G1 Mundo

Biden insinua que tio foi comido por canibais em Papua-Nova Guiné, e premiê local fica ofendido

today24 de abril de 2024 7

Fundo
share close

Durante um discurso na semana passada, o presidente Joe Biden, dos Estados Unidos, deu a entender que um tio dele foi comido por canibais na Papua-Nova Guiné, um país da Oceania, na Segunda Guerra Mundial. No domingo (21), o primeiro-ministro do país, James Marape, acusou Biden de ofender a nação.

No dia 17 de abril, Biden contou que quatro tios dele lutaram na Segunda Guerra. Ele então deu uma versão a respeito do que teria acontecido com o tio que morreu.

“Ambrose Finnegan –nós o chamávamos de Tio Bosie—foi derrubado. Ele pilotava aviões monomotores, fazia voos de reconhecimento sobre a Nova Guiné. Ele tinha se voluntariado, porque alguém não pôde ir, e foi derrubado em uma área onde, na época, havia muitos canibais na Nova Guiné. Nunca encontraram o corpo dele. O governo voltou, quando eu fui lá, e eles descobriram algumas partes do avião”.



Segundo a agência de notícias Associated Press, os registros militares não descrevem a mesma história. Conforme os arquivos, Ambrose Finnegan era um passageiro em uma aeronave Douglas A-20 Havoc, de transporte, que caiu no mar em 14 de maio de 1944, quando os dois motores quebraram. Uma pessoa que estava a bordo sobreviveu, mas três outras nunca foram encontradas e nem o avião. Não há nenhuma menção a canibalismo.

Tinha canibalismo na Papua-Nova Guiné?

O jornal britânico “The Guardian” entrevistou Michael Kabuni, professor de ciência política da Universidade de Papua-Nova Guiné.

Ele afirmou que havia, sim, canibalismo no país, mas disse que “tirar isso de contexto e sugerir que seu tio pulou do avião e que nós (papuásios), de alguma forma, pensaríamos que é uma boa refeição é inaceitável”.

O professor disse ao “The Guardian“ que o canibalismo era praticado em algumas comunidades e que se tratava de algo ritualístico, e não por falta de comida: por exemplo, comia-se o corpo de um parente falecido para evitar a decomposição: “Havia um contexto, eles não comiam qualquer homem branco que caísse do céu”.

Primeiro-ministro reclama

James Marape, o primeiro-ministro da Papua-Nova Guiné, disse “os comentários do presidente Biden podem ter sido um deslize; no entanto, meu país não merece ser rotulado assim,”.

Ele afirmou que o povo dele não teve nada a ver com a Segunda Guerra e que foram levados a participar de um conflito com o qual não tinham relação.

Marape também pediu para que os EUA procurem os americanos mortos nas florestas da Papua-Nova Guiné e limpem os destroços da guerra. “Os vestígios da Segunda Guerra continuam espalhados pela Papua-Nova Guiné, inclusive o avião que levava o tio do presidente Biden”.

Ele continuou: “Com os comentários do presidente Biden e a reação no país e em outras partes do mundo, talvez seja hora dos EUA encontrar os vestígios da Segunda Guerra em Papua-Nova Guiné o mais rápido possível, incluindo os militares que morreram, como Ambrose Finnegan”.

“Os teatros de guerra na Papua-Nova Guiné e nas Ilhas Salomão estão cheios de restos da Segunda Guerra, incluindo restos humanos, destroços de aviões e navios, túneis e bombas. Nossa gente vive diariamente com o medo de serem mortos por bombas da Segunda Guerra” , disse Marape.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

reino-unido-vai-deportar-imigrantes-ilegais-estrangeiros-e-manda-los-a-forca-para-ruanda:-entenda

G1 Mundo

Reino Unido vai deportar imigrantes ilegais estrangeiros e mandá-los à força para Ruanda: entenda

Eles formavam o primeiro grupo de imigrantes ilegais que o governo britânico pretendia levar à força para a Ruanda, a partir de um acordo entre os governos britânico e ruandês. O plano, fortemente defendido pelo então primeiro-ministro do Reino Unido, Boris Johnson, acabou barrado pela Suprema Corte do país. Reino Unido aprova lei para enviar imigrantes para a Ruanda Mas nem o avião detido em plena pista de decolagem nem […]

today24 de abril de 2024 7

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%