G1 Mundo

‘Boneco de Vini Jr. pendurado pelo pescoço ensejou novos episódios como esse’, diz Flávia Oliveira

today22 de maio de 2023 18

Fundo
share close

“O episódio do Vini Jr. chama a atenção porque ele se dá em uma espiral: começa com um torcedor ou dois, um pequeno grupo, e na medida em que não há punição, não há nenhum tipo de reação nem da Justiça, nem das entidades esportivas, nem do clube – que tem a honra de ter o Vini Jr. no seu elenco – esse processo vai se agravando”, explica Flávia.

A comentarista relembrou que a ofensa, ocorrida no final do mês de janeiro deste ano, não teve nenhuma punição ao adversário do Real Madrid. E com a conivência e a falta de ação das entidades esportivas espanholas, torcedores de outras equipes se sentiram aptos a praticar racismo contra o brasileiro nas rodadas seguintes do torneio nacional local – até o momento, ele já sofreu racismo nove vezes no país.

“A gente viu em janeiro uma situação particularmente violenta, que foi o boneco de Vini Jr. dependurado, enforcado em um viaduto, aquilo remetendo aos momentos mais trágicos e brutais da segregação americana, quando pessoas negras eram linchadas e enforcadas em árvores para uma plateia absolutamente entusiasmada. Aquele episódio, como não teve nenhum tipo de reação a ele, ensejou novos episódios como esse, de uma torcida inteira gritando antes, durante e provavelmente depois do jogo”.



Flávia Oliveira vê racistas se sentindo livres para praticar ofensas por falta de punição; Vini Jr. já foi ofendido nove vezes na Espanha — Foto: Reprodução/GloboNews

Flávia comentou também as manifestações ao redor do mundo sobre o caso. E lembrou a manifestação do presidente da Confederação Brasileira de Futebol, Ednaldo Rodrigues, que lamentou o ocorrido. Para ela, faltam ações das entidades brasileiras também no futebol nacional para os casos de racismo e também de homofobia que ocorrem nos campos do Brasil.

“A Espanha está no epicentro dessa situação, mas veja que o racismo no futebol não é exatamente novidade. E até me causou surpresa o presidente da CBF perguntar “até quando?” porque os estádios brasileiros colecionam episódios de racismo e homofobia, e as respostas, seja dos cartolas, das entidades esportivas, dos clubes e do próprio governo brasileiro têm sido insuficientes para coibir (o racismo) no Brasil e fora dele”, avalia.

Mais sobre o racismo sofrido por Vini Jr.

A analista reforçou que as manifestações de apoio a Vini Jr. no caso, que vieram de muitos lados na Europa, no Brasil e em várias partes do mundo, podem até ser acalentadoras, mas não são suficientes para evitarem o surgimento de novos casos.

“Quando um atleta se levanta isoladamente, ainda que ele tenha apoios declarados e acolhimento, isso não é suficiente. Porque a impunidade é irmã siamesa do crime. E se esse indivíduo que é racista, que perdeu o pudor de manifestar o seu racismo, que vai em manada para os estádios para expressar o seu racismo, não é punido, e se ninguém é punido, isso encoraja a reincidência”, sentencia a comentarista.

Natural de São Gonçalo (RJ), Vinícius Júnior foi revelado pelo Flamengo em 2016, e comprado pelo Real Madrid em 2017 – mas só chegou ao clube merengue um ano depois. Ele se tornou o principal jogador da equipe ao longo dos anos, chegando à Seleção Brasileira e disputando a última Copa do Mundo, no Catar.




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

brasileira-e-encontrada-apos-mais-de-15-dias-desaparecida-em-paris

G1 Mundo

Brasileira é encontrada após mais de 15 dias desaparecida em Paris

Segundo a irmã da brasileira, que mora em Botucatu, no interior de SP, a polícia foi acionada por vizinhos que a viram chegar em casa. Ela foi levada pelos policiais para um hospital para realização de exames para saber se ela sofreu algum tipo de violência. O desaparecimento de Fernanda havia sido registrado no dia 6 de maio, quando ela saiu do apartamento em que morava sem documentos e celular, […]

today22 de maio de 2023 8

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%