G1 Mundo

Berlim investiga suposto envenenamento de exiladas russas

today22 de maio de 2023 5

Fundo
share close

A abertura da investigação foi confirmada após o jornal alemão Welt am Sonntag ter informado – citando informações do grupo independente russo de jornalismo investigativo Agentstvo – que duas mulheres relataram sintomas de possível envenenamento.

O inquérito está a cargo de uma unidade policial especializada em casos relacionados com terrorismo ou crimes de motivação política, disse à agência AFP um porta-voz da polícia de Berlim. “Uma investigação foi aberta”, informou, recusando-se a fornecer mais detalhes, citando sigilo das apurações.

Jornalista e ativistas se sentiram mal



A mídia informou que uma das mulheres é jornalista, que havia deixado a Rússia recentemente, e que seus sintomas podem já ter aparecido antes do encontro de dissidentes, realizado nos dias 29 e 30 de abril. Ela foi atendida no hospital universitário Charité em Berlim.

A segunda participante citada foi Natalia Arno, diretora da ONG Fundação Rússia Livre nos Estados Unidos, onde mora há 10 anos após deixar a Rússia. Arno confirmou o incidente no Facebook, dizendo que inicialmente pensou que tivesse sendo afetada pelo jet lag e pela fadiga quando se sentiu mal em Berlim.

Posteriormente, ela viajou para Praga, onde encontrou a porta do quarto de hotel aberta e detectou um cheiro estranho de perfume barato no quarto. Mas o odor não estava mais lá quando ela voltou no final da noite.

Ela disse que acordou muito cedo com “dor intensa e sintomas estranhos”.

“Não pensei na possibilidade de envenenamento e tinha certeza de que só precisava consultar um dentista com urgência”, escreveu. Ela pegou o próximo avião de volta para os Estados Unidos e no voo, os sintomas tornaram-se “muito estranhos, por todo o corpo e com dormência pronunciada”.

Ela foi parar nos serviços de emergência, mas os exames nada detectaram de anormal.

Ataques com agente nervoso

Vários ataques com agente nervoso foram realizados no exterior e na Rússia contra adversários do Kremlin nos últimos anos.

O líder da oposição russa Alexei Navalny foi tratado na Rússia e depois na Alemanha contra o que testes de laboratório ocidentais mostraram ter sido uma tentativa de envenená-lo com Novichok, um agente nervoso de fabricação soviética.

O governo de Moscou nega as acusações. Navalny retornou voluntariamente à Rússia em 2021 de Alemanha. Ele foi preso em janeiro daquele ano e está preso desde então.

O mesmo Novichok foi usado também em uma tentativa de assassinato em 2018 do ex-agente duplo Sergei Skripal e sua filha, na cidade inglesa de Salisbury.

O caso Skripal exacerbou ainda mais as já tensas relações entre Londres e Moscou após a morte por envenenamento por radiação em 2006 na capital britânica do ex-espião Alexander Litvinenko.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%