G1 Mundo

Brasileira que deu à luz em Gaza na noite de Natal consegue deixar território com os três filhos

today8 de fevereiro de 2024 1

Fundo
share close

A mulher, que deu à luz o terceiro filho em um hospital em Gaza na noite de Natal, havia recebido autorização para deixar Gaza na quarta-feira (7) e, nesta manhã, cruzou a fronteira entre o sul do território e o Egito, pela cidade fronteiriça de Rafah, segundo informou o Itamaraty.

Sozinha e com três filhos, um deles recém-nascido, a brasileira tentava deixar a Faixa de Gaza desde o início da guerra entre Israel e o Hamas.

De acordo com a embaixada, a mulher, cujo nome não foi divulgado, deixou o território com o bebê, que nasceu na noite de Natal, e seus outros dois filhos, de 2 e de 4 anos, e viajará para o Brasil no fim desta semana.



A brasileira estava sozinha com as crianças porque seu marido, que vivia em Gaza, viajava a trabalho quando a guerra estourou e, desde então, não conseguiu retornar, segundo disse ao g1 o embaixador do Brasil na Palestina, Alessandro Candeas.

A família, que tem dupla nacionalidade brasileira e palestina, residia no território quando a guerra começou, em 7 de outubro.

A brasileira, ainda segundo Candeas, não conseguiu viajar com o terceiro e último grupo de brasileiros que a embaixada havia conseguido retirar de Gaza por conta do estágio avançado da gravidez.

Ela deu à luz apenas um dia depois de o grupo chegar ao Brasil, na noite de Natal e em um dos poucos hospitais que ainda funcionam em Gaza, sob risco de bombardeios.

“Acompanhamos todo o tratamento dela. Nasceu em um dos poucos hospitais que conseguem funcionar precariamente“, disse Candeas ao g1.

A brasileira deixou Gaza na quinta-feira (8) pela passagem de Rafah, no sul de Gaza. Ela cruzou a fronteira para o Egito junto de um grupo de estrangeiros que também recebeu autorização – as listas de estrangeiros são enviadas pelas embaixadas aos governos de Israel e do Egito, que analisam e autorizam os nomes.

Desde o início da guerra, o Itamaraty vem tentando retirar brasileiros que ficaram retidos na Faixa de Gaza – o território só tem saídas para Israel, que foram fechadas, e para o Egito, pelo sul.

A fronteira com o Egito, na cidade fronteiriça de Rafah, também foi fechada após o início da guerra. No entanto, governos de vários países começaram a pressionar autoridades locais para reabrir a passagem e permitir, assim, a retirada de cidadãos estrangeiros.

Israel temia que a abertura dessa fronteira se tornasse uma via de fuga para terroristas do Hamas. Já o governo egípcio queria evitar que o conflito migrasse para seu país.

Após negociações, Egito e Israel decidiram reabrir parcialmente a passagem de Rafah, em poucas horas do dia e apenas para a saída de estrangeiros ou de ambulâncias com casos médicos emergenciais.

Na ocasião, o embaixador do Brasil na Palestina revelou ao g1 que mais brasileiros ainda estavam no território, e que o Itamaraty já trabalhava com uma segunda lista. O segundo grupo conseguiu deixar Gaza no início de dezembro e um terceiro, no fim do mesmo mês.

Presidente Lula se encontra com brasileiros e parentes palestinos que chegaram de Gaza

Presidente Lula se encontra com brasileiros e parentes palestinos que chegaram de Gaza




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

boris-nadezhdin,-unico-rival-declarado-de-putin,-tem-candidatura-barrada-na-russia

G1 Mundo

Boris Nadezhdin, único rival declarado de Putin, tem candidatura barrada na Rússia

A Comissão informou que encontrou assinaturas falsas de Nadezhdin e seus apoiadores. O CEC afirmou que alguns nomes eram de pessoas mortas. O então candidato disse em seu canal do Telegram que não concordava com a decisão e que iria recorrer à Suprema Corte da Rússia. "Coletei mais de 200 mil assinaturas em toda a Rússia. Realizamos a coleta de forma aberta e honesta - as filas em nossa sede […]

today8 de fevereiro de 2024 6

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%