G1 Santos

Biólogo tatua o Aedes aegypti na pele e diz que o mosquito é ‘parceiro’ de trabalho em quase 30 anos estudos

today27 de março de 2024 9

Fundo
share close

Um biólogo resolveu tatuar na pele um mosquito Aedes aegypti, o mesmo que transmite a dengue e outras tantas doenças. Ao contrário do medo que o inseto representa a tantas pessoas, que foram infectadas ou perderam entes queridos, Fábio Lopes, de 58 anos, enxerga no vetor um ‘parceiro’ de trabalho, que é estudado por ele há quase 30 anos.

“Metade da minha vida estou dedicando ao Aedes. Ano que vem faço 30 anos de estudo, de publicação de trabalho, de conversa, entrevista, laboratório, tudo. Não tenho como não fazer uma homenagem a esse bicho”, disse Fábio.

Ele começou a trajetória no Núcleo de Controle de Zoonoses em São Vicente, no litoral de São Paulo, quando foi aprovado em concurso para agente de controle de vetores. A experiência profissional, segundo Fábio, o ensinou a lidar com roedores urbanos, serpentes, morcegos e até mesmo pombos. “Aqueles que têm convívio indesejável com o homem”.



O interesse em aprofundar os conhecimentos sobre o que aprendia no trabalho o levou a cursar Biologia. Essa foi a porta de entrada para ingressar na área da saúde coletiva.

A relação com o mosquito, por sua vez, começou em 1996 devido a reinfestação do Aedes aegypti no Brasil e a primeira epidemia de dengue em Santos e São Vicente. “Fui nomeado como chefe desse controle de campo e aí a minha vida começou com esse mosquito”.

Na época, de acordo com Fábio, o mosquito se reproduzia em 12 tipos de criadouros, enquanto hoje são 40 os locais.

Biólogo que estuda e trabalha há quase 30 anos com o Aedes aegypti carrega o mosquito na pele: ‘eu vivo disso’ — Foto: Arquivo Pessoal

O biólogo contou que o médico e cientista Oswaldo Cruz foi responsável por erradicar a espécie de mosquito do país no início do século XX, quando o vetor transmitia a febre amarela, mas que o Aedes aegypti voltou em 1985, passando a transmitir a dengue.

Naquela época, ele sequer pensava em estudar o inseto, pois atuava como sargento do Exército. Revisitando o passado e com base no conhecimento adquirido, Fábio entende que não existem armas capazes, no momento, de acabar com o mosquito.

“Hoje é impossível a gente retirar o mosquito aqui do território nacional. Não tem mais como erradicar o Aedes aegypti do Brasil. Ele veio para ficar e pode transmitir 23 doenças diferentes no mundo”, disse.

Biólogo estuda e trabalha com o Aedes aegypti há quase 30 anos na Baixada Santista, no litoral de SP — Foto: Reprodução/TV Tribuna

Apesar do país enfrentar um momento difícil com a dengue, a situação na Baixada Santista, segundo ele, está melhor em relação ao cenário nacional.

Fábio destacou que a região enfrenta a doença há anos, e a população já teve contato com os sorotipos da doença — são quatro tipos de vírus e, a cada infecção, a pessoa se torna imune àquela cepa . No entanto, isso não quer dizer que não há risco.

Confira os cuidados para evitar criadouros do mosquito Aedes aegypti

Confira os cuidados para evitar criadouros do mosquito Aedes aegypti

Fábio contou ter feito a tatuagem há quatro anos porque o mosquito se faz bastante presente no dia dele, que estuda o ciclo de vida do vetor.

“Na verdade, o mosquito é um parceiro. Infelizmente, ele está presente, faz parte da minha vida. Metade da minha vida foi lidando com esse mosquito”, disse.

A tatuagem no antebraço de Fábio desperta a atenção das pessoas. “Nunca vi ninguém que tenha, mas é realmente uma homenagem. Minha vida profissional, 70% a 80% dela, se deve ao Aedes aegypti. Eu vivo disso“.

Fábio tatuou o Aedes aegypti na pele para homenagear mosquito que estuda e trabalha há quase 30 anos — Foto: Reprodução/TV Tribuna

A dengue faz parte de um grupo de doenças denominadas arboviroses. O vírus é transmitido pela picada da fêmea do mosquito Aedes aegypti e possui quatro sorotipos diferentes: DENV-1, DENV-2, DENV-3 e DENV-4 — todos podem causar as diferentes formas da doença.

Como saber se você está com dengue e se é grave

Como saber se você está com dengue e se é grave

Todas as faixas etárias são igualmente suscetíveis à doença, porém as pessoas mais velhas e aquelas que possuem doenças crônicas, como diabetes e hipertensão arterial, têm maior risco de evoluir para casos graves e outras complicações que podem levar à morte.

Uma pessoa pode ter dengue até quatro vezes ao longo de sua vida. Isso ocorre porque ela pode ser infectada com aos quatro diferentes sorotipos do vírus. Uma vez exposta a um determinado sorotipo, após a remissão da doença, ela passa a ter imunidade para aquele sorotipo específico.

Infográfico detalha como a dengue age no corpo — Foto: G1

VÍDEOS: g1 em 1 Minuto Santos




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Santos.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

governo-tarcisio-analisa-ha-15-meses-recomendacao-para-demitir-da-cunha-por-abuso-de-autoridade-e-constrangimento-ilegal

G1 Santos

Governo Tarcísio analisa há 15 meses recomendação para demitir Da Cunha por abuso de autoridade e constrangimento ilegal

Desde então, a decisão sobre o processo está em análise na Assessoria Jurídica do Governo (AJG). Ficou um mês sob avaliação da gestão Rodrigo Garcia (que estava à época no PSDB) e, na atual, de Tarcísio de Freitas (Republicanos), está há 15 meses. No entanto, nem a gestão de Rodrigo nem a de Tarcísio demitiu Da Cunha, que continua sendo delegado (leia mais nesta reportagem). Delegados só podem ser demitidos […]

today27 de março de 2024 5

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%