G1 Mundo

Biden condena violência de estudantes em protestos em 1ª fala após escalada dos atos em universidades nos EUA

today2 de maio de 2024 6

Fundo
share close

“Protestos pacíficos são livres nos Estados Unidos. Protestos violentos, não”, declarou Biden. “Destruir propriedades e ameaçar pessoas não é um protesto pacífico. Isso é a contra a lei. Pessoas têm o direito a protestar, mas não a criar caos”.

Biden vinha sendo cobrado por um posicionamento diante da onda de protestos que, desde meados de abril, tomou conta de grandes universidades dos EUA, com Yale, Harvard e Columbia.

Com um importante eleitorado judeu mas também diante de uma opinião pública fortemente favorável aos palestinos, o presidente optou por não tomar partido. Por isso, evitou condenar totalmente os protestos, mas disse que “a ordem deve prevalecer” e condenou o antissemitismo.



“Não deveria haver lugar nos campi ou nos EUA para antissemitismo, islamofobia ou qualquer crime de ódio”, disse Biden, durante pronunciamento na Casa Branca.

Questionado sobre se enviará tropas da Guarda Nacional dos EUA para auxiliar policiais nas ações nos campi.

Vídeo mostra confronto entre estudantes pró-Israel e pró-Palestina

Vídeo mostra confronto entre estudantes pró-Israel e pró-Palestina

Nesta quinta-feira, o foco da onda de protestos foi a Universidade da Califórnia (UCLA). Com bombas de gás lacrimogêneo e tiros balas de borracha, a polícia do estado retirou manifestantes que estavam acampados no campus da universidade, em Los Angeles, e prendeu centenas deles.

Nesta quinta, policiais entraram no campus por volta das 03h no horário local (07h no horário de Brasília) e lançaram bombas de dispersão e de gás lacrimogêneo. Estudantes que se negavam a deixar o local foram presos pela polícia. Segundo a polícia local, “centenas” de pessoas foram presas durante a ação de retirada.

Policiais expulsam manifestantes do Hamilton Hall da Columbia

Policiais expulsam manifestantes do Hamilton Hall da Columbia

Na noite de terça (30), forças policiais expulsaram estudantes que protestavam contra Israel no campus da Universidade de Columbia, em Nova York, outro grande foco dos protestos.

Os estudantes haviam ocupado o Hamilton Hall, um dos prédios da universidade, horas antes, após montar um acampamento no início do mês. Depois de as forças policias entrarem no campus, manifestantes que resistiram acabaram detidos.

Pouco antes da operação, o Departamento de Polícia de Nova York recebeu um aviso de Columbia autorizando os policiais a agir, disse um policial à agência Associated Press. O funcionário não estava autorizado a discutir publicamente detalhes do assunto e falou sob condição de anonimato.

A polícia utilizou uma escada para acessar uma das janelas da universidade. Para apoiar na operação, foi disponibilizado um ônibus para levar os estudantes detidos.

Após a ação policial, manifestantes continuaram as manifestações nas ruas do entorno da universidade. Os gritos de ordem, dessa vez, foram contra a polícia de Nova York.

Policiais expulsam manifestantes do Hamilton Hall da Columbia

Policiais expulsam manifestantes do Hamilton Hall da Columbia




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

auditor-que-delatou-problemas-no-controle-de-qualidade-da-boeing-morre-nos-eua

G1 Mundo

Auditor que delatou problemas no controle de qualidade da Boeing morre nos EUA

Joshua Dean trabalhava para uma fornecedora da gigante da aviação e foi demitido após levantar preocupações em relação à linha de montagem do modelo 737 MAX. Ele era representado pelo mesmo escritório de advocacia que John Barnett, que delatou problemas no Boeing 787 e morreu em março. Boeing 737 MAX 10 — Foto: Boeing/Divulgação Um funcionário de uma fornecedora da Boeing que delatou problemas no controle de qualidade da fabricante […]

today2 de maio de 2024 5

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%