G1 Mundo

Caravana de migrantes que atravessa o México para chegar aos EUA é ‘maior movimento humano’ do país, diz ONG

today28 de dezembro de 2023 1

Fundo
share close

A caravana dos migrantes saiu da cidade de Tapachula, na fronteira com a Guatemala (1.150 km ao sul da capital) e pretende chegar na fronteira do México com os Estados Unidos, quase 3.000 km ao norte. Aproximadamente 10 mil pessoas, entre elas latino-americanos, africanos e asiáticos partiram do município que fica no estado de Chiapas, neste domingo (24).

“Com dignidade, nós vamos caminhar até alcançar nosso objetivo. São 24 nacionalidades, principalmente de Honduras, Cuba, Haiti, mas também tem gente da Nicarágua, da Guatemala, El Salvador, República Dominicana, da Colômbia, do Equador, da Venezuela, do Brasil. Temos também iranianos, paquistaneses, hindus, gente da Síria, China, Bangladesh e de vários países da África”, explica à RFI Luis Rey García Villagrán, diretor do Centro de Dignidade Humana que viaja com o grupo de migrantes.  

O grupo decidiu realizar a travessia após passar meses em Tapachula em situação de extrema pobreza. A caravana que começou no domingo cresceu, com outros migrantes se unindo no caminho, e chegou a 14 mil pessoas.



“São pessoas muito necessitadas, abandonadas em Tapachula há sete ou oito meses, que não recebem assistência do Instituto Nacional de Migração, e essa é a razão pela qual decidimos caminhar. Estamos no terceiro dia de caminhada e pelo número de pessoas caminhando na estrada costeira de Chiapas, acho que é o maior movimento de seres humanos desta magnitude caminhando juntos”, afirma García Villagrán.  

“Eu acho que é a primeira vez na história do sudeste do México que, nas estradas, em vez de ver árvores, você vê mulheres e crianças caminhando. Acreditamos que ao sair de Chiapas vamos ter um contingente de 16.000 pessoas e desta maneira vai ser muita gente que vai chegar na Cidade do México”, alerta o diretor da ONG.

Imigrantes nas mãos do crime organizado

Em setembro, o Instituto Nacional de Migrações mexicano, o órgão do governo responsável pelos migrantes, suspendeu a concessão de autorizações para circular pelo México. As ONGs de Tapachula denunciam uma situação humanitária caótica.

“O Estado mexicano nos deixou nas mãos do crime organizado, ou seja, dos cartéis, porque como se negam a nos dar documentos e a cumprir a lei e os regulamentos de migração e de asilo no México, os migrantes decidiram ir embora com coiotes, com traficantes humanos e isso colocou em risco muitas mulheres e crianças. Por isso, a única maneira segura é caminhar dez e até doze horas diárias, debaixo do sol escaldante da costa de Chiapas”, explica García Villagrán.

O presidente mexicano, Andrés Manuel López Obrador, reconheceu que o fluxo de migrantes aumentou nos últimos meses. Nas últimas semanas, a polícia americana de fronteira informou que mais de 10 mil pessoas por dia tentaram atravessar para os Estados Unidos, um ritmo mais intenso que nas semanas anteriores.

Imagem de 26 de dezembro mostra caravana de imigrantes que atravessa o México — Foto: Jose Torres/Reuters




Todos os créditos desta notícia pertecem a G1 Mundo.

Por: G1

Esta notícia é de propriedade do autor (citado na fonte), publicada em caráter informativo. O artigo 46, inciso I, visando a propagação da informação, faculta a reprodução na imprensa diária ou periódica, de notícia ou de artigo informativo, publicado em diários ou periódicos, com a menção do nome do autor, se assinados, e da publicação de onde foram transcritos.

Avalie

Post anterior

‘eles-viraram-mumias-por-causa-do-calor’:-os-relatos-comoventes-dos-voluntarios-que-recolhem-corpos-de-migrantes-em-deserto-no-arizona

G1 Mundo

‘Eles viraram múmias por causa do calor’: os relatos comoventes dos voluntários que recolhem corpos de migrantes em deserto no Arizona

Seus companheiros de viagem decidiram deixá-lo para trás depois de esperar três horas por ele em uma rocha no Cerro Picudo, no deserto de Sonora, no Arizona. O grupo de cinco migrantes e um coiote (como são chamados os guias pagos para levar imigrantes ilegais através da fronteira) caminhava pelo deserto havia cinco dias, após cruzar a fronteira entre o México e os Estados Unidos. Raúl Sánchez tinha dois celulares: […]

today28 de dezembro de 2023 2

Publicar comentários (0)

Deixe uma resposta

Seu endereço de email não será publicado. Os campos obrigatórios estão marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.


0%