à AFP.

Guga Chacra: explosões no Irã são 'escalada calibrada' de conflito no Oriente Médio

Guga Chacra: explosões no Irã são ‘escalada calibrada’ de conflito no Oriente Médio

Também à AFP, Hasni Abidi, do Centro de Estudos e Pesquisa sobre o Mundo Árabe e Mediterrâneo, com sede em Genebra, afirmou que os dois ataques iranianos e israelenses foram “quase simétricos”, o que poderá levá-los a pensar que podem deixar por isso mesmo.

“O ataque israelense atingiu uma base aérea que havia sido usada como plataforma para lançar mísseis e drones contra Israel na semana passada”, disse. E “os israelenses tiveram o cuidado de não atingir posições nucleares importantes na mesma província, em Isfahan”, disse.

Sem interesse na escalada

A situação pode apaziguar Teerã, que “não tem interesse em que esta tensão continue”, uma vez que a sua “prioridade absoluta” é continuar com o seu programa nuclear, essencial para a sobrevivência do regime, disse Abidi.

Durante o seu ataque a Israel no fim de semana passado, o Irã também foi capaz de avaliar “as capacidades de defesa aérea de Israel”, assim como a mobilização “sem precedentes” dos Estados Unidos e, mais amplamente, do campo ocidental ao qual se juntou a Jordânia, acrescentou.

Jonathan Lord, diretor do programa de segurança do Oriente Médio do CNAS (centro para uma nova segurança americana, na sigla em inglês), afirmou à Reuters que há uma série de alvos que, se quisesse, Israel poderia ter atingido nas proximidades de Isfahan.

“A instalação nuclear de Natanz está próxima, assim como instalações de produção para drones e outras capacidades avançadas de mísseis balísticos. Eles escolheram este alvo provavelmente porque não era nenhum daqueles e poderia demonstrar que, embora Israel reserve o direito de atacar esses alvos mais sensíveis, eles não o fariam esta noite”.

O Irã lançou mais de 350 projéteis contra Israel no fim de semana. Quase todos eles foram interceptados.

Embora existam sinais que apontam para uma desescalada, os especialistas preferem permanecer cautelosos e indicam que há incerteza em torno dos objetivos de Israel.

“Na minha opinião, Israel está em uma lógica de escalada e não de desescalada”, disse Agnès Levallois, do Instituto de Pesquisa e Estudos sobre o Mediterrâneo e o Oriente Médio.

“Atacar o Irã é uma forma de obter um apoio internacional muito maior”, analisou, referindo-se ao fato de alguns países árabes acreditarem que Teerã e o seu programa nuclear são por si só um fator de desestabilização regional.

A especialista destacou ainda a natureza imprevisível do primeiro-ministro israelense, Benjamin Netanyahu, cujo governo decidiu responder ao ataque iraniano apesar das advertências de Washington.

“Há coisas que parecem óbvias e razoáveis, mas no terreno temos um ator (…) que toma decisões que parecem ir contra os próprios interesses de Israel”, disse à AFP.

Israel também intensificou os seus ataques contra o movimento pró-iraniano libanês Hezbollah no sul do Líbano, o que poderia levar este último a querer “reparar a indignação causada ao Irã”, cujos vários oficiais foram recentemente mortos por Israel.

“A situação regional como um todo permanece incrivelmente febril, com o confronto entre estes dois países mais direto do que nunca”, declarou Julien Barnes-Dacey.

Em um cenário mais otimista, Agnès Levallois acredita ser possível que os Estados Unidos tenham aceitado que Israel respondesse desta forma, para evitar uma reação mais forte.

Porque, segundo ela, “os riscos são muito grandes” para os Estados Unidos, para os países do Golfo e para o próprio Israel.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

tartaruga-encontrada-presa-em-rede-de-pesca-e-devolvida-ao-mar-apos-sete-meses-de-tratamento-no-litoral-de-sp;-video

G1 Santos

Tartaruga encontrada presa em rede de pesca é devolvida ao mar após sete meses de tratamento no litoral de SP; VÍDEO

Uma tartaruga-verde (Chelonia mydas) foi devolvida ao mar após meses em reabilitação em Guarujá, no litoral de São Paulo (assista acima). Conforme apurado pelo g1 nesta sexta-feira (19), o animal foi resgatado pelo Instituto Gremar após ser encontrado encalhado e preso a uma rede de pesca em Santos, também no litoral paulista. De acordo com o Instituto Gremar, a tartaruga precisou de sete meses de tratamento, pois apresentava plástico nas […]

today19 de abril de 2024 9

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%