G1 Mundo

Biden dá sinal verde para treinar pilotos ucranianos em caças F-16

today19 de maio de 2023 5

Fundo
share close

A prática poderá começar já nas próximas semanas em um local não especificado, em solo europeu, com a expectativa de ser concluída em até 18 meses.

O treino é pré-requisito para a transferência dos caças F-16 e de outros aviões modernos de guerra de aliados ocidentais para o exército da Ucrânia.

A medida altera radicalmente a postura de Washington em relação ao repasse das aeronaves, como os F-16, que antes era considerado inviável – a atitude teria, inclusive, surpreendido alguns dos aliados reunidos no Japão. Anteriormente, Washington vinha relutando em apoiar planos de alguns países europeus de repassar seus F-16 – como o avião é fabricação americana, é preciso aval dos EUA.



Segundo o funcionário do governo americano, Biden afirmou que os EUA “apoiarão um esforço conjunto com nossos aliados e parceiros para treinar pilotos ucranianos em aviões de combate de quarta geração, incluindo F-16s, para fortalecer e melhorar ainda mais a capacidade da Força Aérea da Ucrânia”.

À medida que o treinamento avançar, nos próximos meses, “nossa coalizão de países que participam desse esforço decidirá quando realmente vai repassar os jatos, quantos serão fornecidos e quem irá repassá-los”, acrescentou. Não foram revelados, no entanto, quais países irão participar da operação.

De acordo com um diplomata europeu citado pelo jornal britânico The Guardian, “as coisas têm se movimentado muito rapidamente no Japão. Muito mais rapidamente do que poderíamos imaginar”.

A Ucrânia tem reiterado a necessidade de receber e utilizar jatos ocidentais modernos contra a invasão russa, que começou em 24 de fevereiro de 2022. Até o momento, porém, grande parte dos apoiadores do país se recusou a acatar os pedidos de Kiev.

As exceções ficam por conta de Polônia e Eslováquia, que entregaram 27 caças MiG-29 para implementar a Força Aérea da Ucrânia.

Os líderes militares e governamentais ucranianos argumentam que os F-16s são muito mais eficazes do que os caças da era soviética utilizados atualmente.

Mas os governos ocidentais têm sido cautelosos, evitando repassar um alto número de armamentos e equipamentos militares, o que poderia deixar seus próprios países indefesos.

Outro motivo é uma tentativa de distanciamento em relação à possibilidade de as armas ocidentais atingirem áreas do território russo e, assim, dar a Moscou a chance de aumentar ainda mais o conflito.

Nesta semana, o presidente da Ucrânia, Volodimir Zelenski, recebeu promessas de Reino Unido e Holanda, que estariam dispostos a ajudar a desenvolver uma “coalizão internacional”.

Embora nenhum deles tenha confirmado o envio direto de caças, o primeiro-ministro britânico, Rishi Sunak, e o homólogo holandês, Mark Rutte, prometeram a formação da coalizão para fornecer apoio à Força Aérea da Ucrânia.

Conforme o vice-presidente do Comitê de Segurança Nacional, Defesa e Inteligência da Ucrânia, Yegor Chernev, citado pelo The Guardian, Bélgica e Dinamarca também indicaram estar dispostos a repassar caças. Ele espera que outros países façam o mesmo, seguindo as declarações de Biden.

Após visitar Sunak na propriedade rural do primeiro-ministro britânico, em Chequers, Zelenski declarou estar “muito confiante” quanto à criação da coalizão.

Na noite desta sexta-feira, o presidente ucraniano escreveu no Twitter que a “histórica decisão dos EUA e de Biden de apoiar uma coalizão internacional de aviões de guerra” vai aumentar o exército da Ucrânia no céu. E que as questões práticas disso devem ser discutidas em Hiroshima, no Japão, durante a cúpula do G7.

Sunak, por sua vez, afirmou que o Reino Unido estaria se preparando para abrir uma escola de aviação para treinar pilotos ucranianos, e o presidente francês, Emmanuel Macron, ofereceu a mesma possibilidade, embora tenha descartado o envio de aviões a Kiev.

Também na noite desta sexta-feira, no Twitter, o primeiro-ministro britânico escreveu que o anúncio para o treinamento de pilotos ucranianos, por parte dos EUA, é bem-vindo, e que o Reino Unido trabalhará em conjunto com americanos, holandeses, belgas e dinamarqueses.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

policia-francesa-afirma-que-brasileira-foi-vista-nas-ruas-de-paris-dois-dias-apos-registro-de-desaparecimento

G1 Mundo

Polícia francesa afirma que brasileira foi vista nas ruas de Paris dois dias após registro de desaparecimento

O desaparecimento de Fernanda Santos de Oliveira, de 44 anos, natural de Botucatu, no interior de SP, foi registrado no dia 6 de maio, quando ela saiu do apartamento em que morava sem documentos e celular, levando apenas uma bolsa de mão, um patinete elétrico e o passaporte. Na última quarta-feira (17), um comunicado da polícia parisiense revelou que Fernanda teria sido vista nos dias 8 e 9 de maio […]

today19 de maio de 2023 32

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%